Momentos complicados

Yasmin Brunet relembra relacionamento abusivo e revela depressão: "Fases difíceis"

Modelo explicou como fez para superar ex e doença

 Yasmin Brunet relembra relacionamento abusivo e revela depressão: "Fases difíceis"
Yasmin Brunet. Foto: Reprodução

Redação NT

Publicado em 14/01/2021 às 10:16:00,
atualizado em 14/01/2021 às 10:32:59

Yasmin Brunet usou as redes sociais na noite dessa quarta-feira (13) para desabafar sobre alguns assuntos que a incomoda. A modelo contou que já teve um relacionamento abusivo e que se recuperou com a ajuda de livros de autoajuda. Hoje, namorando o surfista Gabriel Medina, a jovem também recordou da época em que teve depressão e como conseguiu vencer a doença.

continua depois da publicidade

"Verdade! Acho infelizmente que quase todas (senão todas) as mulheres já tiveram algum relacionamento abusivo. Inclusive, recomendo muito um livro para todos que acham que estão em um relacionamento assim ou que gostariam de aprender sobre. Eu acho que todo mundo deveria ler e quem tem filhos e filhas devem conversar sobre isso também", contou Yasmin.

Sobre a depressão, a jovem explicou que, embora já tenha superado a doença, ela sempre fica em alerta para que não fique mal novamente. "Tive fases horríveis e muito difíceis. É uma coisa que fico atenta. A última vez que tive e acabei tratando, não consegui acreditar que estava sentindo isso de novo. É como se do nada seu mundo mudasse. Como se não abrisse mais o sol e tudo fosse escuridão. É uma sensação muito ruim", explicou.

continua depois da publicidade

"Quando ela volta (a depressão) é como se nunca tivesse ido embora de verdade. Mas quando ela vai embora é como se ela nunca tivesse existido. Depressão, ansiedade e todos os outros transtornos, acho que só entende quem tem. Senão, fica bem complicado tentar explicar", afirmou a modelo.

Yasmin Brunet conta curiosidade sobre os cabelos

Yasmin aproveitou para contar uma curiosidade sobre seu cabelo. A modelo explicou que detesta cortar os fios e nem mesmo curte que mexam na cabeça dela.

continua depois da publicidade

"Não gosto muito que fiquem mexendo na minha cabeça. Acho que muita energia entra pela cabeça e, além disso, tenho o couro cabeludo super sensível. Pintar, por exemplo, como demora e são vários processos, sempre dá dor e é muito incômodo. Mas cortar também não é algo que eu amo. Tem que precisar muito e ser na lua certa", disse.