30 anos depois

Caso Daniella Perez: Que fim levou Paula Thomaz?

Série da HBO Max sobre crime que chocou o país estreia nesta quinta-feira (21), na HBO Max


À esquerda, Guilherme de Pádua e Daniella Perez na novela De Corpo e Alma; à direita, Paula Thomaz
Na época do crime, Guilherme de Pádua e Daniella Perez viviam par romântico em novela da Globo; então casada com o ator, Paula Thomaz foi condenada por participação no crime - Fotos: Reprodução
Por Walter Felix

Publicado em 21/07/2022 às 04:00:00,
atualizado em 25/07/2022 às 20:31:42

Com a estreia da série Pacto Brutal: O Assassinato de Daniella Perez, cresce a curiosidade sobre o paradeiro dos dois condenados pelo crime que chocou o país há 30 anos. Enquanto Guilherme de Pádua é pastor evangélico em Belo Horizonte (MG) e aparece com mais frequência nas redes sociais e na mídia, sua ex-esposa Paula Thomaz chegou a mudar de sobrenome e hoje busca o anonimato no Rio de Janeiro (RJ).

Em 28 de dezembro de 1992, aos 22 anos, a atriz Daniella Perez foi assassinada por Guilherme de Pádua, com quem formava um par romântico na novela De Corpo e Alma (1992), e pela então esposa dela, Paula Nogueira Thomaz. O corpo foi encontrado em um matagal na Barra da Tijuca, na Zona Oeste do Rio de Janeiro, com 18 golpes de tesoura que perfuraram pescoço, pulmão e coração.

O caso chocou o Brasil e chegou a abafar, na mídia, a renúncia do então presidente Fernando Collor, em meio a um processo de impeachment.  De um lado, Guilherme alegou que era assediado por Daniella, o que ameaçava seu casamento. Na época, ela também era casada, com o ator Raul Gazolla. Já Paula sempre negou seu envolvimento no assassinato.

No julgamento, venceu a versão de que era o ator quem assediava Daniella. Ele também estaria insatisfeito com o rumo de seu personagem na novela de Glória Perez, mãe da vítima. Guilherme foi condenado a 19 anos de prisão em 1997, mesmo ano em que Paula Thomaz recebeu a pena de 18 anos e seis meses de reclusão. Em 1998, sua pena foi reduzida para 15 anos. Ambos saíram em liberdade condicional em 1999, menos de sete anos após o assassinato.

O destino de Paula Thomaz após assassinato de Daniella Perez

Caso Daniella Perez: Que fim levou Paula Thomaz?

Na época do crime, Paula Thomaz estava grávida de quatro meses. Na prisão, ela deu à luz a um menino, em maio de 1993. O casal se divorciou após a mudança da versão do ex-ator para o crime, ao confirmar a suspeita da polícia de que a então esposa também havia participado do assassinato.

Reportagem da revista IstoÉ revelou, em maio de 2000, que Paula Thomaz estava em liberdade condicional, vivendo no Rio de Janeiro. Ela havia ingressado no curso de Administração de Empresas e passou a frequentar a mesma academia que a atriz Claudia Raia, amiga de Daniella Perez. Depois de comparecer a algumas aulas de ginástica, cancelou a matrícula.

Hoje, Paula Thomaz tem 48 anos e vive com o marido e os filhos no Rio de Janeiro. Ela se formou em Direito, é advogada e mudou o sobrenome: agora assina Paula Nogueira Peixoto.

Pouco se sabe sobre o destino de Paula após o cumprimento da pena, senão por processos judiciais movidos por ela. Após sair na capa da revista, acionou a Justiça contra a IstoÉ, alegando “direito ao esquecimento” e pedindo que, quando forem feitas reportagens sobre o caso, seu nome não seja mais citado. Em 2020, contudo, a 3ª Turma do STJ (Superior Tribunal de Justiça) decidiu contra o argumento.

Guerra na Justiça com Glória Perez

Caso Daniella Perez: Que fim levou Paula Thomaz?

Em 2021, Paula abriu uma queixa-crime contra Gloria Perez, mãe de Daniella Perez. Na época, a escritora havia respondido comentários no Facebook sobre o fato de Paula estar investindo na carreira artística de sua filha mais nova. “Essa criminosa não tem limites. Não preservou o filho que tinha na barriga quando se fez assassina e não preserva a filha de um meio [artístico] onde terá sempre como referência ser filha de uma assassina”, escreveu.

O fato fez com que Paula e seu atual marido, Sérgio Peixoto, abrissem um boletim de ocorrência contra a autora de novelas da Globo e também alguns dos seus seguidores na Delegacia da Criança e do Adolescente Vítima, no Centro do Rio de Janeiro. As informações foram divulgadas pelo jornal O Dia.

Algumas ameaças foram listadas, tais como: "Vai Gloria, agora manda matar a filha dela" e "É bom ela colocar a filha, sim, quem sabe acontece o mesmo e alguém tira a vida da filha dela da mesma forma. Aqui se faz, aqui se paga". O inquérito ainda estava em fase de diligência e não havia se tornado um processo.

Já em janeiro de 2022, a Justiça do Rio de Janeiro determinou que tanto Paula quanto Guilherme paguem uma indenização de R$ 480 mil por danos morais a Gloria Perez. A ação foi protocolada em 2005 e teve decisão favorável à autora em 2017. Com a determinação recente, houve ordem para a execução de penhora do apartamento de Paula e do marido Sérgio. Eles alegam falta de fundos e tentam reverter a decisão.

Série sobre Caso Daniella Perez estreia na HBO Max

A série Pacto Brutal: O Assassinato de Daniella Perez estreia nesta quinta-feira (21), na HBO Max. O trailer ainda promete “novos fatos revelados em depoimentos inéditos”. Condenado pelo assassinato de Daniella, com quem vivia um par romântico na TV, o ex-ator Guilherme de Pádua, hoje pastor evangélico, já deu diversas entrevistas com sua versão do caso.

Em cinco episódios, a produção traz depoimentos de Raul Gazolla, viúvo de Daniella, e de amigos como Fábio Assunção, Claudia Raia, Cristiana Oliveira, Maurício Mattar, Wolf Maya e Eri Johnson. Além disso, autoridades e advogados também foram ouvidos. A direção é de Tatiana Issa e Guto Barra.

Assista ao trailer de Pacto Brutal: O Assassinato de Daniella Perez:

Podcast Dupla de 2

Fabrício Falcheti e Sandro Nascimento levam em um bate-papo descontraído sobre os assuntos da televisão e famosos, com muitas informações de bastidores em primeira mão; confira

Ouça agora
Mais Notícias