Reportar erro
Colunas

O Observador: "Amor à Vida" é um mar de exageros de Walcyr Carrasco

961b75633e08a810279b08e934c5d328.jpg
Divulgação
Redação NT

Publicado em 15/08/2013 às 15:26:46

A grande polêmica sobre o cabelo de Marina Ruy Barbosa e a morte de sua personagem na semana passada só mostraram que “Amor à Vida” está tropeçando cada vez mais em seus próprios erros e, por conta disso, não consegue aumentar seus índices de audiência, que não são ruins, mas também estão longe de serem comemorados.

Em sua estreia, “Amor à Vida” convenceu pela história forte e apresentação dos também fortes personagens, mas Walcyr Carrasco errou a mão no melodrama de sua novela, exagerou nos clichês, transformando alguns personagens em caricaturas ridículas, como o próprio Félix (Mateus Solano), além de ter exagerado também no didatismo do texto, colocando à prova a inteligência do telespectador.

“Amor à Vida” tem uma história que prende o público, que emociona – até demais, o que é um grave erro –, mas é absolutamente infantil em várias oportunidades, como por exemplo na morte de Nicole. Não cabe mais nos dias atuais uma morte em pleno altar, após a mocinha da história descobrir uma traição. Esse tipo de coisa fragiliza ainda mais a trama e afasta aquele telespectador que exige uma coisa mais séria, mais verossímil, mais real.

Assim como foi absolutamente equivocada a cena na qual Félix foi desmascarado pela família, que “descobriu” seu lado gay. Houve vários erros ali: primeiro o fato de Edith (Bárbara Paz) estar transando com o amante Wagner (Felipe Titto) no quarto da casa onde estão na sala a dona da residência, Pilar (Susana Vieira), e outras pessoas. Irreal, não? Segundo foi a coincidência de alguns acontecimentos, além de, mais uma vez, um fraco texto.

O que aconteceu nos últimos capítulos só reforça algo que falei lá no início da trama: O vilão age sem motivos, Pilar é inocente ao extremo em relação ao seu marido, Paloma (Paola Oliveira) é a mocinha cega, inconsequente, enquanto o público vai se comportando como um estudante de ensino fundamental, diante de um texto carregado de didatismo.

E assim “Amor à Vida” vai passando batida, sendo o cabelo de uma atriz o que mais se comenta sobre a novela. E os exageros do autor explicam isso.


Comente o texto no final da página. E converse com o colunista: brenocunha@natelinha.com.br / Twitter @cunhabreno

 

Mais Notícias