Reportar erro
Prefeito do Rio

Jornal da Record ignora denúncia da Globo contra Crivella

JN expôs funcionários públicos pagos para atrapalharem repórteres

Christina Lemos e Sergio Aguiar, apresentadores do Jornal da Record
Christina Lemos e Sergio Aguiar, apresentadores do Jornal da Record (Foto: Reprodução/RecordTV)
Paulo Pacheco

Publicado em 01/09/2020 às 21:27:41

O presidente da Câmara dos Vereadores do Rio de Janeiro, Jorge Felippe, aceitou o pedido de impeachment contra o prefeito Marcelo Crivella. A notícia, porém, foi ignorada pelo Jornal da Record nesta terça-feira.

Crivella é sobrinho de Edir Macedo, líder da Igreja Universal do Reino de Deus e dono da Record. Segundo denúncia da Globo, a Prefeitura do Rio paga para funcionários públicos atrapalharem repórteres em frente a hospitais.

O Jornal da Record investiu em reportagens policiais e noticiou o diagnóstico de cálculo renal do presidente Jair Bolsonaro. Sobre a queda histórica do PIB (Produto Interno Bruto), o telejornal informou que "o resultado era esperado".

O Jornal Nacional, por sua vez, iniciou a edição desta noite analisando os prejuízos da recessão econômica para o brasileiro, e informou a prisão de "guardiões do Crivella", como são chamados os servidores públicos que impedem o trabalho de jornalistas.

Na última segunda, a Globo expôs funcionários da Prefeitura do Rio que atrapalham repórteres da emissora com gritos de "Globo lixo", "fake news" e "É Bolsonaro".

Para flagrar os servidores públicos, o jornalista Paulo Renato Soares forjou uma reportagem em frente a um hospital. A Globo apurou que os grupos ficam próximos a centros médicos tentando impedir que equipes de TV denunciem o mau atendimento no serviço de saúde municipal.

Enquanto entrevistava um paciente, um rapaz se aproximou da equipe da Globo aos gritos, com o objetivo de atrapalhar o repórter. Outro registra com o celular. Juntos, eles recebem mais de R$ 6 mil da Prefeitura do Rio.

A Globo teve acesso a grupos de WhatsApp com os "derrubadores" de reportagens. Um deles se chama "Guardiões do Crivella", em referência ao prefeito do Rio e ex-bispo da Igreja Universal.

Mais Notícias