Reportar erro
Exclusivo

Diretor de Xuxa em "Dancing Brasil" fala sobre possível segunda temporada e versão kids

Rodrigo Carelli rasga elogios a Xuxa Meneghel

dancingbrasil-rodrigocarelli-xuxa-sergiomarone_3713090da9369751714cc4e6f6d995cc932bb66a.jpeg
Rodrigo Carelli ao lado de Xuxa Meneghel e Sérgio Marone
Sandro Nascimento

Publicado em 03/05/2017 às 12:53:00

Rodrigo Carelli é o diretor da versão brasileira de "Dancing with the Stars", formato pertencente à BBC Wordwide e adquirido pela RecordTV para Xuxa Meneghel comandar nas noites de segunda-feira com o título de "Dancing Brasil".

"Eu me surpreendi ainda mais com o conhecimento profundo que a Xuxa tem do veículo televisão, a inteligência, a objetividade, a disposição e a parceria criativa", conta ele, que também é responsável pelo "Power Couple Brasil" e "A Fazenda" na emissora.

Carelli acabou se especializando em realities desde que dirigiu, em 2001, a primeira atração do gênero no Brasil, a "Casa dos Artistas", no SBT.

Em entrevista exclusiva ao NaTelinha, ele explica que o formato reality é o primeiro criado especialmente para a televisão. "A dramaturgia vem do teatro, o jornalismo da imprensa, os programas de variedades do rádio. O reality foi criado especificamente para a televisão e tem, como grande aliada, a internet", diz.

Questionado sobre uma possível segunda temporada de "Dancing Brasil", Carelli responde: "Ainda não temos a confirmação de uma segunda temporada, mas estamos pesquisando esta possibilidade". Ele ainda comenta sobre a atração ganhar uma versão infantil: "Não sabemos se haverá uma mudança em relação à idade dos participantes".

Confira a entrevista completa:

NaTelinha - Quais foram as principais dificuldades para adaptar "Dancing with the Stars" para o Brasil?

Rodrigo Carelli - O Brasil não tem uma tradição de dança de salão esportiva, algo que nos EUA e na Europa é muito popular. Por outro lado, a nossa tradição musical e nossa diversidade de ritmos ajudam os nossos coreógrafos a serem mais criativos e emocionais e não apenas técnicos e friamente competitivos. Isso dá um charme especial à nossa versão.

E é um programa complexo em que toda a equipe se dedica arduamente pra que tudo aconteça com a qualidade que o formato merece.

Me surpreendi com seu conhecimento profundo sobre televisão, a inteligência, a objetividade, a disposição e a parceria criativa

Rodrigo Carelli sobre Xuxa

NaTelinha - O programa está sendo muito elogiado. Uma segunda temporada de "Dancing Brasil" está confirmado? Uma versão infantil está no radar?

Rodrigo Carelli - Ainda não temos a confirmação de uma segunda temporada, mas estamos pesquisando esta possibilidade. Não sabemos se haverá uma mudança em relação à idade dos participantes.

NaTelinha - Como foi o processo de criação da abertura do programa? Se inspirou em alguma versão do "Dancing with the Stars"?

Rodrigo Carelli - Em vários países em que há o formato são feitas aberturas em externa. As mais bem produzidas são as americanas. Mas para introduzir o formato no Brasil resolvemos fazer algo inédito, usando várias locações e aproveitando o grande cartão postal do Brasil que é o Rio de Janeiro. Os executivos da BBC não só adoraram a nossa abertura como consideraram uma das melhores já feitas para o formato.

NaTelinha - Na entrevista coletiva, você revelou que teve uma reunião de quatro horas com a Xuxa para explicar toda a produção do programa. Como está sendo dirigí-la?

Rodrigo Carelli - Sempre tive um grande respeito pela estrela, pela profissional e pela importância dela na história recente da televisão brasileira. Mas eu me surpreendi ainda mais com o conhecimento profundo que a Xuxa tem do veículo televisão, a inteligência, a objetividade, a disposição e a parceria criativa. Além do resultado excelente da apresentação dela no ar, está sendo um prazer e uma alegria fazer este trabalho com ela.

NaTelinha - Você acabou se especializando em dirigir realities shows. Por que essa preferência neste segmento na TV?

Rodrigo Carelli - Desde que eu fui chamado pra fazer o primeiro reality de confinamento do Brasil, a "Casa dos Artistas", passei a me envolver profundamente com este gênero televisivo. É o único gênero, aliás, totalmente criado para televisão. A dramaturgia vem do teatro, o jornalismo da imprensa, os programas de variedades do rádio. O reality foi criado especificamente para a televisão e tem, como grande aliada, a internet. E o "Dancing Brasil" reúne o reality com a minha outra especialidade na TV que são os musicais.