Reportar erro
Colunas

Diretor Paulo Franco defende terceirização e fala sobre novidades da Record

E mais: Fernando Pelégio fala sobre o SBT; RedeTV! usa Uber e Susana Vieira dá nome à sala de imprensa

paulofranco-record-riocontentmarket2016.jpg
Paulo Franco participou da Rio Content Market nesta última semana
Sandro Nascimento

Publicado em 13/03/2016 às 08:00:00

Em uma entrevista exclusiva e transparente para esta coluna, o diretor artístico e de programação da Rede Record, Paulo Franco, falou pela primeira vez sobre o processo de terceirização da dramaturgia da emissora.

"Na verdade, a gente acredita que cada produtora tem seu perfil, tem a sua especificação. Acreditamos que existem produtoras que saibam produzir melhor do que a gente em determinadas coisas", contou.

Paulo Franco, que está com uma grande expectativa para os novos produtos da emissora em 2016, ainda revelou dificuldades de recuperar os investimentos feitos em "Os Dez Mandamentos". "Tanto sucesso que teve 'Os Dez Mandamentos' e você não conseguir recuperar o investimento através da publicidade e de outras coisas, não dá pra isso acontecer em 2016", contou, justificando a escolha pela terceirização.

O diretor ainda fala sobre o interesse da Record sobre direitos de transmissão do futebol e o Carnaval do Rio de Janeiro. Confira:
 
Qual é a sua expectativa para a segunda temporada de "Os Dez Mandamentos" e sua substituta "Terra Prometida"?

Paulo Franco -
A expectativa é sempre muito grande. A nova temporada de "Os Dez Mandamentos" é uma nova história. Eles saíram do Egito e agora entram em dois reinos, com novos acontecimentos e novos milagres. Se na primeira temporada Moisés abriu o mar, agora ele vai abrir a terra. Depois disso vem "Terra Prometida", que acreditamos muito no sucesso. O telespectador está esperando a continuação desta história, pelo menos é o feedback que temos pelas redes sociais e das pessoas comentando com a gente.

Pela primeira vez, a Record vai exibir uma novela com produção terceirizada. Quais foram as vantagem observadas para adotar este modelo de produção?

Paulo Franco -
Na verdade a gente acredita que cada produtora tem seu perfil, tem a sua especificação. Acreditamos que existem produtoras que saibam produzir melhor do que a gente em determinadas coisas. Inclusive quando eu falo em produzir, não é só em termos de qualidade, mas em termos de gestão de custos. A produtora sempre trabalha com um sistema de produção bem enxuto. Produzir aqui no Brasil e principalmente novela com a qualidade que temos feito, acaba muitas vezes não sendo viável economicamente falando, a gente não consegue recuperar o investimento.

Por exemplo, tanto sucesso que teve "Os Dez Mandamentos" e você não conseguir recuperar o investimento através da publicidade e de outras coisas, não dá pra isso acontecer em 2016. A Record tem procurado esse modelo porque acreditamos muito na capacidade da produtora de realização e de qualidade. Já no ano passado, ela fez "Escrava Mãe" em 4K, a qualidade já assistimos e está superando tudo que a gente já fez e ao mesmo tempo com custos dentro uma realidade mais factível.

Com isso a segunda temporada de "Os Dez Mandamentos" vai sair mais barato pra Record?

Paulo Franco -
Na verdade os custos diretos eles são bem parecidos. Mas no final das contas como é feito por obra, a gente acredita que também vai ter uma certa economia.

A faixa das 20h30 foi consolidada com temáticas bíblicas e "Escrava Mãe" vai abrir o segundo horário de dramaturgia da emissora, às 19h30. Qual será o perfil desta nova faixa de novelas?

Paulo Franco -
"Escrava Mãe" terá 130 capítulos e temos duas sinopses em processo de aprovação, já temos um caminho, mas não podemos revelar porque ainda não decidimos. Mas existe um planejamento para este horário.

Então teremos uma nova novela substituindo "Escrava Mãe"?

