Exclusivo

Ator de Um Contra Todos lamenta: "Tem muito preconceito com os produtos nacionais"

João Fernandes classifica série como o trabalho mais desafiador da sua carreira

 Ator de Um Contra Todos lamenta: "Tem muito preconceito com os produtos nacionais"
João Fernandes em Um Contra Todos - Foto: Rachel Tanugi Ribas/Divulgação

Naian Lucas

Publicado em 30/03/2020 às 14:33:00

João Fernandes, que está se despedindo de Malhação – Toda Forma de Amar, não ficará longe das telinhas, já que faz parte da quarta temporada de Um Contra Todos, lançada na última sexta-feira (27) no Fox Premium. Interpretando o personagem Téo, o ator demonstrou satisfação em poder trabalhar em novelas e em outros formatos, apesar de dizer que existe preconceito contra séries nacionais.

continua depois da publicidade

“É uma série diferenciada, de padrões muito altos tanto de direção, de atuação, de história... Eu sou muito fã dessa série e acho que a gente tem tudo para mudar o jeito do brasileiro de enxergar não só as séries nacionais mas também os produtos nacionais num geral. O brasileiro ainda tem muito preconceito com os produtos nacionais, a gente consome muita coisa americana, muita coisa europeia, mas ainda assim menos. Falta o brasileiro levar um pouco à frente nossa própria cultura. Eu sou muito fã da cultura brasileira e se pudesse eu só assistia coisas daqui. Espero que a galera curta a série, quem assistir à quarta temporada, que assistam tudo, pois quanto mais pessoas assistirem, mais chances a gente tem de revolucionar a cabeça da galera. Quero muito que isso aconteça”, afirmou em entrevista ao NaTelinha.

continua depois da publicidade

“As novelas são um veículo de maior audiência no Brasil e isso incide em coisas assim. Muita gente me conhece de novela, pela Malhação, mas eu sempre fiz todos os canais. Gosto muito de teatro e o cinema é uma das minhas maiores paixões, tanto na frente quanto atrás das câmeras”, continuou.

Ele não escondeu que foi bastante desafiador poder trabalhar na série, principalmente porque tem um estilo parecido com Tropa de Elite, filme dirigido por José Padilha e protagonizado por Wagner Moura.

continua depois da publicidade

“Embarcar no universo de Um Contra Todos pra mim foi um ultra desafio por ser uma série muito dramática e com muita ação, do jeito que eu gosto e sempre quis fazer. Meu filme brasileiro favorito é o Tropa de Elite, então cheguei no lugar que eu sempre quis trabalhar, sem dúvida nenhuma dei tudo de mim e aprendi muito com todos os profissionais da série. Meu lugar, na arte, é fazendo audiovisual, tanto seja na televisão, no cinema, em comerciais pra passar alguma coisa pra alguém se eu acreditar nessa ideia. É passando conteúdo, sendo ator e sendo artista”, declarou.

continua depois da publicidade

“A maior dificuldade que eu encontrei em Um Contra Todos foi que eu nunca tinha feito um trabalho parecido, pois não tem tantas oportunidades no audiovisual brasileiro de fazer coisas assim. A série é realmente um projeto único, eu amei fazer, pra mim foi um presente”, acrescentou.

Personagem de João Fernandes

Em Um Contra Todos, João interpreta Téo, filho do protagonista Cadu (Júlio Andrade). Na entrevista, ele analisou que seu personagem é uma vítima do pai, apesar da série focar nas relações familiares nesta última temporada.

continua depois da publicidade

“O Téo é uma das vítimas do pai dele, das escolhas que o pai dele teve, sem dúvida alguma. E eles são uma família, e a grande palavra dessa temporada, de todas, e da série é família. Isso mexe com a cabeça do Cadu e o Téo sofre muito com isso. Foi o trabalho mais difícil da minha carreira, pois eu trabalho com construção de personagem, assim como acredito que a grande maioria dos atores, e eu tive a oportunidade de verdade de fazer isso”, explicou.

continua depois da publicidade

Diferente de novela, que é uma obra aberta, João se mostrou satisfeito em fazer parte de um projeto em que ele sabia do começo, meio e fim do seu personagem, mas deixou claro que foi o trabalho mais difícil da carreira.

“Eu adoro obras fechadas e é difícil encontrar obras fechadas no nosso país. Eu encontrei o Téo, que já vinha de uma construção do Luiz Felipe Melo, que fez na primeira temporada, e tive que agir com isso para transformar o personagem na segunda e a partir daí foi só mudanças. E a gente cria um personagem simples, que é apaixonado pelos pais, teve o pai preso, na segunda temporada se desiludiu... como é tudo isso incidindo na cabeça de uma pessoa, e como ele age depois disso? Construir isso tudo foi, sem dúvida pra mim, me ajudou a evoluir de uma maneira absurda como artista e eu sou muito mais feliz comigo mesmo e com meu trabalho com tudo isso. Foi o trabalho mais difícil da minha carreira, mas também o que eu mais amei, sem dúvida”, ressaltou.

continua depois da publicidade

Um Contra Todos e o público

Apesar de estar satisfeito com o prestígio de Um Contra Todos, Fernandes não enxerga a produção como revolucionária no modo do público brasileiro acompanhar as séries nacionais.

“Acho que faltam duas coisas nessa situação, que são a vontade do brasileiro de enxergar as séries nacionais com outro olhar e a condição do brasileiro de assistir a séries. A gente ainda mora num país em que muita gente não tem televisão, não tem acesso. Ainda faltam mais brasileiros assistirem Um Contra Todos, e a partir daí é que a gente vai revolucionar”, opinou.

continua depois da publicidade

Gravações de Um Contra Todos e família

João Fernandes enfrenta um problema pessoal com sua esposa, a atriz Mabel Calzolari, que foi diagnosticada com aracnoide torácica, uma inflamação na medula que poderia deixá-la paraplégica. Por conta disso, ele precisou assumir a maior parte das responsabilidades com o filho que nasceu no ano passado.

Ao NaTelinha, o ator explicou que as gravações ocorreram antes de passar por esse drama e os dois conseguiram conciliar bem o período em que o artista ficou longe de casa para poder trabalhar.

continua depois da publicidade

“Quando a gente gravou a quarta temporada meu filho estava com cinco meses na barriga da Mabel. E por mais que a gente tenha tido que se virar, pois é sempre melhor a gente ficar junto, deu tudo certo. Foi um perrengue ficar mais ou menos um mês e meio separado, mas nada que a gente não esteja acostumado a fazer, pois nosso trabalho é esse, e a gente trabalha muito, luta muito para alcançar nossos sonhos e chegar onde a gente quer. Graças a Deus a gente estava junto e resolveu tudo da melhor forma, sem dúvida alguma”, concluiu.

continua depois da publicidade