Já faltou no trabalho?

Maratonar séries atrapalha o rendimento profissional, aponta pesquisa

Fãs de séries costumam fazer horas de maratonas

Maratonar séries atrapalha o rendimento profissional, aponta pesquisa
"Stranger Things" é uma das séries maratonadas pelo público de séries. Foto: Divulgação

Naian Lucas
i

Naian Lucas

Naian Lucas escreve há 10 anos e já fez de tudo um pouco nas redações. Apaixonado por televisão, é roteirista e trabalha na área desde 2014. Atualmente, é repórter do NaTelinha e aficcionado por tudo que envolve dramaturgia. Siga-me no Twitter: @naiaan

Publicado em 12/06/2019 às 06:30:14 Atualizado em 12/06/2019 às 08:50:02

As séries estão fazendo parte da vida das pessoas a tal ponto que começaram a atrapalhar o seu rendimento profissional. É o que garante uma pesquisa britânica realizada pelo site Rádio Times e que foi revelada nesta semana. Segundo os resultados, muita gente já inseriu o hábito em seu cotidiano e as maratonas passaram a atrapalhar o trabalho e até o sono.

A pesquisa realizada em todo Reino Unido ouviu mais de cinco mil pessoas e indicou que pelo menos 80% dos entrevistados têm seu sono afetado por conta das produções. Isso significa dizer que a maioria absoluta entra madrugada adentro colocando os episódios em dia.

Há pessoas que vão muito além de perder algumas horinhas de sono para assistir série. Metade dos entrevistados britânicos garantiu que já maratonou por mais de oito horas consecutivas, ou seja, pelo menos um terço do dia foi assistindo séries ininterruptamente. Já 75% das pessoas afirmaram ter assistido produções por mais de quatro horas seguidas.

O NaTelinha procurou o psicólogo Ricardo Siqueira para entender um pouco mais da mente de pessoas que são viciadas em séries. “Assistir um seriado é saudável e divertido. Eu mesmo paro um tempinho e assisto uma boa comédia e um terror assustador. Só que, como droga ou jogo de azar, há quem vicie e perca a noção da realidade”, explicou.

Para Rafaela Souza, 31 anos, isso é normal. Publicitária, ela trabalha em regime de home office e tem os horários menos rígidos de trabalho. "Já assisti uma temporada inteira de série quando foi liberada pela Netflix", lembrou à reportagem, dando o exemplo de "Stranger Things".

Ela é uma das brasileiras que se encaixariam na pesquisa britânica. Por conta da vida de fã de séries, ela chegou a perder reuniões de trabalho por se distrair com o horário. "Eu tinha uma reunião, via Skype, com um cliente e me esqueci completamente. Só fui avisar mais de três horas depois", disse aos risos. A publicitária lembrou que, na ocasião, estava maratonando a segunda temporada de "Mr. Robot", série que está disponível na Prime Vídeo, da Amazon.

Relatamos o problema de Rafaela para o psicólogo e ele considerou a situação preocupante. “O vício começa através de um gatilho. A solidão e a depressão podem estar ligadas ao caso dessa jovem. Muitas pesquisas apontam que pessoas viciadas em séries sofrem com esse tipo de problema”, detalhou.

Uma dessas pesquisas foi feita por estudiosos da Universidade do Texas. Os dados indicam que, quanto mais solitária e deprimida for a pessoa, maior é a chance dela ficar horas e horas assistindo sua produção predileta.

Hoje é fácil acompanhar uma série, seja de comédia ou drama. Com o “boom” dos streamings, diversas produções estão sendo produzidas e lançadas simultaneamente. Além da Netflix, Amazon e Globoplay, nos próximos anos Disney, Apple e até o Facebook vão investir em séries e filmes.


publicidade

LEIA TAMBÉM

publicidade

COMENTÁRIOS

Para comentar na página você deve estar logado com seu perfil no Facebook. Este espaço visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos, de propaganda e que firam a ética e a moral podem ser deletados. Participe!