Reportar erro
Desabafou

Zezé Motta critica campanha de papel higiênico preto: "Respeito, por favor"

Campanha foi motivo de polêmica, e acusada de racismo. Zezé Motta lamentou

zezemottaatriz_b2cb3d21974c4a64b90ccb743b756247f98494af.jpeg
Foto: Anderson Barros
Thiago Forato

Publicado em 25/10/2017 às 14:23:25

A atriz Zezé Motta criticou publicamente a campanha publicitária da marca Personal, no promoção de seus novos papéis higiênicas na cor preta.

A campanha foi acusada de racista, e Zezé pediu respeita à marca. "Não posso achar interessante uma campanha de papel higiênico preto (tá, tudo bem, sem nenhum problema, pois preto é uma cor, até aí, nenhuma ‘criatividade’ como essa me choca mais), ser vendida como ‘Black Is Beautiful’. Respeito, por favor", pediu.

Confira o desabafo completo:

"Não estou aqui para julgar uma atriz que faz campanha enrolada em um papel higiênico preto. Cada um faz e aceita o trabalho que melhor lhe convém. Mediante a tantas ligações e mensagens, gostaria apenas de esclarecer o que muitos ainda não sabem, quanto a importância do #BlackisBeautiful. Tenho propriedade para falar sobre o assunto, vi com meus próprios olhos, sei o que foi dentro de mim. Foi em 1969, viajei aos Estados Unidos com o grupo do Augusto Boal para encenar Arena Conta Bolívar e Arena Conta Zumbi. Ficamos três meses na estrada. Fomos também ao México e ao Peru. Eu tinha comprado uma peruca lisa chanel e representava com ela. Quando nos apresentamos no Harlem, um grupo de militantes negros ficou chocado com o fato de eu usar peruca. Era o auge do black is beautiful, e a gente tinha que manter as características originais da raça. O Boal ainda me defendeu, disse que eu era engajada e tudo o mais. Nesse dia, voltei para o hotel, tomei um banho demorado e deixei meu cabelo voltar ao natural. É que, além da peruca, eu fazia alisamento com pente quente. Ali eu comecei a me aceitar como negra. Saía nas ruas do Harlem e reparava que os negros americanos andavam de cabeça erguida. Não tinha essa postura subserviente que eu sentia no Brasil e em mim mesma. Essa viagem teve essa importância de fazer com que eu enxergasse meu país de fora. Voltei ao Brasil. E cheguei pensando: Agora ninguém me segura! Isso, porque na adolescência tive a fase de embranquecimento. Minhas amigas diziam: “Seu nariz é chato, seu cabelo é ruim, sua bunda é grande”. E aí comecei a não gostar de nada em mim... Descobri que era questão da autoestima bem resolvida. Para uns pode parecer bobagem, mas para mim e para milhares de negras que viveram em plena década de 70, Black is Beautiful foi alto extraordinário, passamos a nos aceitar, a nos empoderar, e não posso achar interessante uma campanha de “papel higiênico” PRETO (tá, tudo bem, sem nenhum problema pois preto é uma cor, até aí, nenhuma “criatividade” como essa me choca mais), ser VENDIDA COMO BLACK IS BEAUTIFUL. RESPEITO, POR FAVOR..."

A marca foi acusada de ter feito apropriação cultural e racismo por utilizar um slogan do movimento negro, #BlackIsBeautiful, da década de 60, quando era usado contra a discriminação.

Marina Ruy Barbosa, estrela da campanha, pediu desculpas em seu Instagram. A marca também lamentou o suposto equívoco no comercial.

TAGS: