Polêmica

Única transexual jornalista da TV é demitida do SBT na Bahia por apoiar candidato do PT

Em conversa com o NaTelinha, Alanna Rocha desabafa sobre situação: "injustamente"

Alanna Rocha
Alanna Rocha participava mais ativamente do policial "Ronda"

Publicado em 02/10/2018 às 09:31:11 ,
atualizado em 02/10/2018 às 10:17:46

Por: Gabriel Vaquer

Uma das 12 transexuais formadas em jornalismo no Brasil e a única até então a trabalhar num núcleo de jornalismo da TV, a jornalista Alanna Rocha foi dispensada da TV Aratu, afiliada do SBT em Salvador, nesta segunda-feira (1), por apoiar em sua rede social a reeleição do candidato ao Governo da Bahia, Rui Costa (PT).

O desligamento foi feito no início da tarde por um dos gestores do conteúdo da emissora, Matheus Carvalho. Alanna anunciou na web o desligamento, dizendo que era o fim de um sonho.

Ela não falou o motivo abertamente, mas segundo apurou o NaTelinha, a dispensa ocorreu por conta de um vídeo feito fora do horário de trabalho e postado em seu Instagram, apoiando os candidatos do PT.

O vídeo repercutiu e a campanha de Rui Costa pediu autorização para usá-lo em propagandas eleitorais. Ele foi exibido em comerciais na TV e, por conta disso, a Aratu argumentou que a imagem de Alanna havia sido atrelada ao candidato.

Em conversa com a reportagem, a jornalista confirmou a informação e disse não entender a dispensa: "Eu gravei fora do horário de trabalho, dentro do meu carro, não foi nada comercial. Foi espontâneo e eu coloquei na minha rede social. Foi isso que eles alegaram para me demitir, injustamente, no meu entender".

Alanna Rocha disse que achou que seria dispensada por conta de algum erro no trabalho, o que entenderia. Ela diz que a TV nunca orientou ou proibiu manifestação política em redes sociais - o NaTelinha apurou com outras fontes que confirmam que nunca houve uma orientação mais detalhada sobre uso do Instagram, Facebook, Twitter e afins.

"Não existem determinações na empresa por isso. Eles não proíbem manifestação política na nossa redes social. Eles não têm critérios. Se eles tivessem um posicionamento sobre rede social quando a gente é contratado, como a TV Bahia/Globo tem, como a Record tem, tudo bem. Mas não tem isso, pelo contrário", afirma.

Alanna ainda conta que vários funcionários se posicionam politicamente por um candidato ligado à emissora, fazendo propaganda em seus carros. Ela prefere não citar o nome, mas conforme apurado, o candidato é Tiago Corrêa, vereador de Salvador e que tenta uma vaga para deputado estadual pelo PSDB, em coligação de oposição ao voto declarado por Alanna Rocha.

"Inclusive, uma pessoa ligada à TV é candidata, e tem vários de funcionários plantados com a imagem desse candidato, que eu não quero citar o nome, mas que é público e notório quem é essa pessoa, mas não quero entrar nesse mérito. Se eu tivesse errado, não fosse profissional, eu entenderia. Mas como o motivo alegado foi esse, fico triste", concluiu a jornalista.

Alanna Rocha atuava principalmente no programa policial "Ronda", que era exibido na faixa da hora do almoço e marca 8 pontos de audiência em Salvador. Alana Adrielle de Oliveira Rocha, seu nome social, tem 37 anos e estava na emissora desde abril no ano passado.

Repórter policial de sucesso no interior da Bahia, foi contratada temporariamente, mas devido a boa repercussão, acabou sendo fixada no casting do canal. Até então, ela era a única transexual a atuar no jornalismo na TV brasileira.

Procurada para comentar o assunto desde a tarde desta segunda-feira (1), a TV Aratu/SBT e o diretor Matheus Carvalho não responderam aos nossos contatos. Se caso mandem uma posição, a matéria será atualizada.



publicidade

TAGS:

LEIA TAMBÉM

publicidade

COMENTÁRIOS

Para comentar na página você deve estar logado com seu perfil no Facebook. Este espaço visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos, de propaganda e que firam a ética e a moral podem ser deletados. Participe!