Reconhecimento

Primeira roteirista trans negra da TV é indicada a prêmio por Sessão de Terapia

Luh Maza concorre a Roteirista do Ano no Prêmio ABRA

Primeira roteirista trans negra da TV é indicada a prêmio por Sessão de Terapia
Quarta temporada de Sessão de Terapia contou com roteirista trans negra - Divulgação

Publicado em 02/10/2020 às 14:25:04

Por: Redação NT

Primeira roteirista trans negra da TV brasileira, Luh Maza foi indicada a Roteirista do Ano no Prêmio ABRA, da Associação Brasileira de Autores Roteiristas, pelo seu trabalho no roteiro da quarta temporada da série Sessão de Terapia, atualmente no ar pelo canal GNT.

Luh Maza disputará o prêmio com Carol Rodrigues (3%, Escola de Gênios, A Felicidade Delas e Mãe Não Chora), Cleissa Regina Martins (Juntos a Magia Acontece), Gabriel Martins (No Coração do Mundo, Alemão e O Nó no Diabo) - todos jovens criadores negros - e a veterana Rosane Svartman, da novela Bom Sucesso, da Globo. A votação ocorre entre os membros da associação e o resultado será conhecido em cerimônia online, no dia 30 de outubro, pelas redes sociais da ABRA.

"Ser uma roteirista mulher, trans, preta, artivista e ter meu trabalho ao longo do último ano reconhecido por meus colegas me emociona e enche de esperança, não só a mim, mas a todes que reescrevem a História agora. Parafraseando a grande roteirista Renata Martins (indicada pelo curta Sem Asas): 'É a primavera preta cinematográfica!'", comemora Luh.

A quarta temporada de Sessão de Terapia foi lançada primeiramente pelo Globoplay e depois chegou ao canal GNT. Protagonista da história, Selton Mello foi o diretor dessa leva de episódios, que também contou com Morena Baccarin em seu primeiro trabalho no Brasil, além de um elenco formado por Fabíula Nascimento, David Junior, Lívia Silva, Nathalia Timberg e Cecília Homem de Mello.

A carreira de Luh Maza

Roteirista, escritora, diretora e atriz, Luh Maza foi uma das roteiristas da série Sessão de Terapia (2019), tornando-se a primeira roteirista trans da televisão brasileira. Também em 2019 roteirizou o curta Trinta e Cinco (Young & Rubicam/Fauna), ganhador dos prêmios: Inclusive and Creative Awards Campaign, nos Estados Unidos e do Troféu de bronze de melhor roteiro no Festival El Ojo de Iberoamerica, na Argentina.

Com 20 anos de experiência no teatro, escreveu mais de 10 peças, já encenadas no Rio de Janeiro, São Paulo e exterior. Entre seus espetáculos se destacam Carne Viva (2015), em Portugal, a versão brasileira de Kiwi (2016), ganhadora do Prêmio Aplauso Brasil de melhor espetáculo, e Transtopia (2019), criado a convite do Theatro Municipal de São Paulo.

Possui dois livros publicados, um volume solo na coleção Primeiras Obras (Imprensa Oficial, 2009), que foi finalista do Prêmio Jabuti de Literatura, e África intitulado Teatro (Chiado Editora, 2015), lançado em países europeus. Também integra a antologia Dramaturgia Negra, organizada por Eugênio Lima e Julio Ludemir (Funarte, 2019), além de ser a tradutora de Kiwi, de Daniel Danis (Editora Benfazeja, 2016).


Siga o NaTelinha nas redes sociais

Reportar erro

COMENTÁRIOS

Para comentar na página você deve estar logado com seu perfil no Facebook. Este espaço visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos, de propaganda e que firam a ética e a moral podem ser deletados. Participe!