Reportar erro
Leucemia que nada

Para o Governo, Camila de Laços de Família tem Covid e indica cloroquina

Personagem tem diagnóstico errado em site do Ministério da Saúde

 Para o Governo, Camila de Laços de Família tem Covid e indica cloroquina
Camila, de Laços de Família, foi diagnosticada com coronavírus pelo Ministério da Saúde - Foto: Reprodução

Daniel César

Publicado em 21/01/2021 às 04:30:00,
atualizado em 21/01/2021 às 15:07:59

Na novela Laços de Família, Camila (Carolina Dieckmann) começou a apresentar os primeiros sintomas de estar doente e vem preocupando a mãe Helena (Vera Fischer) e também Edu (Reynaldo Gianecchini). Mas para o Ministério da Saúde brasileiro, a personagem criada por Manoel Carlos no ano 2000 e que pode ser vista novamente na reprise da trama, dentro do Vale a Pena Ver de Novo, está acometida pelo coronavírus, com direito até a recomendação de medicamentos sem eficácia comprovada.

Na última quarta-feira (20), o jornal Folha de S.Paulo publicou reportagem mostrando que o Ministério da Saúde de Jair Bolsonaro, comandado pelo general Eduardo Pazuello, disponibilizou uma página para que os brasileiros recebam uma espécie de auto-diagnóstico com base em seus sintomas. De acordo com a denúncia do portal, em várias simulações com sintomas diversos o resultado era sempre o mesmo: coronavírus e, diante disso, a recomendação era o uso de medicamentos com comprovada ineficácia para o tratamento da doença, como a hidroxicloquina, entre outros.

Como a denúncia viralizou, o NaTelinha fez um levantamento na página TrateCov Brasil, criado e mantido pelo Ministério da Saúde e com o logotipo do Governo Federal, fazendo um perfil falso da personagem Camila, de Laços de Família. A personagem já mostrou manchas rochas e pequenas bolinhas vermelhas pelo corpo e deixou a mãe preocupada, inclusive indicando que ela deveria procurar um médico.

Manoel Carlos está preparando o público para a grande virada na vida da personagem, que acabará sendo diagnosticada com leucemia e sofrerá horrores até conseguir a cura no final da trama. Com desmaios, vômitos e muitas tonturas, Camila já vem demonstrando estar com algum problema além da gravidez, já que ela no momento está esperando um filho de Edu.

Nota da redação: Hora depois da publicação desta reportagem, nesta quinta-feira (21), o Ministério da Saúde retirou o site TrateCovid do ar.

Camila está com coronavírus, diz Ministério da Saúde

Diferentemente do que Manoel Carlos prepara à personagem, para o Ministério da Saúde de Jair Bolsonaro, Camila não está com leucemia, mas sim com coronavírus. Os sintomas apresentados e que estão disponíveis na página indicaram pontuação suficiente para mostrar que a filha de Helena com Pedro (Joé Mayer) é mais uma da sete milhões de vítimas da Covid-19 no país.

Disponibilizado pelo site do Ministério, a simulação anotou sintomas como fadiga, tontura, fraqueza, perda de apetite e cefaleia. Como as reclamações de Camila indicaram, também foram preenchidos os espaços para dor em coluna torácica, em membros inferiores e dor retrorbital, dor abdominal e náuseas. Grávida, a personagem também já demonstrou falta de ar, o que, segundo o TrateCovid, deu a ela 35 pontos no ranking estatístico criado para fazer a auto-avaliação.

O resultado indicado (conforme print acima): Camila está com Covid-19 por apresentar escore acima de seis pontos. A sugestão é clara: "iniciar tratamento precoce para a covid-19".

Ministério sugere remédio sem eficácia para Camila

A Camila fictícia também recebeu sugestão de medicação pelo Governo Federal, já que o site indica que a conduta deve ser indicar tratamento precoce. E a medicação sugerida é a mesma que vem gerando controvérsia e que já foi tantas vezes defendidas pelo presidente Jair Bolsonaro: disfotato de cloroquina, hidroxicloroquina, ivermectina, azitromicina, doxiciclina e sulfato de zinco.

A receita virtual indica que a filha de Helena, acometida por leucemia e não por coronavírus como indicou o Ministério, deveria se automedicar por cinco dias consecutivos com número diferente de comprimidos para cada remédio. No total, ela iria terminar o ciclo com 22 comprimidos sendo ingeridos para tratar do vírus com dois adendos: ela não está com a doença e a medicação não é eficaz contra a Covid-19.

Mais Notícias