Qual o contexto?

Ana Paula Araújo se revolta com justificativa de vereador por fala racista

Jornalista teceu comentário sobre o vereador Camilo Cristófaro


Ana Paula Araújo ao vivo na Globo com a boca aberta e blusa azul
Ana Paula Araújo ao vivo no Bom Dia Brasil: ela se revoltou contra fala de vereador - Foto: Reprodução/TV Globo

Ana Paula Araújo não concordou com a justificativa apresentada pelo vereador Camilo Cristófaro (Avante), de São Paulo, por dizer, no início do mês em sessão da Câmara Municipal, que sua fala "é coisa de preto" que vazou foi "tirada de contexto". "Em qual contexto isso é aceitável?" indignou-se a jornalista ao vivo no Bom Dia Brasil desta sexta-feira (20) em um bate-papo com Rodrigo Bocardi.

O político, primeiramente, afirmou que sua fala se referia apenas aos carros, mais precisamente Fuscas de cor preta. "São 11h20 da manhã e estou fazendo uma gravação aqui. Estou dizendo exatamente que esses carros pretos dão trabalho. Estou dizendo aqui que não é fácil para cuidar da pintura. Então, se a vereadora Luana olhou por outro lado, 70% das pessoas que me acompanham, vereadora, são negros. […] Se a senhora quer levar para outro lado, pra fazer campanha política, nas minhas costas não vai fazer...", disse ele.

Depois, já presencialmente no Colégio de Líderes da Câmara, disse apenas estar "brincando" e se referindo a um "amigo irmão". "Eu ia gravar um programa que não foi gravado lá no meu galpão de carros. Eu estava com o Chuchu, que é o chefe de gabinete da Sub do Ipiranga, e é negro. Eu comentei com ele, que estava lá. Inclusive, no domingo nós fizemos uma limpeza lá e quando eu cheguei eu falei: ‘isso aí é coisa de preto, né?’. Falei pro [Anderson] Chuchu, como irmão, porque ele é meu irmão...", garantiu.

Político criticado por Ana Paula Araújo sofre investigação

Ana Paula Araújo se revolta com justificativa de vereador por fala racista

Agora, Camilo sofreu uma abertura de investigação por parte da Corregedoria da Câmara Municipal de São Paulo. A medida aconteceu depois da vereadora Elaine do Quilombo Periférico (PSOL), pedir inclusão na pauta de urgência. A solicitação foi acatada.

Na próxima sessão da casa, a mesa diretora precisará ler o processo e os 55 vereadores votam sobre sua admissibilidade. É necessária a maioria absoluta: 28 votos. Depois da aprovação, o vereador poderá apresentar testemunhas. Caso haja continuidade, um posterior pedido de cassação ou suspensão de até 90 dias, serão necessários 37 votos do plenário.

NaTelinha no Google News

Acompanhe as exclusivas da televisão, resumos das novelas, as bombas dos famosos, realitys e muito mais na palma da mão.

Siga-nos
Mais Notícias