Expansão

Disney+ cresce 33% e planeja estar em 150 países até o final do ano

Plataforma do conglomerado Disney se expande rapidamente


Mickey Mouse com pacote de dólares
Casa do Mickey Mouse, Disney+ se expande rapidamente no mundo - Foto: Ilustração
Por Thiago Forato

Publicado em 19/05/2022 às 09:21:55,
atualizado em 19/05/2022 às 09:41:47

O Disney+ mira sua maior expansão territorial em 2022. Até o final do ano, o plano é estar em 150 mercados de acordo com Christine M. McCarthy, diretora financeira do conglomerado Disney na conferência MoffettNathanson ocorrida nessa quarta-feira (18). A plataforma de streaming registrou um aumento de 33% na base de assinantes no primeiro trimestre, o que representa 7,9 milhões a mais no que tange ao aspecto global.

Ao longo deste verão do hemisfério norte, o Disney+ chegará em 42 países, sendo 11 territórios da Europa, Ásia Ocidental e África. Em 2 de abril, o streaming tinha 137,7 milhões de assinantes pagantes. E quer continuar subindo, principalmente depois do anúncio da estratégia de oferecer planos com comerciais.

A empresa disse apenas que será mais barato que a versão sem anúncios. Atualmente, o estadunidense desembolsa US$ 7,99 por mês, algo em torno de 40 reais na cotação atual. O que se sabe é que ele será lançado no final de 2022, mas terá uma série de restrições.

Anúncios com álcool, política e concorrentes serão rejeitados por Disney+

Disney+ cresce 33% e planeja estar em 150 países até o final do ano

A assinatura mais barata do Disney+ não assinará qualquer tipo de comercial. Ela rejeitará todos aqueles que contiver álcool, política e streamings rivais, como noticiou a revista Variety no início desta semana.

Os executivos do Disney+ já sinalizaram essa proibição às agências. O conglomerado também avisou que não exibirá comerciais não recomendados quando um programa infantil estiver sendo exibido, por exemplo. Ou quando uma criança estiver assistindo ao conteúdo.

Houve surpresa por parte do mercado quanto às restrições impostas, e alguns apostam que a estratégia pode acabar dando certo com o marketing de escassez. Os anúncios serão veiculados em média quatro minutos por hora ou menos, de acordo com uma fonte da Variety.

Isso significa que o serviço veicularia menos anúncios por hora que o Peacock, da Universal Studios, que foi lançado com a promessa de não veicular mais de cinco minutos de anúncios a cada uma hora. E também seria competitivo com a HBO Max, cujos comerciais são quatro por hora nos Estados Unidos. A carga de comerciais do Disney+ ainda será mais leve que o "irmão" Hulu, que registra de nove a 12 anúncios por hora.

NaTelinha no Google News

Acompanhe as exclusivas da televisão, resumos das novelas, as bombas dos famosos, realitys e muito mais na palma da mão.

Siga-nos
TAGS:
Mais Notícias