Coluna do Sandro

É hora de privatizar a TV Cultura

Diante das novas tecnologias de informação, a TV Cultura deixou de ter razão de existir

É hora de privatizar a TV Cultura
Divulgação/TV Cultura

Publicado em 05/07/2019 às 05:00:02

Por: Sandro Nascimento

Desde junho, a TV Cultura está com nova administração sob o comando do advogado José Roberto Maluf, de grande experiência em TV privada, no ano em que ela completa 50 anos. No SBT e Band, onde exerceu a função de vice-presidente, entendeu que o objetivo destes canais era lucro e redução de despesas.

Maluf terá ao seu lado um notável e conceituado conselheiro, que é o famoso Boni, José Bonifácio de Oliveira, que ao lado de Walter Clark criou a programação líder da Globo. E Boni sempre declarou que, em sua época, a TV Globo era lucrativa. O mesmo que, ao deixar a emissora, criou sua rede de TV regional com grife Globo no Vale do Paraíba e a fez muito rentável.

Para a dupla que vai liderar a TV Cultura, experiência é o que não falta no trato de TV aberta. Mas, esperem um pouco. A experiência deles é de sucesso em TV aberta particular e não em TV pública. E neste momento o leitor vai questionar: "qual a diferença?".

Na TV aberta particular, a palavra particular tem motivo de ser porque a carta patente de TV sai em nome de pessoa física, tem um dono que manda e decide as despesas que faz e se responsabiliza pelos lucros positivos ou negativos.

A criação da TV Cultura

A TV Cultura foi criada inicialmente por Assis Chateaubriand, uma das personalidades da área empresarial e política de maior poder da história do Brasil, dono da TV Tupi e emissoras outras espalhadas pelo país, além de um império editorial de jornais e revistas.

Chateaubriand acreditava que duas emissoras em São Paulo poderiam lhe dar o dobro de lucro. Mas na realidade o que acontecia não era bem isso e a Cultura, que até transmitia luta livre aos sábados, era deficitária e passou a ser uma preocupação ao empresário.

Chateau queria resolver seu problema de lucro negativo e articulou a criação da Fundação Padre Anchieta, que poderia receber dotação orçamentária do Estado e assim comprar a TV Cultura dele.

Assim foi feito, e como a Fundação não poderia ter lucro, a justificativa da aquisição da Cultura foi transformá-la em educativa e pública.

Dentro da emissora, se um diretor quiser fazer alguma coisa mais arrojada, precisa de aprovação de um Conselho que é bem eclético, e atender interesses políticos.

Mas um dos maiores problemas da TV Cultura, atualmente, é o custo alto de sua folha de pagamento. E iSão não pode ser resolvido de uma forma irresponsável. Porque uma grande onda de demissões, em contrapartida, geraria volumosas indenizações, e este dinheiro teria que ser desembolsado pela Fundação, que não tem a verba e teria que pedir dotação especial ao Estado, que atravessa um momento que possui outras prioridades. A melhor solução que se pode pensar é a privatização da TV Cultura.

Um leilão da carta patente da emissora pode render no mercado de hoje pelo menos 1 bilhão de reais, de acordo com alguns executivos ligados a televisão. E grupos até existem que entrariam na disputa. O arrematante poderia assumir a indenização dos funcionários que seria descontada do lance vencedor de leilão da Carta.

Com isai, os funcionários seriam todos indenizados sem custos ao Estado e o governo deixaria de destinar verbas todo ano à emissora.

O Estado estaria livre dos gastos que tem com a TV Cultura e poderia criar, com menos verba, um bom plano de mídia para publicidade ostensiva nas emissoras de TV em horário nobre, páginas de jornais e redes sociais, tendo até visibilidade que não tem na Cultura por sua audiência.

Para a televisão, a emissora já cumpriu sua missão. Há muito tempo, pelo desenvolvimento das comunicações e das plataformas digitais, onde as pessoas podem escolher desde ensino à distância até inúmeras atrações culturais, a TV Cultura e deixou de ter razão de existir com prejuízo às verbas do Estado.  

Enquanto for pública, nem o gênio Boni e o experiente Maluf poderão fazer muita coisa. 


publicidade

LEIA TAMBÉM

publicidade

COMENTÁRIOS

Para comentar na página você deve estar logado com seu perfil no Facebook. Este espaço visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos, de propaganda e que firam a ética e a moral podem ser deletados. Participe!