Disney Play?

Disney revela nome de seu serviço por streaming

Nova plataforma da Disney será lançada no final de 2019





Publicado em 09/11/2018 às 08:00:35 ,
atualizado em 09/11/2018 às 11:13:49

Por: Thiago Forato

A Disney revelou por meio de seu CEO, Bob Iger, o nome e alguns novos detalhes sobre os planos para sua plataforma de streaming: Disney +.

Disney Play, nome anteriormente ventilado e divulgado, foi descartado. Segundo Iger, ele virá no final de 2019 e não no primeiro semestre, ao contrário do que vinha se especulando no mercado.

Em abril haverá uma apresentação para os investidores para que todos conheçam o serviço.

A marca Disney + está de acordo com o formato estabelecido pelo ESPN +. De acordo com o CEO da empresa, a plataforma da ESPN tem mais de um milhão de assinantes até o momento.

O novo serviço on-demand da Disney terá conteúdo baseado nas marcas Pixar, Marvel, Star Wars e National Geographic, além de produtos consagrados Disney.

Enquanto isso, o Hulu, principal concorrente da Netflix, mas também da Disney, será focado em entretenimento geral.

Iger foi pressionado por analistas sobre como a Disney vai equilibrar o investimento nos novos serviços de streaming com seus esforços tradicionais de produção e distribuição de conteúdo através de plataformas lineares como ABC, Disney Channel e Freeform. Ele citou a força dos ativos que a Disney está adquirindo da Fox, bem como a nova equipe de gerenciamento que supervisionará o grupo ampliado de redes e estúdios, a saber, Peter Rice, da Fox, Dana Walden e John Landgraf.

"Se criarmos o estúdio de televisão que pretendemos criar, teremos um mecanismo na empresa vindo de diferentes entidades. Poderemos fornecer ao Hulu muito conteúdo de alta qualidade, mais do que o atual ", disse Iger. Ele acrescentou que o desafio enfrentado pelo novo regime é "criar uma empresa de televisão projetada para atender o presente e o futuro da entidade combinada".

Mas, apesar de toda a ênfase no mergulho profundo da Disney em streaming - como parece levar a Netflix e outros no mercado de conteúdo global -, o executivo deixou claro que a Disney não está abandonando suas operações de TV focadas linearmente.

"Não pretendemos sair dessas empresas ou priorizá-las ou sacrificá-las", disse Iger. "Somos também realistas. Nós vemos o que está acontecendo no mercado. Vemos o crescimento de novas plataformas e o consumo de programas versus o consumo de canais", concluiu.



publicidade

TAGS:

LEIA TAMBÉM

publicidade

COMENTÁRIOS

Para comentar na página você deve estar logado com seu perfil no Facebook. Este espaço visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos, de propaganda e que firam a ética e a moral podem ser deletados. Participe!