Simba Content virou um elefante branco para Record TV, SBT e RedeTV!

Divulgação

Publicado em 18/03/2018 às 06:00:36 ,
atualizado em 18/03/2018 às 11:28:31

Por: Sandro Nascimento

No próximo dia 29 de março, completa um ano da alardeada saída dos canais abertos que formam a Simba Content, joint-venture formada pela Record TV, SBT e RedeTV!, das operadoras de televisão por assinatura.

O switch-off durou em torno de seis meses e provocou prejuízos financeiros, queda de audiência e se tornou um dos maiores fracassos na história dos negócios da TV brasileira.

A saída das operadoras tinha como intuito pressioná-las para remunerar a Simba em R$ 15 por cada assinante, e em contrapartida, a nova empresa prometia a criação de canais exclusivos para inclusão no line-up da TV paga.

Porém, desconfiados (hoje conclui-se que estavam com a razão), os executivos das operadoras endureceram as negociações. Após meses, SBT, Record TV e RedeTV! tiveram que se contentar, embora frustradas, com valores abaixo de 1 real, e estancar rapidamente os diversos prejuízos que enfrentaram com a ausência dos seus sinais fora dos televisores dos assinantes de Net, Claro, Sky, Vivo e Oi TV.

Outro golpe na joint-venture foi o recente contrato que a Globosat assinou com a mexicana Televisa adquirindo os direitos de todos episódios de Chaves e Chapolin para exibição no Multishow e na sua plataforma  on demand. Justamente um dos principais projetos da Simba para a TV paga.

O tempo passou e até hoje a Simba Content não saiu do papel, e portanto, da intenção. Não existe sede, não possui funcionários, não existe nada. Agoniza.

Mas como esperar investimentos num novo target pela Record TV, SBT e RedeTV!, justamente num ano que enfrentaram dificuldades no negócio principal, resultado de uma severa escassez de dinheiro no mercado publicitário? Será que fomos ingênuos?

Veja bem, o SBT busca dinheiro em casa, através da Jequiti e Telesena, meninas de ouro do Grupo Silvio Santos, e a RedeTV! necessita cada vez mais leiloar a programação para os mais diversos segmentos religiosos. A exceção é a Record TV que, cá entre nós, não existe problema de caixa.

A coluna procurou a assessoria da joint-venture, buscando informações e questionando sobre novidades prometidas há um ano pela empresa ao mercado. A resposta foi o silêncio.

Neste caso, recorro ao velho ditado do historiador português Camilo Castelo Branco: "O silêncio é uma confissão".

 

Sandro Nascimento é jornalista formado. Especializou-se em produção de conteúdo audiovisual para a web e é responsável pela TV NaTelinha. Também assina colunas neste espaço e é correspondente da agência de notícias ZOOMINTV. Twitter: @SandroNascimm / E-mail: sandro@natelinha.com.br



publicidade

LEIA MAIS

publicidade

COMENTÁRIOS

Para comentar na página você deve estar logado com seu perfil no Facebook. Este espaço visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos, de propaganda e que firam a ética e a moral podem ser deletados. Participe!

publicidade