Reportar erro
Colunas

Ah, se o Galvão soubesse que o Mick Jagger estava lá

Papo de Bola

fdcc78306f283a475d1838e522b8ddb0.jpg
Divulgação/TV Globo
Redação NT

Publicado em 09/07/2014 às 17:52:07

Como assistirão a seguir, no pré-jogo de Brasil x Alemanha, a seleção europeia chegava ao Estádio Mineirão e Galvão Bueno pegou carona na famosa vinheta "Mick Jagger" na voz de Cid Moreira, que foi rodada pela Rede Globo para dar azar a Klose, Kroos, Khedira e "kompanhia".

O que certamente ele não sabia, revelado que foi no decorrer da partida, é que Mick Jagger estava in loco. Estava mesmo. E torcendo pelo Brasil ao lado de Lucas, seu filho com Luciana Gimenez. Uma fileira à frente deles, estava o iraniano Kia Joorabchian, aquele da MSI no Corinthians em 2005. Será que, depois da paulada de 7 x 1 aplicada pelos alemães, Galvão recorrerá de novo à "maldição de Mick Jagger"? Porque, por questão de paternidade, o Brasil e ele estão eternamente ligados...

A imagem do dia

Glenda Kozlowski numa de tantas coberturas da Seleção Brasileira na Granja Comary. Ela completa 40 anos nesta quinta-feira (09), certamente não um aniversário totalmente dos seus sonhos devido à paulada levada pelos canarinhos na véspera, mas que nem por isso deixa de celebrar. Tetracampeã mundial e penta brasileira de bodyboard, começou na televisão aos 18 anos, contratada pelo SporTV.

Aos 22, portanto em 1996, chegou à TV Globo para apresentar o "Esporte Espetacular" ao lado de Clayton Conservani, este egresso de Sorocaba. Atualmente titular do "EE" pela terceira vez, Glenda já apresentou o "Globo Esporte" nas edições nacional e paulista durante os anos 2000. Fez ainda atividades não-esportivas com os programas "Globo Mar" e "Hipertensão", além do Carnaval do Rio de Janeiro entre 2009 e 2013.

Inglês, seu pai Anthony lhe deu o nome de Glenda em homenagem a Glenda Jackson, grande atriz britânica que segue carreira política na Inglaterra desde o início dos anos 90 e que venceu duas vezes na década de 70 o Oscar de melhor atriz, uma por "Mulheres Apaixonadas" e outra por "Um Toque de Classe", esta uma comédia divertidíssima sobre adultério e que lamentavelmente não é reprisada em nenhum canal de TV há muitos e muitos anos, nem nos fechados de filmes. Minha última lembrança de reprise deste longa estrelado por ela e George Segal remete à Bandeirantes numa sessão das 21h30 lá por 1998 ou 1999.

Cuidado com o que se promete...

Lá atrás, certamente confiante que o Brasil conquistaria a Copa do Mundo, José Luiz Datena prometeu que apresentaria o "Brasil Urgente" só de cueca se isso não acontecesse. Acho que, no caso dele, os 7 x 1 da Alemanha não foi o que de pior aconteceu. (risos) Em vídeo publicado pelo UOL, o narrador da Band e do BandSports reforçou que cumprirá a palavra no jornal policial. Ah: mas tem que ser depois das 17h30 e antes das 18h50 devido à programação regional, o Brasil todo merece se divertir.

A não ser, a não ser, que o homem invente uma saída estratégica e dê um drible igual à Larissa Erthal, que apostou no "Band na Copa" de segunda-feira (07) que tiraria a roupa se o Brasil perdesse a semifinal. Consumado isso, me surge aquele monumento de morena num casacaço e os assanhados de plantão aguardaram até 23h para vê-la tirar a roupa... que foi o que efetivamente aconteceu, pois ela tirou uma peça de roupa, que era o casaco, mas sem deixar de ter um vestido por baixo. Ou por acaso ela prometeu que ficaria nua ou apenas de lingerie? A esses assanhados bobinhos, Compadre Washington diria (se o Conar deixasse): sabem de nada, inocentes!


Edu César é titular do site www.papodebola.com.br e está de volta ao NaTelinha para falar sobre a cobertura da Copa do Mundo pelas TVs.
 

Mais Notícias