Reportar erro
Colunas

Esporte brasileiro perde Luciano do Valle, uma de suas maiores vozes

Emissoras de TV fizeram grande cobertura sobre a morte, principalmente a Band

2bca91b12a26f1e9e7157606b43075e1.jpg
Divulgação
Redação NT

Publicado em 20/04/2014 às 19:36:06

Nenhum narrador de TV brasileiro já esteve trabalhando em tantas Copas do Mundo quanto Luciano do Valle. Silvio Luiz, único que poderia o alcançar, foi impedido pela RedeTV! de narrar o Mundial no Fox Sports 2.

Luciano tinha sorte diferente. Estava desde 2006 em sua segunda passagem pela Bandeirantes, que possui os direitos de transmissão da Copa aqui no Brasil e seria a grande estrela do canal no evento, assim como já foi na África do Sul e também na Copa das Confederações.

Mas quis o destino que a voz que embalou milhares de corações brasileiros em grandes conquistas do nosso esporte fosse calada justamente por seu coração.

Aos 66 anos, seguia trabalhando normalmente. Narrou a final do Campeonato Paulista no domingo passado e mais uma vez brilhou ao festejar o título do Ituano. E já se dirigia para Uberlândia, onde narraria Atlético-MG x Corinthians, transmissão de abertura do Campeonato Brasileiro para SP, o que entrega uma de suas grandes características: o locutor era um homem que sempre buscava estar no campo e muitas vezes até reclamava das transmissões “em tubo”.

E apesar da grande expectativa pelo Mundial de futebol, Luciano era nome certo também na cobertura da Olimpíada do Rio em 2016, onde poderia mostrar a sua reconhecida versatilidade. O apelido de Luciano do Vôlei não é por acaso, mas sim pela defesa da modalidade antes dela se tornar o segundo esporte nacional no país do futebol. Ele não somente narrou, mas trabalhou firme na organização de Brasil x União Soviética no Maracanã, jogo que até hoje detém o maior público da história do voleibol: 90 mil pessoas.

Luciano pode não ter criado um grande bordão, mas vem dele os apelidos de grandes estrelas do basquete que hoje quase se tornaram seus nomes: Magic Paula e Rainha Hortência. Ele ainda colaborou com as primeiras exibições da NBA por aqui e ajudou também a popularizar outro produto oriundo dos EUA: a Fórmula Indy.
 
Ainda no automobilismo, ele acompanhou a fase campeã de Emerson Fittipaldi na Fórmula 1. Era o narrador principal da Globo na época. E se demitiu do posto para aflorar o lado empresarial, mas acabou voltando para TV, quando consolidou a fase em que a Band passou a ser “o canal do esporte”, uma segmentação que precedeu a TV a cabo pelo Brasil.

Dentre tantas outras modalidades, o narrador ainda tem páginas na história do boxe, em que tornou Maguila um grande ídolo, e do futebol feminino, do qual ambiciona ser até técnico da Seleção Brasileira. A CBF não realizou esse desejo, mas hoje divulgou nota oficial lamentando o falecimento, o que foi repetido por diversos clubes e também pela Confederação Brasileira de Basquete. Todos os jogos dessa abertura de Brasileirão respeitaram um minuto de silêncio.

Dentre as homenagens mais simbólicas, a Band exibe uma tarja preta ao lado do seu logotipo em sinal de luto desde o “Jornal da Band”, que teve uma edição atípica com os titulares Ricardo Boechat e Ticiana Villas Boas escalados em pleno feriadão e ainda Milton Neves como convidado na bancada.

Antes do “JB”, o "Brasil Urgente" teve uma edição completamente especial. Iniciado por Joel Datena, filho do José Luiz e que se reveza com Márcio Campos na ancoragem aos sábados, o jornalístico começou a ouvir o Datena pai por telefone, mas logo o recebeu no estúdio, em que surgiu sem terno ou maquiagem, mas segurou 2 horas no ar ao vivo repercutindo a notícia do falecimento de Luciano do Valle. A partir desse instante, “Dateninha” se resumiu a ler alguns dos tantos tweets que expressavam luto (#RipLucianoDoValle chegou a liderar os trends) e ouvir os depoimentos emocionados de grandes figuras do esporte brasileiro.

Visivelmente consternados, Neto e Fernando Fernandes, companheiros de Luciano em boa parte das transmissões paulistas do futebol da Band, mal conseguiam falar. Fernando, que estava ao lado do locutor quando ele passou mal ainda no avião, entrou no ar também em link estabelecido ao final do programa.

A homenagem também teve espaço para músicos como Toquinho, que esteve com Luciano na Copa de 1990. O narrador foi o pioneiro a unir esporte e entretenimento em seu “Show do Esporte” e surpreendeu o público ao entrar ao vivo com Galvão Bueno, emocionado ao dizer que “a televisão brasileira fica absolutamente mais pobre”, fala repetida na única reportagem do “Jornal Nacional” sobre o tema e que ainda ficou perdida no meio da edição, entre VTs sobre a F1 e um torneio de ginástica.

Outras concorrentes tiveram posturas mais dignas diante da notícia. Tanto “Jornal da Record” quanto “SBT Brasil” abriram suas edições com aquele que foi o fato mais importante do dia (o “JN” preferiu ouvir um alpinista brasileiro que sobreviveu ao acidente no Monte Everest).

O “JR” ainda foi encerrado em silêncio, enquanto a Band fez colagem de grandes narrações de Luciano para terminar seus telejornais. No SBT, o destaque ficou pela presença de Otávio Mesquita na bancada ao lado de Marcelo Torres e Cynthia Benini.

A Band seguiu com a cobertura em boletins, como o Plantão feito por Sérgio Gabriel após o “Show da Fé” e também mais homenagens para o duelo na cidade mineira, que foi narrado por Téo José, possivelmente o substituto de Luciano também no acompanhamento da Seleção Brasileira durante a Copa.

Mas independente de quem ocupar as suas funções, nenhum nome será capaz de suprir o “empobrecimento do jornalismo esportivo com essa perda”, como constou o ministro Aldo Rebelo em nota oficial.

 

No NaTelinha, o colunista Lucas Félix irá mostrar um panorama desse surpreendente território que é a TV brasileira.

Ele também edita o https://territoriodeideias.blogspot.com.br e está no Twitter (@lucasfelix)


 

Mais Notícias