"Prova de Amor" supera desconfiança e vira trunfo nas tardes da Record

Coluna Enfoque NT analisa "guinada" de audiência nas tardes do canal paulista

Lavínia Vlasak e Marcelo Serrado são os protagonistas de "Prova de Amor" - Divulgação/TV Record

Publicado em 05/02/2016 às 14:59:46

Por: Thiago Forato

Não é de hoje. Há muitos anos a Record vem atravessando problemas gritantes de audiência no período da tarde. De tudo ali já foi tentado, sendo que nesta década o “Programa da Tarde” é a maior prova do quanto a emissora tentou alavancar o período vespertino com investimento a longo-prazo. Um programa de variedades, com jornalismo, serviço e entretenimento que ficou por quase três anos no ar.
 
Atração ficou por quase três anos no ar e não decolou
 
O “Programa da Tarde” resistiu o quanto pôde. Passou por reformulações, diferentes conteúdos, mas o fato é que nunca emplacou. Um dos apresentadores, Britto Jr., já havia declarado, lá em 2012, que também queria desvendar o telespectador que assiste televisão à tarde. 
 
Como o país da novela - afinal, são elas que detêm as maiores audiências da TV -, não seria absurdo imaginar que a dramaturgia também é o que o público quer ver à tarde. A Record tentou lançar outras tramas no horário, mas não agradaram. A própria “Prova de Amor” foi muito mal na primeira reprise, entre 2008 e 2009.
 
De olho nos sucessos mexicanos do SBT
 
O SBT também já teve problemas mais graves no horário vespertino, e sua audiência flutua conforme a aceitação do público perante o que é apresentado.
 
Grandes acertos aconteceram nos últimos anos, assim como decepções. O acervo da Televisa permite um grande fôlego de material novo para ser usado, enquanto a Record é extremamente mais limitada nesse aspecto.
 

Exibida em 2013, "Cuidado com o Anjo" repete sucesso pelo SBT em 2016
 
Apesar de já ter tentado novelas num passado não tão distante, a Record resolveu apostar novamente nesse filão. O “Programa da Tarde” foi definitivamente cancelado para dar lugar à “Prova de Amor” e “Dona Xepa”.
 
A princípio, o resultado foi catastrófico. Enquanto “Prova de Amor” patinava nos 4 pontos e “Dona Xepa” afundava nos 2, a emissora já não tinha mais recursos a serem utilizados, a não ser ficar na esperança de que seus índices decolassem com o passar dos capítulos.
 
Não aconteceu com “Dona Xepa”, que deu lugar à “Chamas da Vida”, mas o sucesso veio por parte de “Prova de Amor”, um grande fenômeno da emissora em 2005, que abalou a Globo e seu “Jornal Nacional”.
 

"Dona Xepa" beirou o traço no Ibope em sua reprise
 
Nos últimos dias, a novela de autoria de Tiago Santiago e direção de Alexandre Avancini tem sido uma das maiores audiências do dia da Record. Nesta quinta-feira (4), por exemplo, teve 8,8 pontos, atrás apenas de “José do Egito”, com 12,2. E vem alcançando até mesmo o primeiro lugar durante alguns minutos.
 
A concorrência realmente não é das mais fortes. O SBT transmite o já combalido e desgastado “Casos de Família”, além de parte de “Cuidado com o Anjo” (que também tem boa audiência), e na Globo, enfrenta o “Vídeo Show” e a “Sessão da Tarde”. Mas, evidente que a novela tem seus méritos.
 
Folhetim rasgado
 
“Prova de Amor” tem elementos de um folhetim clássico, com tons de didatismo característicos de Tiago Santiago com o Rio de Janeiro como pano de fundo. Apesar de batido, não resta margem pra dúvida que é esse tipo de produto que o público consome e quer continuar consumindo.
 

"Prova de Amor" é uma das maiores audiências da Record
 
A novela, é bem verdade, teve grandes devaneios em sua reta final, mas fez grande história na TV, sobretudo na Record. Afinal, o segundo lugar no ranking de audiência passou a ser real com “Prova de Amor”, bem como a liderança da até então “inabalável” Globo no horário nobre.
 
O que resta?
 
Como se sabe, novelas tem um começo, meio e fim. E a Record não tem um arsenal tão generoso como o da Globo ou tão quantitativo como o do SBT, que pode recorrer à Televisa. As opções são mais escassas. 
 
A solução para substituir “Prova de Amor” à altura e manter a vice-liderança do horário (e até um eventual primeiro lugar, como já ocorreu em 2016) é bastante difícil e há que ser feita de maneira cirúrgica para não destruir o que já foi contruido.

 
Thiago Forato é jornalista, escreve sobre televisão há 11 anos e assina a coluna Enfoque NT há cinco, além de matérias e reportagens especiais no NaTelinha. Converse com ele: thiagoforato@natelinha.com.br  |  Twitter: @tforatto


COMENTÁRIOS