Polêmica

Disney se manifesta após funcionários denunciarem apoio da empresa à lei anti-LGBT

O Grupo disse que quer construir uma história inclusiva


Logo da Disney + com fundo azul
O Disney+ divulgou um posicionamento em suas redes sociais - Divulgação

Uma semana após um grupo de funcionários planejar uma paralisação em resposta ao tratamento da Disney e do CEO Bob Chapek sobre o projeto de lei Don't Say Gay (Não Diga Gay), do estado da Flórida, Estados Unidos, a plataforma de streaming da empresa publicou um posicionamento em suas redes sociais. "A Disney+ apoia nossos funcionários, colegas, familiares, contadores de histórias e fãs LGBTQIA+, e denunciamos veementemente toda a legislação que infrinja os direitos humanos básicos das pessoas da comunidade LGBTQIA+, especialmente a legislação que visa e prejudica os jovens e suas famílias", dizia o início do texto.

"Nós nos esforçamos para criar um serviço que reflita o mundo em que vivemos, e nossa esperança é ser uma fonte de histórias inclusivas, empoderadoras e autênticas que nos unam em nossa humanidade compartilhada", finalizava a postagem.

A notícia que o conglomerado estava flertando com uma lei anti-LGBT pegou mal nos bastidores. Funcionários LGBTQUIA+ divulgaram no Twitter um pedido com o fim de financiamento de políticos favoráveis a leis discriminatórias, inclusive relacionado ao governador da Flórida, Ron DeSantis.

O grupo intitulado Disney Do Better Walkout lançou um site oficial com uma carta de exigências e instruções para funcionários também aderirem ao protesto. "Fomos forçados a uma posição impossível e insustentável. Precisamos agora agir para convencer a Disney a proteger seus funcionários e suas famílias diante desse preconceito descarado e sem remorso", disse.

Projeto Don't Say Gay causou polêmica por posição da Disney

Disney se manifesta após funcionários denunciarem apoio da empresa à lei anti-LGBT

Na última semana, veio à tona que Bob Chapek, CEO da Disney, doou US$ 5 milhões (25 milhões de reais na atual cotação) para apoiar o projeto. Desta vez, ele contou que apesar da quantia doada, a própria Disney vinha trabalhando nos bastidores para convencer os senadores a vetarem a lei Don't Say Gay.

Se aprovado, o projeto proibiria a discussão sobre orientação sexual ou identidade de gênero em determinadas séries escolares ou de forma especificada. Dessa forma, a lei iria barrar a instrução sobre orientação sexual e identidade de gênero dentro da sala de aula por funcionários da escola, desde o jardim de infância até a terceira série.

A posição da Disney foi repudiada por Abigail Disney, sobrinha-neta do próprio Walt Disney (1901-1966), além de outros funcionários do conglomerado, como os roteiristas Benjamin Siemon e Bill Motz, por exemplo.

Depois disso, Bob Chapek afirmou que a Disney manterá sua postura contra a lei não só no estado do Flórida, mas também em todo o território estadunidense no intuito de votar projetos parecidos contra os direitos humanos. "Estamos comprometidos em apoiar a comunidade daqui pra frente", sintetizou o CEO.

Participe do nosso grupo e receba as notícias mais quentes do momento.

Ao entrar você está ciente e de acordo com os termos de uso e privacidade do WhatsApp.

Participe do grupo
TAGS:
Mais Notícias