Reportar erro
Colunas

"Felizes Para Sempre?" mostrou que faz falta um olhar diferente na TV

felizesparasempre-paolla-maria-enriquediaz.jpg
Divulgação/TV Globo
Redação NT

Publicado em 07/02/2015 às 17:02:24

Escrevo este texto pouco após ver o último episódio de "Felizes Para Sempre?", seriado que causou muito burburinho nas duas últimas semanas na televisão e nas rede sociais, muito pela cenas ousadas de Paolla Oliveira.

Pórém, "Felizes" é mais do que cenas ousadas e sexo. O roteiro foi escrito de forma densa, para incomodar o telespectador e mostrar para ele que felicidade plena, no mundo real, não existe, diferente do que se vende nas próprias novelas da Globo.

Cheia de nuances, com um tom até agressivo para o estilo mais minimalista de Euclydes Marinho, a série se mostrou uma grande surpresa ao passar dos episódios, fisgando muita gente que só deu uma espiada para ver as cenas da Paolla Oliveira e acabou na obrigação de seguir a trama - este que vos fala é um desses, inclusive.

A direção de Fernando Meirelles dá um olhar absolutamente diferenciado, com direção firme, segura, com fotografia e cinematografias diferentes. Ele, se não é o melhor diretor do país, é um dos melhores, por saber unir bem a parte técnica, com a direção de cena.

Fernando Meirelles soube extrair, por exemplo, o melhor de Enrique Diaz, que é muito bom ator, mas em "Felizes" estava beirando a perfeição com o seu corrupto Claudio. E não foi só ele: Perfeito Fortuna, Cassia Kis Magro (mais uma vez excepcional), João Baldasserini (a grande revelação do seriado), Maria Fernanda Cândido (como ela fazia falta na televisão...) foram muito bem em seus papeis.

Mas sem dúvida alguma, o grande destaque é Paolla Oliveira, que finalmente deixou o estigma de atriz insossa. Não era culpa da atriz, diga-se: ela que sempre recebia papéis ruins. Quando teve um personagem bom, a Verônica de "Cama de Gato", foi muito bem. Agora, recebe um papel sensacional e tem uma atuação excepcional, irrepreensível, como a prostituta Danny Bond.

O final do seriado é muito incômodo - a morte de Danny Bond, causadora de uma série de situações na vida de Claudio e Marília. O realismo na cena de morte chocou nas redes sociais, e a mim também, mas foi a coroação de tudo o que a trama mostrou durante essas duas últimas semanas, provando que um olhar diferente, o tempo todo, faz muita falta na televisão.

"Felizes para Sempre?" é forte candidata a ser o melhor produto exibido na TV este ano.


Gabriel Vaquer escreve sobre mídia e televisão há vários anos. No NaTelinha, além da coluna “Antenado”, assinada todos os sábados, é responsável pelo “Documento NT” e outras reportagens. Converse com ele. E-mail: gabriel@natelinha.com.br / Twitter: @bielvaquer

Mais Notícias