Reportar erro
Colunas

Quando um narrador esportivo faz a diferença em um jogo

Antenado

bc3d50db1bc99717d119a31410d8346b.jpg
Divulgação
Redação NT

Publicado em 08/11/2014 às 12:38:31

Eu confesso que gosto da ESPN Brasil. Desde minha infância até sua fase atual, que é excelente. A equipe é afiada, e quando falo equipe, digo todos: apresentadores, editores, comentaristas e repórteres. É o melhor canal de esportes da TV por assinatura hoje, e isto é um fato consumado. 
 
Porém, não é exatamente de ESPN que quero falar nesta coluna, e sim de um profissional nela específico, que já me chama a atenção há algum tempo, mas que de duas semanas para cá tem despertado meu interesse ainda mais. Trata-se de Paulo Andrade, o narrador número um da emissora esportiva da Disney.
 
Quem me acompanha no Twitter, sabe que considero Paulo um dos três melhores do Brasil - junto com Luís Roberto e Milton Leite -, muito por sua firmeza ao narrar, ao saber passar emoção na dose certa, e ainda não ter trezentos e doze bordões como a maioria dos locutores. Simples, direto, forte ao fazer lances de emoção, e com uma extrema categoria ao conduzir um jogo. 
 
Dito isto, tenho que falar das duas últimas semanas de Paulo. Ele narrou dois jogos de intensidade: "apenas" Real Madrid x Barcelona e Atlético Mineiro x Flamengo, pela Copa do Brasil, na última quarta. Os dois in loco. E foram os dois primeiros jogos de Andrade depois de uma perda irreparável: a de seu pai.
 
No primeiro, não pareceu se abalar, muito pelo contrário. Parecia narrar com mais força, mais vontade, mais garra. Era como se quisesse fazer uma homenagem ao seu pai naquele jogo. Fazer a melhor transmissão da vida para honrá-lo. E este mesmo sentimento aconteceu em Galo versus Fla, onde no quarto gol, foi perfeito ao definir a vitória do time mineiro: era a vitória do inacreditável. 
 
Depois destes dois jogos, uma opinião que já vinha amadurecendo, se tornou 100% concreta: Paulo é, sim, o melhor narrador do Brasil. Se mostra gigante no pessoal, e enorme no profissional. E, sem dúvida, faz a diferença em uma transmissão. E como faz. 
 
 
Gabriel Vaquer escreve sobre mídia e televisão há vários anos. No NaTelinha, além da coluna “Antenado”, assinada todos os sábados, é responsável pelo “Documento NT” e outras reportagens. Converse com ele. E-mail: gabriel@natelinha.com.br / Twitter: @bielvaquer
 
Mais Notícias