Reportar erro
Colunas

"Liberdade, Liberdade" tem boa introdução e Mel Maia mais madura

"Enfoque NT" analisa o primeiro capítulo da nova novela da Globo

thiagolacerda-melmaia-leticiasabatella-liberdadeliberdade.jpg
Fotos: Divulgação/TV Globo
Thiago Forato

Publicado em 11/04/2016 às 23:23:23

Estreou nesta segunda-feira (11) a nova novela das onze da Globo, "Liberdade, Liberdade", com texto assinado por Mário Teixeira e direção de Vinícius Coimba.
 
Com a premissa de contar a história de Joaquina (interpretada neste capítulo por Mel Maia), filha de Tiradentes, a trama começou bem, tendo uma correta introdução, com a atriz mirim praticamente "carregando todo o piano" nas costas, se mostrando muito mais segura do que aquela menina, não menos talentosa, de "Avenida Brasil" (2012) ou a encantadora Pérola de "Joia Rara" (2013). Extremamente contundente. 
 
[galeria]
A fotografia, que tem sido um dos pontos altos das novelas da Globo nos últimos anos, novamente tem que ser elogiada. Não só, como toda a questão de reprodução da época, número de figurantes e cenografia. O esmero mostra que a Globo não economizou para dar veracidade à esse momento histórico tão importante do Brasil. 
 
Mateus Solano mostrou, mais uma vez, o grande ator que é na pele de José Maria Rubião, em cenas fortes de tortura e enterrando de vez o Félix de "Amor à Vida". A habilidade de Solano em interpretar papéis tão distintos e exigindo um nível de excelência na interpretação é raro. 
 
 
Não poderia deixar de citar Letícia Sabatella na pele de Antônia Maria do Espírito Santo, que acabou engrandecendo este primeiro capítulo e também Thiago Lacerda na pele de Tiradentes, tendo como ponto alto a cena do enforcamento.
 
 
Marco Ricca também acabou sendo outro grande atrativo como o Mão de Luva, numa caracterização, trejeitos e sotaque bastante diferente de seus últimos personagens em telenovelas. 
 
Com aproximadamente 35 minutos de arte, não há muito o que exigir de um primeiro capítulo. A agilidade dificilmente aconteceria pela complexidade da história. E de fato, o ritmo lento acabou ditando, o que não é uma crítica. Apenas uma necessidade. 
 
 
Thiago Forato é jornalista, escreve sobre televisão há 11 anos e assina a coluna Enfoque NT há cinco, além de matérias e reportagens especiais no NaTelinha. Converse com ele: thiagoforato@natelinha.com.br  |  Twitter: @tforatto
 
Mais Notícias