Paulo Franco -
Essa é a ideia. Mas não é fácil você produzir duas novelas. Espero que funcione e tenha resultados.

Terceirização é um caminho sem volta?

Paulo Franco -
Depende do caso. A gente continua produzindo muita coisa dentro da Record que não vamos terceirizar. Tirando um ou outro programa, a gente produz toda linha de shows e todo o jornalismo. Temos um polo de produção muito importante e muito forte. Agora em alguns casos, dependendo da situação, vamos optar pela parceria e pela coprodução. Não só para formentar a produção independente, mas também para viabilizar os nossos projetos.

O mercado esportivo está assistindo uma guerra entre o Esporte Interativo e a Globosat pelos direitos de transmissão do Brasileirão. Futebol é um produto interessante para a Record atualmente? Vocês pretende investir no segmento?

Paulo Franco -
O esporte é um dos pilares que a Record sempre vai estar interessada em investir. Temos o diretos da próxima Olimpíada e do próximo Pan-americano. Tudo que representa o esporte a gente sempre vai ter interesse. O difícil muitas vezes é vencer uma concorrência e conseguir os direitos exclusivos. Em algumas oportunidades tentamos, mas não obtivemos sucesso, claro que interessa.

No início do ano, foi comentado muito entre os diretores das escolas de samba a busca de uma nova parceria na transmissão do Carnaval do Rio de Janeiro. A Record também tem interesse em transmitir o evento?

Paulo Franco -
A gente já recebeu no passado recente os representantes das escolas. Interessa porque é uma festa popular que tem um movimento comercial muito interessante. Mas aconteceu a mesma coisa que aconteceu com o futebol, não tivemos êxito. Mas o Carnaval é uma festa interessante para qualquer canal, mas no momento não estamos buscando. Conversamos no passado mas não evoluiu.

Qual é a expectativa para a programação da Record em 2016?

Paulo Franco -
A expectativa é ótima. Dois horários de novelas, reality shows, sendo dois com Buddy Valastro. Ele vai comandar a segunda de "A Batalha dos Confeiteiros" e o "Cozinha em Guerra", que é uma competição com casais. Teremos o "Power Couple", que também é com casais que começamos a gravar com elenco maravilhoso e tá ficando muito bom.

Outro destaque é a estreia de Fábio Porchat no segundo semestre. Estamos bem confiantes nessa grade, acho que está bem homogênea, tem de tudo um pouco, tem as Olimpíadas, tem a cobertura das eleições, ou seja, tá com uma grade completa capaz de agradar todo tipo de público.

SBT vai investir no seu primetime em 2016

No próximo dia 20 de março, domingo, o SBT vai começar a veicular uma vinheta em comemoração aos seus 35 anos de existência.

Para comemorar a data, que será completada em 19 de agosto, a emissora promete fortes investimentos em sua programação no primetime. Seus diretores fazem segredo sobre o assunto, mas confirmam grandes novidades para a faixa.

SBT descarta terceirizar produção de novelas

Ao contrário da Record, que terá duas novelas em 2016 com produção terceirizada, os diretores do SBT não pensam em seguir o mesmo caminho para a produção de dramaturgia na emissora.

Numa conversa com o diretor de planejamento artístico e criação do SBT, Fernando Pelégio, durante a Rio Content Market, feira sobre conteúdo audiovisual que aconteceu durante esta última semana no Rio de Janeiro, ele falou sobre o tema e outros assuntos.

"Neste momento não, vamos seguir o modelo de negócio atual. Se algum momento a gente sentir que é melhor terceirizar, não tem problema em adotar a mudança. Mas por enquanto não tem nada que aponte que terceirizar é melhor", diz o diretor.

Sobre uma possível transmissão de futebol no SBT, Pelégio contou que só se for exclusivo: "Estamos abertos a oportunidades, mas a gente não quer compartilhar, não queremos a segunda janela, não é interessante para o SBT".

Para o diretor, os filmes ainda terão grande espaço na programação da TV aberta, mas os estúdios não podem querer cobrar os mesmo valores de 20 anos atrás, quando não existia tantas plataformas para exibição.

