Reportar erro
Colunas

A esperança de números melhores na faixa das 19h da Globo

Enfoque NT

altoastral-nathaliadill-sergioguize.jpg
Sérgio Guizé e Nathalia Dill são os protagonistas de "Alto Astral" - Divulgação
Thiago Forato

Publicado em 30/10/2014 às 17:31:02

Após não conseguir emplacar “Geração Brasil”, que era sua grande esperança na faixa das 19h, a Globo lança na próxima segunda-feira (3), “Alto Astral”, de Daniel Ortiz.

Com uma trama com menos novidades e apostando em elementos básicos de um folhetim, o que se espera é que finalmente a Globo consiga acertar um horário que talvez seja o mais difícil de alguma novela dar certo. O horário das sete da noite sempre foi alvo de curiosidade acerca do público, já que este é uma incógnita e nos últimos tempos, poucas foram realmente marcante.

“Alto Astral” engloba ingredientes como uma história de amor bem costurada, rivalidade, núcleo cômico interessante e traz à tona o espiritismo que já fora tema em outras obras de grande sucesso, sempre despertando a curiosidade do público.

A atual “Geração Brasil” pecou por tentar ser moderninha demais e, apesar de ter um bom elenco, não convenceu o público. O tema tecnologia acabou por ser bastante inexplorado, que era a princípio o grande alavanque e ponto de partida da trama.

Os votos se renovam com a estreia de “Alto Astral”. No papel, tem tudo pra dar certo. Resta saber se o autor vai saber conduzir a história, como os autores de “Geração Brasil” não souberam, diferentemente de “Cheias de Charme”, em 2012.

Muda

Os direitos da Liga dos Campeões da Europa não são mais da ESPN na televisão paga. O canal Esporte Interativo acabou fechando com exclusividade a transmissão do torneio pelas próximas três temporadas.

Tudo isso faz parte de um fortalecimento de conteúdo da emissora, para que se consiga, finalmente, entrar no line-up da Net e Sky, operadoras com a maior base de assinantes.

Necessidade

O “Caso Encerrado”, que Silvio Santos teimou em enfiar goela abaixo do telespectador, tinha encontrado um horário que não comprometia: aos sábados, meia-noite. Quando encontraram um espacinho pro telebarraco, dando uma audiência razoável, o trataram de sacar da grade para colocarem um similar, o “Casos de Família”. Difícil de entender.


Thiago Forato é jornalista, escreve sobre televisão há nove anos e assina a coluna Enfoque NT há três, além de matérias e reportagens especiais no NaTelinha. Converse com ele: thiagoforato@natelinha.com.br  |  Twitter: @Forato_
 

Mais Notícias