Reportar erro
Memórias da Telinha

Há 25 anos, Ratinho estreava 190 Urgente na CNT e despontava como fenômeno

Ratinho começava sua história no comando de programas em 1996

Ratinho fazendo sinal de positivo
Ratinho fez sucesso na CNT entre 1996 e 1997 - Foto: Divulgação/SBT
Thiago Forato

Publicado em 10/07/2021 às 08:55:00,
atualizado em 10/07/2021 às 09:16:27

Em 1º de julho de 1996, ia ao ar o 190 Urgente na CNT, sob o comando de Carlos Massa, o Ratinho. Depois de atuar como repórter policial na antiga Rede OM, o apresentador ganhou a chance de ter um programa para chamar de seu. E ali nascia um fenômeno de audiência que perduraria por anos, virando dor de cabeça para a Globo e fazendo Silvio Santos desembolsar milhões de reais por seu passe em 1998.

O 190 Urgente foi um estrondoso sucesso para os padrões da CNT, que via sua audiência para cerca dos 5 pontos no Ibope. Acusado de sanguinolento, Ratinho não hesitava em vociferar contra as autoridades, exigir prisão de bandido e quebrar até objetos ao vivo.

O sucesso foi instantâneo, o que fez com que a CNT lançasse uma edição extra aos sábados do 190 Urgente. "Isso acontece [o sucesso] porque eu uso uma linguagem popular. Sou radialista, transferi a linguagem do rádio para a televisão. Ao mesmo tempo, digo o que o sujeito gostaria de dizer mas não tem como", afirmou o apresentador ao Jornal do Brasil em agosto de 1997.

[190 Urgente: Pedido para sair do ar e seu fim

Há 25 anos, Ratinho estreava 190 Urgente na CNT e despontava como fenômeno

O Ministério Público Estadual e Federal instauraram inquérito civil para apurar se o 190 Urgente, de Ratinho, e outros como o Na Rota do Crime (Manchete) e Cidade Alerta (Record) faziam apologia ao crime. O MP dizia que o programa feria os direitos individuais, além de incitar ao crime.

A ação acabou não dando em nada. E Ratinho nadava de braçada não só no Ibope, mas também no dinheiro que começou a acumular com o sucesso. Em 1997, ele afirmou ao O Globo que já ganhava R$ 100 mil "limpinhos", mas almejava mais.

Naquela época, o roedor se mudava de Curitiba para São Paulo, que na visão dele, era onde "estava o ouro". "Entrei nessa de quebra-galho. O apresentador do programa da CNT brigou com a direção da emissora e fui convidado a substitui-lo. No começo tive medo, mas fui tomando gosto pela coisa", admitiu.

Depois de mais de um ano brigando pela vice-liderança na faixa das 18h, assustando Record e SBT, Ratinho resolveu aceitar uma proposta da rede do bispo Edir Macedo em setembro de 1997, onde ficaria por um ano, até se transferir para o SBT, onde está até hoje.

Confira um trecho de  190 Urgente:



Mais Notícias