Fernando Pelégio também criticou a restrição de publicidade nos programas infantis. "Nós não vamos abandonar as crianças. Mas foram as restrições comerciais que levaram a Globo e a Record a abandonarem o conteúdo infantil, que é um pecado. Se o SBT abandonar a programação para as crianças, praticamente nenhuma tevê aberta vai entreter a criança. Com isso, ela vai começar a assistir conteúdo adulto, será que isso é legal? Na minha concepção é um erro essas amarras que estão criando no merchandising infantil. O efeito colateral é você colocar a criança que não vai deixar de assistir a TV aberta, consumindo produtos que não são destinados à elas, é uma pena. Ao invés de estarem fazendo um bem, é um mal danado essas amarras comercias", finalizou.

Jornalistas estão revoltados na RedeTV!

A RedeTV! passou a trabalhar desde fevereiro com o serviço dos carros da Uber, cancelando seus veículos de reportagens.

O grande problema é que o uso é racionado e diversos profissionais estão sendo obrigados a pagar táxi do próprio bolso e não estão sendo ressarcidos. Para economizar, repórteres e cinegrafista estão voltando de trem, ônibus e metrô para a redação. É a velha história: quem decide é justamente quem não vai para a rua.

Apresentador do SporTV vira dono de gastrobar no Rio

O apresentador do SporTV Thiago Oliveira virou sócio do Creative Gastrobar, no Rio. O local, que já tem no comando os uruguaios Fabian Martinez e Diego Speranza, vem se  destacando pela boa qualidade e preços acessíveis.

Canal Curta estuda demitir parte da equipe

O canal Curta, presente em todas as grandes operadoras de TV paga no país com exceção da Sky, recebeu uma triste notícia que pegou de surpresa todos os seus diretores na última semana.
 
Com a fusão da operadora GVT com a Vivo TV, os representantes destas empresas informaram ao canal sobre a descontinuidade da sua programação em suas grades. O motivo alegado  foi que devido à alta do dólar, os custos com os canais estrangeiros aumentaram muito e por este motivo substituiriam o Curta por um outro mais barato.

O Curta teve crescimento no país em 2014, depois da aprovação da lei de cotas que obriga a veiculação de conteúdo brasileiro na TV paga. Com a decisão da GVT/Vivo TV, serão um milhão e meio de assinantes que deixarão de receber o sinal do canal, que consequentemente terá menos dinheiro em caixa. Para equalizar suas contas, o Curta estuda demitir parte dos seus funcionários.

Os diretores da emissora estudam uma contraproposta da GVT/Vivo TV, de colocar o sinal no sistema à la carte pelo preço de 2 reais. Atualmente, o canal recebe 12 centavos por assinante.

Apresentadora Mariana Leão se surpreende com sua filha

Mariana Leão, apresentadora do "Melhor pra Você", da RedeTV!, descobriu que tem uma militante contra a corrupção dentro de casa. Ela ficou surpresa com a reação da filha Luisa, de três anos, depois de explicar à ela o motivo do panelaço nas janelas e varandas dos prédios do bairro nobre onde moram em São Paulo.

A menina ficou revoltada e gravou um recado para os "policos" corruptos. O vídeo está no canal do YouTube do padrinho, o jornalista Fábio Ramalho. Veja aqui.

Susana Veira ganha sala de imprensa com seu nome no Rio

A direção da maior casa de shows da América Latina, o Barra Music, inaugurou na última sexta-feira (11) uma nova sala de imprensa, batizada de "Sala de imprensa Susana Vieira".

A atriz deu um toque especial á sala dos jornalistas, enviando orquídeas do seu jardim para a decoração do local que foi muito elogiado pela classe.

A atitude da nova diretora artística do Barra Music, Priscilla Costa, merece elogios e um exemplo que deve ser seguido por outras casas de espetáculos do país. No próximo dia 17 de março tem Wesley Safadão no local.
 

Mais Notícias