Outro mundo

Conheça cinco séries com realidades distópicas

De Alemanha vencedora da Segunda Guerra até distopia onde é permitido o estupro

Conheça cinco séries com realidades distópicas
The Handmaid's Tale e The Rain - Divulgação

Publicado em 18/07/2020 às 13:25:46

Por: Thiago Forato

A pandemia do novo coronavírus (Covid-19) fez com que nossa rotina fosse afetada drasticamente. O isolamento social é uma realidade e muitos ainda custam a acreditar que vivemos em um mundo que pode se assemelhar a algum universo pós-apocalíptico ou até distópico.

Mas estamos longe disso, não é mesmo? O NaTelinha apresenta cinco séries verdadeiramente com realidades distópicas.

Confira:

The Rain

A série dinamarquesa que foi renovada para a terceira e última temporada tem como grande inimigo do homem, a chuva.

A história gira em torno de dois irmãos saem numa missão para descobrir se ainda há vida em outro lugar, depois de uma misteriosa chuva ter dizimado quase toda a Dinamarca. Num cenário pós-apocalipítico, a série lembra The Walking Dead, só que obviamente, sem os zumbis.

Em The Rain, um desconhecido vírus mortal é transmitida pela água da chuva ou por pessoas já infectadas. Os poucos sobreviventes precisam ficar atentos para não se contaminarem também.

A série está disponível na Netflix com duas temporadas.

The Leftlovers

Com quatro temporadas, a série conta a história de uma sociedade que foi surpreendida por um evento global chamado Partida Repentina, responsável pelo desaparecimento inexplicável e simultâneo de 140 milhões de pessoas, o que corresponde a 2% da população mundial.

A partir daí, surgem possibilidades como a de um arrebetamento bíblico ou simplesmente um evento sobrenatural, mexendo com todos os personagens da trama.

A série está disponível no HBO Go.

The Handmaid's Tale

A história fala sobre um futuro distópico na República de Gilead, uma nação patriarcal e militarizada, que tomou o lugar dos Estados Unidos e tem a bíblia como Constituição.

Com os níveis de natalidade muito baixos, mulheres férteis são usadas única e exclusivamente para procriação, cedendo seus filhos às famílias consideradas mais poderosas na escala social.

Na série, o corpo das mulheres é do Estado e o estupro é regulamentado. Se uma mulher tiver sorte, ela é esposa em Gilead, enquanto as outras são praticamente escravas, não podendo fazer absolutamente nada: controlar dinheiro, comprar propriedades ou mesmo ler. Todos, exceto homens brancos e héteros, são subjugados.

Uniformes são utilizados para distinguir a posição das mulheres na sociedade: vermelho para as aias, que servem os militares para procriação, bege para as marthas, empregadas domésticas e azul para as esposas, que também são submetidas às leis rígidas do Estado.

Ela está disponível no Globoplay com suas três temporadas.

3%

A série apresenta um mundo pós-apocalíptico, depois de diversas crises que deixaram o planeta devastado.

Em algum do Brasil, a maior parte da população sobrevivente mora no Continente, um lugar miserável, decadente, onde falta tudo: água, comida, energia e outros recursos.

Aos 20 anos de idade, todo cidadão tem direito de participar do Processo, uma seleção que oferece a única chance de passar para o Maralto, onde tudo é abundante e há oportunidades de uma vida digna.

Mas somente 3% dos candidatos são aprovados no Processo, que testa os limites dos participantes em provas físicas e psicológicas, e os coloca diante de dilemas morais.

A série conta com três temporadas na Netflix.

The Man in the High Castle

E se a Alemanha, Itália e Japão tivessem vencido a Segunda Guerra Mundial?

É sob esse ponto de vista que a série começa. 20 anos depois, o planeta está dividido entre o Império do Japão e a Alemanha Nazista. Conforme a força dessas duas nações crescem, geram consequências drástica para os Estados Unidos.

A série está disponível com quatro temporadas na Amazon Prime Video.


Siga o NaTelinha nas redes sociais

Reportar erro

COMENTÁRIOS

Para comentar na página você deve estar logado com seu perfil no Facebook. Este espaço visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos, de propaganda e que firam a ética e a moral podem ser deletados. Participe!