Reportar erro
Colunas

NT Internacional: Filmes perdem espaço na TV aberta; e lá fora?

Tendência ganha força no Brasil, mas não é nada inédita

38cb5e4f06ccfa35fe89bcf3ef59f063.jpg
Sessões de filmes deixaram de ser regulares na TV norte-americana ainda nos anos 1990
Redação NT

Publicado em 07/10/2013 às 15:50:12

Uma tendência que pode ser cada vez mais observada com clareza nos canais de TV aberta no Brasil é a diminuição de espaço e de prestígio das sessões de filmes em suas grades de programação.

Com os títulos inéditos cada vez mais chegando à TV aberta esvaziados do fator novidade, graças à popularização da TV por assinatura, video on-demand e do download pela internet, a Rede Globo já muda horários de sessões consagradas para favorecer programas próprios (inclusive as transferindo para a madrugada, como o "Supercine" e o "Domingo Maior"), além de penar com índices baixos nas poucas sessões ainda veiculadas em horários de destaque, a "Tela Quente" e a "Sessão da Tarde". O SBT, enquanto isso, com suas três sessões de filmes em horário nobre, já estuda encerrar um contrato de anos com a distribuidora Warner por não compensar mais aos dois lados.

Com estes movimentos cada vez mais claros na tela do espectador, já se pode esperar que o destino das sessões de cinema seja a extinção - e isso se comprova até pelo exemplo da TV norte-americana, justo o país que é berço da maior parte dos filmes que chegam por aqui.

Não há sessões de filmes na grade da TV aberta dos EUA em exibição regular desde meados da década de 1990, justamente em razão da perda de prestígio e de público em relação aos canais especializados na TV paga. Hoje, a exibição de títulos de cinema por parte de canais como a NBC, ABC, FOX e CBS é esporádica, apenas em casos especiais e em épocas do ano de baixo retorno de audiência que não justifique a exibição de programas próprios e inéditos.

A exibição de longas deixou o status de sessão semanal para adquirir a identidade de "evento", exibição especial para um canal de televisão. O que inclusive pode ser visto como uma valorização do espaço da grade de programação: um filme ocuparia o espaço de duas ou até quatro séries de TV que, se boas e bem divulgadas, podem dar um retorno mais satisfatório até mesmo se forem apenas reprises.

Bastando uma pesquisa mais aprofundada, fenômeno semelhante pode ser observado também em diversos outros países, dependendo da força da TV por assinatura local.

Por incrível que pareça, por aqui a Rede Record já parece, aos poucos, seguir um caminho similar. Aos poucos, ela se convenciona a escalar filmes na sua grade apenas para ocupar buracos vazios na programação, como o deixado pela saída do programa "O Melhor do Brasil" aos sábados e com o término de "A Fazenda", tornando-os um visível tapa-buraco. Tendo pronto um produto minimamente mais relevante para o horário, a sessão sai do ar de imediato.

A longo prazo, até com o fortalecimento e a descentralização de produção para ficção na TV (seja por programas, séries e novelas), já se pode vislumbrar que o caminho que os canais brasileiros vão seguir no futuro em relação ao fim das sessões de filmes não seja muito diferente da TV americana. E, acreditem, isso é pra lá de positivo.

Fim da linha

O polêmico projeto de minissérie anunciado pela NBC sobre a ex-secretária de estado norte-americana Hillary Clinton, sobre o qual já foi falado em coluna anterior em agosto, subiu no telhado.
Desgastado pela pressão política republicana, que considerava o projeto tendencioso para favorecer a virtual candidata a sucessão presidencial nos EUA, o canal optou por anunciar, em comunicado na última semana, o abandono da produção que seria protagonizada por Diane Lane.

Coincidência ou não, no mesmo dia em que a minissérie foi cancelada, tornou-se público que o documentário sobre Hillary que seria produzido para a CNN Films também foi abortado. Em coluna para o site "Huffington Post", Charles Ferguson, que seria o diretor do projeto, discorreu em detalhes sobre a questão e confirmou que a falta de apoio para a produção, tanto de republicanos quanto de democratas - aliados de Hillary -  foi crucial para que o projeto não seguisse em frente.

Atualização

O Disney Channel tem planos de lançar uma nova versão de "O Mundo é dos Jovens" (Boy Meets World), série de sucesso dos anos 1990. A ideia é que a nova produção, que circula com o título "Girl Meets World", seja uma sequência da original centrada nos filhos dos protagonistas originais, Cory e Topanga Matthews (interpretados por Ben Savage e Danielle Fishel).
 


Cena do piloto de "Girl Meets World": Disney pediu modificações antes de aprovar a série
Divulgação


O projeto já está adiantado e passa pela fase de aprovação do piloto - que já foi avaliado pela Disney e passará por alterações antes de ter sua produção efetivamente iniciada. Entre as mudanças criativas impostas pelo canal, uma das mais expressivas é a eliminação de um dos personagens principais apresentados nesta primeira versão do piloto. Elliot (Teo Halm) seria o irmão mais velho de Riley (Rowan Blanchard), a "Girl" do título original. Tal como Cory em "O Mundo é dos Jovens", Riley seria a filha do meio do casal, mas a coincidência, ao que parece, foi vetada pelos executivos. Com isso, parte da dinâmica da nova série deverá ser revista.

Por ora, a série tem previsão de estréia nos EUA em 2014, ainda sem data certa definida.

Em tempo

- Dois anos depois de sua exibição original no Brasil, a novela "Cordel Encantado" enfim será exibida em Portugal. Ela integrará a grade do canal básico local da Globo, veiculado através da operadora de TV por assinatura Zon, a partir do dia 27 de outubro, na faixa das 20h. E "Saramandaia", atualmente já veiculada por lá pelo sinal premium da Globo, também ocupará o horário das 22h do canal básico a partir de 14 de outubro.

- Em Portugal, diferentemente de seu sinal internacional em outros países, a Globo divide sua grade em dois canais pagos, um básico e outro premium. No entanto, como a emissora tem uma parceria antiga com o canal aberto SIC para veicular novelas inéditas, o sinal pago não pode as exibir ao mesmo tempo do Brasil e opta por lançar localmente reprises e novelas que não serão aproveitadas no sinal aberto português.

- Atualmente, a Globo Portugal básica exibe quatro faixas de dramaturgia: 19h ("O Cravo e a Rosa"), 20h ("A Vida da Gente"), 21h (a portuguesa "Laços de Sangue") e 22h ("A Casa das Sete Mulheres"). Já a versão "premium" do canal exibe novelas antigas em horários alternativos: "Da Cor do Pecado" (às 11 da manhã), "Uga Uga" (às 20h) e "Porto dos Milagres" (à meia-noite), além da atual temporada de "Malhação" e de "Saramandaia", exibida por lá desde meados de julho.


Pesquisador e produtor de projetos para televisão e cinema, Fábio Mendes traz para o NaTelinha as novidades e destaques das programações televisivas pelo mundo. Fale com ele pelo twitter: @fabio_menDS

Mais Notícias