Enfoque NT

Sem profundidade e acelerada, "Malhação" fica engessada com formato canadense

Coluna analisa temporada de "Malhação" inspirada em formato canadense

Fotos: Divulgação/TV Globo

Publicado em 16/06/2018 às 08:15:04

Por: Thiago Forato

Há mais de três meses no ar, "Malhação: Vidas Brasileiras" ainda não disse a que veio na Globo. Com médias por volta dos 15 pontos no Ibope e abaixo de "Viva a Diferença", a trama anda em círculos, é rasa e rápida demais.

A autora Patrícia Morezsohn tem experiência em "Malhação". A temporada 2013 foi de sua autoria. E também uma das mais criticadas dessa décadas. Não é por menos: personagens extremamente caricatos, vilã morna, vilão entrando de gaiato e o núcleo da família da protagonista Anita (Bianca Salgueiro) é o ponto alto da chatice.

Nessa nova experiência de "Vidas Brasileiras", um formato canadense teve que ser adaptado. "30 Vidas" faz a história entrar em rotatividade, onde a cada 15 dias um aluno é o centro dela.

Embora haja assuntos pertinentes, como o da gordofobia, assédio sexual e intolerância religiosa, o formato faz com que as tramas precisem ser encerradas numa quantidade de capítulos não suficiente. O desdobramentos dessas histórias faz com que qualquer tema fique raso.

 

Se não fosse só isso, as situações desenvolvidas para a construção dos temas soam forçadas.

Citando alguns casos, a primeira história onde Kavaco (Gabriel Contente) lidava com problemas familiares e dava sinais de que pudesse estar envolvido com drogas. E estava. No final, seus pais se separaram e ele foi morar com a avó. Ponto.

Na sequência, um caso de assédio sexual de uma aluna por parte de um professor. A polícia sequer foi acionada. Quem tratou de solucionar tudo foi a super Gabriela (Camila Morgado). Verena (Joana Borges), quem sofreu isso tudo, não ficou com nenhuma sequela emocional que seja. Teria ela esquecido?

A intolerância religiosa, tema tão importante e pouco discutido, mostrou Talíssia (Luellen de Castro), que é do Candomblé. Bandidos que atacaram o terreiro de sua mãe foram presos e fim.

Desfechos fáceis, sem um pingo de emoção e apressados para que a solução seja rápida.

Os diálogos, principalmente da professora Gabriela com familiares e alunos, são didáticos e óbvios. Todos veem Gabriela como uma super-heroína capaz de solucionar todos os problemas ou ter uma resposta para eles na ponta da língua.

Nem nomes experientes como Camila Morgado, Ana Beatriz Nogueira, Guta Stresser e Carmo Dalla Vecchia salvam a novela como uma aposta que não deu certo.

"Malhação: Vidas Brasileiras" é um problema desde sua concepção, passando pela narrativa até chegar aos desfechos. Que venha logo a próxima temporada.

Thiago Forato é jornalista, escreve sobre televisão há 13 anos e assina a coluna Enfoque NT há sete, além de matérias e reportagens especiais no NaTelinha. Converse com ele: thiagoforato@natelinha.com.br Twitter: @tforatto



publicidade

LEIA TAMBÉM

publicidade

COMENTÁRIOS

Para comentar na página você deve estar logado com seu perfil no Facebook. Este espaço visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos, de propaganda e que firam a ética e a moral podem ser deletados. Participe!