Reportar erro
Colunas

Globo só tem a perder com vetos e problemas com eventos esportivos

Antenado

globo-logo-raios.jpg
Foto: Divulgação
Redação NT

Publicado em 13/12/2015 às 07:00:00

Na noite desta sexta-feira (11), conversei com um amigo que trabalha na Globosat. Por motivos óbvios, não revelarei seu nome aqui, mas ele se dizia não entender duas atitudes recentes da Grupo em si contra concorrentes. 
 
A primeira foi a reclamação do Esporte Interativo, que comunicou que o SporTV não está cedendo as imagens do Mundial de Handebol Feminino - que se valorizou muito com a excelente cobertura do EI em 2013, quando as garotas foram campeões mundiais. A segunda foi o veto de silêncio que a Globo fez em relação da despedida de Rogério Ceni dos gramados, somente porquê o jogo festivo era exclusivo em transmissão do Fox Sports. 
 
 
Um amigo me disse a seguinte aspa: "Tem gente aqui que não entende que isso é prejudicial apenas a nós mesmos". Eu fiquei com essa frase na cabeça, e de fato, é exatamente isto. A única que se prejudica com estes vetos é a própria Globo e os canais Globosat. 
 
Negar a imagem de um evento para o concorrente - e também não exibir os gols da Champions só para não exibir o selo do concorrente na tela - é bizarro. É limitar a divulgação do evento e do trabalho das meninas do Handebol na Dinamarca e prejudicar, indiretamente, o desenvolvimento do esporte, que não é o mais popular no Brasil, diga-se de passagem. Já o segundo veto é extremamente grave também. 
 
É não repercutir "somente" a aposentadoria do principal jogador da história do terceiro clube em número de torcedores do Brasil, segundo o Ibope. Não é porque o evento vai ser transmitido apenas por um canal concorrente da Globo que ele deixa de ser importante. A importância continua lá e as pessoas vão querer saber dele, mas todos gostam de ter visões diferentes do mesmo assunto. 
 
Quem perde com isso é apenas o Grupo Globo. Ganha uma exposição negativa junto ao público sem qualquer necessidade. E aqui entre nós: estes vetos são tão anos 80 e 90. Já era. Isso não pode mais acontecer. O público quer ser respeitado. E respeitar o público é respeitar seus concorrentes também. 
 
Gabriel Vaquer escreve sobre mídia e televisão há vários anos. No NaTelinha, é responsável por reportagens variadas e especiais. Na coluna "Antenado", fala sobre TV por assinatura aos sábados e sobre TV aberta quando a necessidade pedir. Converse com ele. E-mail: gabriel@natelinha.com.br / Twitter: @bielvaquer
Mais Notícias