Reportar erro
55 anos

De segredo de Zacarias a brigas: Os bastidores de Os Trapalhões

Programa é um dos mais bem sucedidos da história da TV

Integrantes de Os Trapalhões
Integrantes de Os Trapalhões - Foto: Reprodução
Redação NT

Publicado em 04/11/2021 às 06:43:00

Os Trapalhões completou 55 anos em 2021 e é tratado como um dos maiores humorísticos da TV brasileira. Renato Aragão, Dedé Santana, Zacarias e Mussum conquistaram o público e são lembrados até os dias atuais por uma legião de fãs. Mas nem tudo foram flores nos bastidores do programa, tendo problemas logo no início.

Os Trapalhões começou com a parceria de Renato Aragão e Dedé. Os dois convidaram Mussum e depois Renato decidiu chamar Zacarias, o que não foi muito bem aceito por Santana em um primeiro momento.

"Um dia o Renato chegou lá com um cara baixinho, bem vestido, de gravata, e disse: 'esse aqui é o Mauro Gonçalves', ele tinha uma voz bonita. Eu perguntei quem era e ele respondeu que iria trabalhar com a gente. Eu respondi: 'Você está maluco, esse cara está mais para gerente de banco do que para comediante'. Ele falou: ‘você vai ver, esse aí eu garanto’. No começo não aceitei bem, um cara com uma voz bonita, de terno, gravata", recordou.

Quando Zacarias começou os ensaios, tudo mudou: "Eu caía no chão de dar risada. O Renato acertou na mosca. Chegou na hora da gravação, ele me parece com aquele dente, aquela peruca, não me aguentei, eu ria do começo ao fim", lembrou Dedé.

A morte de Zacarias

imagem-texto

Dedé Santana contou detalhes sobre a morte do amigo Mauro Gonçalves, mais conhecido como Zacarias. Em entrevista ao Real Podcast, ele relatou que percebeu que o amigo estava muito doente, mas que o humorista guardava segredo sobre o estado de saúde dele.

“Ele já vinha meio doente, fazia uns regimes malucos porque não queria engordar (...) deixou de comer", contou. Dedé fez um filme e ali reparou que algo estava diferente com Zacarias. “As maiores cenas eram comigo e eu senti que ele tava... [frágil] e falava: 'deixa que eu faço isso' e tal. Eu falei 'olha, o Mauro [verdadeiro nome de Zacarias] tá ruim'"

Zacarias afirmou que estava indo ao médico, mas ele desapareceu após o fim das gravações. “Procuramos e não achávamos na casa dele e nem em lugar nenhum. Já tava pra voltar o programa e cadê o Zacarias? Sumiu. Até que uma pessoa falou pra gente 'ele tá em casa, mas ele não atende ninguém, ele só atende o fulano', que era um cara que trabalhava com a gente”.

Dedé, Renato Aragão e Mussum se reuniram e foram até a casa do humorista. “Quando abriu a porta, ele viu a gente e não tinha como... tava a pele e osso, desfigurado”, relembrou. “Mas não teve jeito”, completou. Zacarias morreu de insuficiência respiratória, aos 55 anos.

Chico Anysio e o conselho

Foto dos Trapalhões Zacarias, Mussum, Dedé e Didi sorridentes usando jaquetas coloridas e camiseta com a letra T

Quem teve papel fundamental na vida do grupo Os Trapalhões foi o humorista Chico Anysio. Com a morte de Zacarias, Didi, Dedé e Mussum não estavam animados e resolveram dar um ponto final no humorístico para seguirem um novo caminho na profissão.

Porém, Chico conversou com o trio e falou para continuarem com a produção, porque fazia muito sucesso e o público gostaria de continuar assistindo eles. “O Chico Anysio que convenceu a gente de continuar, ele novamente na vida da gente”, relembrou Dedé Santana.

A briga em Os Trapalhões

Em agosto de 1983, o Jornal do Brasil noticiou uma matéria que escancarou a crise no programa Os Trapalhões. Havia um problema de convivência e Zacarias e Dedé estavam insatisfeitos com a divisão de lucros, porque Renato Aragão recebia mais.

“Embora os Trapalhões preferissem não tocar no assunto, ficou claro que o cinema pôs fim à harmonia entre eles. Pelo menos por dois motivos: primeiro, no cartaz do último filme do grupo, O Cangaceiro Trapalhão, só o nome de Renato aparece em destaque; e, segundo, os contratos financeiros continuam dando ao mesmo Renato metade de todo o faturamento dos Trapalhões, cabendo a Dedé, Mussum e Zacarias dividirem a outra metade”, destacou o jornal na época.

Didi fazia projetos individuais e isso estava incomodando os outros integrantes. A Globo precisou lidar com a situação e, depois de seis meses de muita confusão, eles acabaram fazendo as pazes em uma viagem de férias no ano de 1984.

Didi e as pegadinhas

https://imagem.natelinha.uol.com.br/grande/ostrapalhoes9_1521.jpeg

As recordações dos bastidores de Os Saltimbancos Trapalhões são as melhores possíveis, segundo relembrou Lucinha Lins. “Tinha segurança para não deixar o Renato Aragão chegar perto do set de filmagem enquanto outras pessoas estivessem gravando”, lembra. A atriz revela que o colega costumava acender nos cenários um “barbantinho cheiroso”, que empestava o ambiente. “Ele jogava disfarçadamente no meio da cena, e a gente tinha que continuar atuando com aquele cheiro horrível no ar.”

“Eram quatro malucos, trapalhões mesmo! Fora das câmeras, eles também eram extremamente engraçados. Um gozava e implicava com o outro, era brincadeira e palhaçada o dia inteiro. Era um inferno delicioso (risos). Sempre tinha alguma coisa a mais que engrandecia a cena pela naturalidade e a troca entre eles. Tenho lembranças muito gostosas dos quatro, me diverti demais.”



Participe do nosso grupo e receba as notícias mais quentes do momento.

Ao entrar você está ciente e de acordo com os termos de uso e privacidade do WhatsApp.

Participe do grupo
Mais Notícias