Deu ruim

Diretor do SBT chama Ancine de "bagunça" e cancela todas as coproduções de 2019

Declaração aconteceu na "Rio2C" nesta quinta-feira (25)

Diretor do SBT chama Ancine de
Fernando Pelégio ao centro, durante painel da "Rio2C"

Naian Lucas
i

Naian Lucas

Naian Lucas escreve há 10 anos e já fez de tudo um pouco nas redações. Apaixonado por televisão, é roteirista e trabalha na área desde 2014. Atualmente, é repórter do NaTelinha e aficcionado por tudo que envolve dramaturgia. Siga-me no Twitter: @naiaan

Publicado em 25/04/2019 às 12:30:06 com Sandro Nascimento

O SBT não vai coproduzir nada de dramaturgia em 2019 graças à crise instalada na Ancine, que impede a inscrição de novos projetos. O anúncio foi feito pelo diretor artístico da emissora, Fernando Pelégio, durante a "Rio2C", maior evento de criatividade e inovação da América Latina, na manhã desta quinta-feira (25), onde ele também não poupou críticas ao momento político cultural que vive o país. O NaTelinha esteve presente.

“É uma consequência muito grande para o SBT”, afirmou o diretor antes de fazer o anúncio no painel que abordou a coprodução. “Por conta do que está acontecendo com a Ancine, nós decidimos não produzir nada esse ano”, cravou. Pelégio aproveitou a oportunidade para lamentar que a situação tenha chegado a este ponto. “É uma pena para a dramaturgia, para o SBT e para o Brasil”. 

O diretor do SBT lembrou ainda que, graças à paralisação da Agência Nacional do Cinema, determinada pelo Tribunal de Contas da União, o desemprego vai aumentar: “Cada produção dessas gera centenas de empregos. São país de família que não poderão trabalhar”.

Ele ainda fez questão de criticar a decisão de parar todas as produções, como foi anunciado pelo Governo Federal: “O fomento da cultura é lei e o Governo deveria punir quem comete erros e não simplesmente parar tudo”.

O diretor lamentou ainda o que chamou de “bagunça” que se tornou a Ancine por conta de brigas políticas instaladas em 2019 no departamento.

A crise do órgão que paralisou as coproduções de dramaturgia do SBT foi noticiada pelo NaTelinha, que mostrou a proibição do Tribunal de Contas para que novos projetos fossem cadastrados.

O presidente Jair Bolsonaro anunciou ainda nesta semana que nova lei derrubaria o teto da Lei Rouanet de R$ 60 milhão para R$ 1 milhão em captação via isenção de impostos e que novos projetos para 2019 demorariam para abrir vagas.

Por causa deste imbróglio, produções de outras emissoras também estão sofrendo. “Mamonas Assassinas” pode novamente ir para a gaveta na Record.

Nos últimos anos, o SBT utilizou verba da Ancine para pelo menos duas produções. “A Garota da Moto” foi autorizada a captar quase R$ 10 milhões em suas duas temporadas. Também houve captação para a série “Z4”, que contou com apenas uma leva de episódios.

Vale lembrar que o Silvio Santos vem dando apoio formal ao governo de Jair Bolsonaro, além de outros apresentadores da casa, como Ratinho e Celso Portiolli.

Reportagem do NaTelinha mostrou que no primeiro trimestre de 2019, o SBT recebeu, em publicidade, mais de R$ 7 milhões do Governo Federal. Muito mais que o R$ 1 mi de 2018.

Ainda no evento, Pelégio afirmou que, caso tudo transcorra para a organização da Ancine, em 2020 os projetos poderão ser retomados.


publicidade

LEIA TAMBÉM

publicidade

COMENTÁRIOS

Para comentar na página você deve estar logado com seu perfil no Facebook. Este espaço visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos, de propaganda e que firam a ética e a moral podem ser deletados. Participe!