Leo Dias assume: "A cocaína já foi a minha melhor companhia"

Jornalista é capa da Veja Rio neste fim de semana

Divulgação

Publicado em 18/05/2018 às 10:21:20 ,
atualizado em 18/05/2018 às 11:58:15

Por: Fabrício Falcheti

Conforme pauta antecipada pelo NaTelinha, Leo Dias é capa da Veja Rio que chega neste fim de semana às bancas.

Antes, a entrevista já foi publicada no site da revista, onde o jornalista fala sobre sua carreira e detalhes da vida pessoal, como a luta contra as drogas.

Aos 43 anos e 22 de profissão, Leo Dias conta que mudou: “Eu era um louco desvairado no início, precisava ser odiado. Hoje, checo, recheco as informações e meço consequências”.

O apresentador do "Fofocalizando" revelou que possui uma agenda com mais de 200 telefones de famosos e mais de cinco mil fontes, incluindo bicheiros e doleiros, como Sergio Mizrahy, preso na Operação Lava-Jato. “Não julgo ninguém. Se a pessoa faz algo errado, quem tem de decidir é a Justiça”, bradou.

Sobre o uso de drogas, Leo Dias falou abertamente pela primeira vez sobre o assunto e confessou que luta diariamente contra o vício de cocaína. “A cocaína já foi a minha melhor companhia”, admite. “Sei que envolve um tratamento sem fim e lembro disso todo santo dia”, completa.

O jornalista, que toma cinco remédios controlados por dia, conta que o drama com as drogas começou durante um intercâmbio na Austrália, no início dos anos 2000, quando passava noites em claro consumindo ecstasy.

Em 2012, resolveu se internar por conta própria em uma clínica de reabilitação após passar dias trancado em seu apartamento no Rio, em pleno Carnaval. Na entrevista, ele lembra que assim que entrou no local, ouviu gritos de uma famosa. “Naquela semana, uma psiquiatra me chamou para dizer que os pacientes estavam com medo de eu publicar o que via ali, mas ainda fiquei internado um mês”, disse Leo Dias, que depois disso teve algumas recaídas.

Ainda na entrevista à Veja Rio, o apresentador fala sobre sua relação com famosos, seu dia-a-dia e conta até quanto ganha com seus três empregos, no SBT, no jornal O Dia e na rádio Mix FM: R$ 33 mil por mês.

Por fim, brada: "Falem mal, mas falem de mim. Só que tem troco".



publicidade

TAGS:

LEIA MAIS

publicidade

COMENTÁRIOS

Para comentar na página você deve estar logado com seu perfil no Facebook. Este espaço visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos, de propaganda e que firam a ética e a moral podem ser deletados. Participe!

publicidade