Reportar erro
Colunas

O que o SBT quer para 2015? Ainda busco entender

Antenado

logosbt-nova.jpg
Divulgação
Redação NT

Publicado em 07/03/2015 às 15:20:54

Na última quinta-feira (05), Xuxa Meneghel foi oficialmente anunciada como nova contratada da Record. Bom, desta vez não falarei sobre como essa chegada irá impactar a emissora ou algo do tipo. Escreverei agora sobre uma variação disso.

Depois da apresentação da loira na Record, Marcelo Rezende disse, em clara referência ao SBT: "Só vejo nós e a Globo nos movimentando. A Globo porque está comemorando seus 375 anos e a Record porque tá movimentando o mercado, tentando, buscando gente nova para elevar sua qualidade, sua audiência".

Pior que, pouco depois, começou uma discussão no Twitter, dizendo que ele teria pegado pesado. Mas espera: Rezende realmente tem razão. De fato, neste início de ano, Globo e Record se movimentam mais, e a Band, juntamente com a Gazeta (quem diria, a Gazeta se movimentando mais que o SBT...), ficaram no segundo escalão. Até a RedeTV! fez algumas contratações pontuais pra essa temporada.

Não estou dizendo para o SBT torrar tubos de dinheiro, lógico que não. Não sou louco. Mas vamos analisar friamente: qual a grande acerto para 2015 do canal até agora? Trazer o "Bob Esponja". Fora isso, além de mais uma novela infantil - "Cúmplices de um Resgate" - e o seriado "A Garota da Moto", que é uma co-produção, nada mais para 2015.

E eu falo novidade, porque não considero reprises de "Maria Esperança", "A Usurpadora" e "Carrossel" como novidades. Talvez no canal Viva fossem. O SBT precisa fazer algo pontual, pelo menos, para resolver seus sábados à noite, por exemplo. Ficar dependendo de filmes, enquanto todas as outras colocam programas de auditório inéditos no ar chega a ser estranho, ainda mais porque o SBT teve, naquele horário, programas consagrados como o "Viva a Noite", pioneiro no programa de auditório aos sábados à noite.

Sinceramente, não sei qual é a ambição do SBT para este ano. Tentar-se manter competitivo pela vice, provavelmente. Mas a falta de movimentação do canal, até pra resolver problemas específicos, chama a atenção, no sentido ruim.


Gabriel Vaquer escreve sobre mídia e televisão há vários anos. No NaTelinha, além da coluna “Antenado”, assinada todos os sábados, é responsável pelo “Documento NT” e outras reportagens. Converse com ele. E-mail: gabriel@natelinha.com.br / Twitter: @bielvaquer

Mais Notícias