Reportar erro
Memórias da Telinha

Em 2004, Band surpreendeu e bateu Faustão com Olimpíadas

Ginástica foi a campeã de audiência e Faustão foi destronado por Daiane dos Santos

Daiane dos Santos fazendo pose e Faustão abrindo braço
Band apostou em ginástica e nocauteou Faustão - Foto: Divulgação/Reprodução/TV Globo
Thiago Forato

Publicado em 24/07/2021 às 08:52:00

Há 17 anos, quando as Olimpíadas "voltavam pra casa", em Atenas, na Grécia, a Band surfava com o evento que lhe deu prestígio e audiência entre os dias 13 e 29 de agosto daquele ano. A cobertura dos jogos quebrou não só recordes de horas transmitidas pela emissora, mas também no Ibope. Com uma programação mais flexível que a Globo - as duas transmitiram o evento na TV aberta -, ela conseguiu desbancar até o Domingão do Faustão (1989-2021).

A ginástica artística com Daiane dos Santos foi a responsável pela Band dar uma surra em Faustão na tarde de domingo de 15 de agosto. Enquanto a emissora transmitia a competição com comentários da ex-ginasta Luísa Parente, a Globo exibia a primeira parte do seu Domingão. A emissora paulista cravou 19 pontos de média ante 15 do comunicador. O pico foi de 21. No horário, Faustão marcava 13.

Ao todo, a Band investiu US$ 5 milhões nas Olimpíadas de 2004, segundo o Estado de S. Paulo noticiou em edição de novembro de 2003. A emissora anunciou que teria um satélite à disposição por 24 horas diárias e também a promessa que exibiria 10 horas por dia, sendo sete ao vivo de segunda a sexta-feira, e nove aos fins de semana.

O time olímpico da Band foi composto por 70 pessoas e a expectativa era de fazer história, o que acabou acontecendo. "Faremos uma transmissão agressiva dos esportes, sacrificando sempre que necessário algumas atrações fixas na grade", avisava o vice-presidente da Band da época, Marcelo Parada.

A agressividade da Band e "descaso" da Globo

Em 2004, Band surpreendeu e bateu Faustão com Olimpíadas

Disposta a relembrar os áureos tempos do "canal do esporte", slogan que ficou guardado da memória do público nos anos 90, a Band não se furtava em exibir horas consecutivas das Olimpíadas. E foi recompensada por isso, abocanhando a liderança quase todos os dias pela manhã exibindo vela, vôlei, judô e outras modalidades subestimadas.

Os bons resultados da Band fizeram com que a Globo interrompesse até a Fórmula 1 no domingo seguinte para mostrar exatamente o que ela exibia: uma partida de vôlei. A emissora carioca, observando o sucesso da concorrente, também teve que mexer na grade de programação e se viu obrigada até a cancelar a Sessão da Tarde em algumas ocasiões.

"Em Sidney 2000, nossa maior audiência foi com a ginástica. Eu já cantava essa bola. A Globo tem vários compromissos comerciais. Na disputa entre a imobilidade da grade deles e nossa agilidade, estamos nos dando bem. A Olimpíada não tem um diferencial, não é um produto segmentado. Sabíamos que o sucesso aconteceria", orgulhava-se Marcelo Tavares, diretor de programação da época à Isto É.

Ginástica foi campeã de audiência em 2004

Em 2004, Band surpreendeu e bateu Faustão com Olimpíadas

Daiane dos Santos foi responsável não só pelo recorde de audiência da Band, mas também da Globo, segundo dados retirados do jornal Folha de São Paulo. Com a final da competição na tarde de 23 de agosto, segunda-feira, a emissora carioca cravou 27,6 pontos na capital paulista.

Como comparação, a final do vôlei masculino, que o Brasil levou a medalha de ouro, alcançou com 26,8 pontos, enquanto a final do futebol feminino que deu medalha de prata para a seleção brasileira, ficou com 26,7 pontos de média.

Na Band, depois da ginástica que conseguiu 7,9 pontos de média geral, veio hipismo com 7,6, nado sincronizado feminino com 6,4, futebol feminino com 6,1 e natação, que fazia 5,9 pontos médios durante aquele mês de agosto.