Reportar erro
Entrevista

Datena liga ao vivo para Bolsonaro, que detona decisão a favor de Lula: "Descrédito para a Justiça"

Apresentador questionou a decisão de Edson Fachin

Datena conversando com Bolsonaro por telefone durante programa
Datena ligou para Bolsonaro ao vivo para falar de Lula. Foto: Reprodução
Redação NT

Publicado em 08/03/2021 às 19:00:00,
atualizado em 08/03/2021 às 19:41:09

Durante o Brasil Urgente desta segunda-feira (8), José Luiz Datena ligou ao vivo para o presidente Jair Bolsonaro para saber a opinião dele sobre a decisão de Edson Fachin, ministro do Supremo Tribunal Federal, de anular as condenações de Luis Inácio Lula da Silva na operação Lava Jato. Na ligação durante o programa, Bolsonaro respondeu os questionamentos do apresentador e deu sua opinião sobre a liberação de Lula para disputar eleições.

"Foi uma decisão monocrática do ministro Fachin... Abre portas para disputar eleições. Mas, no meu entender, isso passa obviamente no mínimo pela segunda turma do STF. Não sei o que vai acontecer, mas será um descrédito para a Justiça e para o Brasil porque, a partir do momento que você diz que foi tudo anulado no tocante ao Lula, é dizer que não houve o 'Petrolão', não houve roubalheira em várias estatais e bancos oficiais", afirmou Bolsonaro.

"Pode haver alguma injustiça de algum processo, mas como um todo, se o Lula for considerado inocente, é sinal de que não houve 'Petrolão'... O governo do Lula funcionava na base da compra. Era uma festa. Essa forma de governar é que ele fazia lá atrás", afirmou o presidente.

Jair Bolsonaro responde sobre outros assuntos ao vivo

Datena também questionou se Jair Bolsonaro tem medo de enfrentar Lula em uma eleição, ou se ele gostaria de disputar o pleito com o petista.

"Não tem problema. Eu gostaria de enfrentar qualquer um candidato se tivesse um sistema eleitoral em que pudesse ser auditado. No caso, um voto impresso ao lado da urna eletrônica. Nos queremos eleições que não deixe dúvidas", disse Bolsonaro, tentando mudar de assunto com Datena.

Na sequência, outros assuntos foram debatidos, como a demora de compra de vacinas contra a Covid-19, o aumento no preço de combustíveis e o novo auxílio emergencial.



Mais Notícias