Reportar erro
Indignado

Datena defende Bolsonaro e se revolta com aumento de combustível: "Os caras enlouqueceram"

Apresentador ficou irritado durante programa ao vivo

Datena revoltado durante ao vivo
Datena ficou irritado em programa ao vivo. Foto: Reprodução
Redação NT

Publicado em 08/03/2021 às 20:00:00

Durante o Brasil Urgente desta segunda-feira (8), José Luiz Datena ficou revoltado ao anunciar a notícia do sexto aumento de combustíveis pela Petrobrás. O apresentador se exaltou ao falar sobre o reajuste e disparou: "Esses caras da Petrobrás estão tomando etanol. Devem estar tomando etanol. Quem aguenta mais aumento de preço de combustível? Os caras enlouqueceram, eles querem botar o país de ponta cabeça."

Na sequência o apresentador detonou Roberto Castello Branco, atual presidente da Petrobrás, que deve ser substituído por general Joaquim Silva e Luna.

"E aquele presidente que está tomando essas decisões, que foi enxotado da Petrobrás, mas que fica lá até dia 21? A partir do momento que mandou o cara andar, tinha que congelar as decisões dele, senão ele vai tomar decisão de aumentar toda hora e o Brasil vai estourar no do Bolsonaro e no do governo", afirmou Datena, defendendo Bolsonaro.

"O povo não tem mais dinheiro pra comer. Ninguém aguenta mais aumento de combustível. Deve estar tomando litros de etanol, o cara está pirando na batatinha", analisou o apresentador.

Datena liga ao vivo para Jair Bolsonaro

Na sequência, Datena ligou ao vivo para o presidente Jair Bolsonaro para saber a opinião dele sobre a decisão de Edson Fachin, ministro do Supremo Tribunal Federal, que anulou as condenações de Luis Inácio Lula da Silva na operação Lava Jato.

Na ligação durante o programa, Bolsonaro respondeu os questionamentos do apresentador e deu sua opinião sobre a liberação de Lula para disputar eleições.

"Foi uma decisão monocrática do ministro Fachin... Abre portas para disputar eleições. Mas, no meu entender, isso passa, obviamente, no mínimo, pela segunda turma do STF. Não sei o que vai acontecer, mas será um descrédito para a Justiça e para o Brasil porque, a partir do momento que você diz que foi tudo anulado no tocante ao Lula, é dizer que não houve o 'Petrolão', não houve roubalheira em várias estatais e bancos oficiais", afirmou Bolsonaro.



Mais Notícias