Inquérito

Adrilles e Jovem Pan são investigados pelo Ministério Público e podem pagar indenização

Um suposto gesto nazista motivou a investigação


Adrilles Jorge fazendo suposto gesto nazista
Adrilles Jorge fez suposto gesto nazista ao vivo - Reprodução/Jovem Pan News
Por Redação NT

Publicado em 14/02/2022 às 16:08:13,
atualizado em 14/02/2022 às 16:15:42

Adrilles Jorge e a Jovem Pan passaram a ser investigados nessa semana em um novo inquérito do Ministério Público de São Paulo, agora, na esfera cível, por suspeita de apologia do nazismo e dano social e moral coletivo contra a comunidade judaica. Caso sejam condenados, o comentarista e a emissora podem pagar indenizações e o dinheiro seria destinado a entidades que combatem discriminação e ódio.

Na última quarta-feira (9), o Grupo Especial de Combate aos Crimes Raciais e de Inteligência (Gecradi) do Ministério Público abriu um inquérito, no âmbito criminal, para investigar Adrilles por apologia do nazismo. No dia anterior, ao vivo, na Jovem Pan News, o ex-BBB debateu com outro comentarista e um apresentador as declarações do influencer Bruno Aib, conhecido como Monark, que um dia antes foi demitido do Flow Podcast, canal de entrevistas na internet, por defender que existisse um partido nazista, o que é proibido por lei. No fim da atração, ao se despedir, Adrilles fez um gesto com a mão direita espalmada similar ao "sieg heil" ("salve a vitória" numa tradução do alemão para português) adotado pelo então líder nazista Adolf Hitler, o que repercutiu nas redes sociais e ofendeu a Confederação Israelita do Brasil (Conib). Ela emitiu um comunicado no qual "condena estarrecida o gesto repugnante de saudação nazista feito pelo apresentador Adrilles Jorge em programa da Jovem Pan."

O ex-comentarista usou suas redes sociais para se defender e alegou que havia dado "um tchau" que foi "deturpado por canceladores", mas foi demitido pela Jovem Pan, que afirmou que "repudia qualquer manifestação em defesa do nazismo". Se for condenado neste inquérito, no âmbito criminal, ele poderá receber uma pena de 1 a 5 anos de prisão ou pagamento de multa.

Ministério Público investiga Adrilles Jorge e Jovem Pan

Já na sexta-feira (11), a Promotoria de Direitos Humanos do Ministério Público abriu um inquérito civil contra Adrilles e a Jovem Pan. O ex-comentarista e os responsáveis pela empresa são investigados por "possível apologia ao nazismo" pelo "gesto nazista" feito durante transmissão na TV, o que é uma "conduta proibida pelo ordenamento jurídico brasileiro", principalmente pelo que ele representa, que é a "discriminação contra judeus" e outras minorias, segundo informações do G1. 

"Há indícios da prática de gesto nazista por parte Adrilles Reis Jorge, reconhecido, inclusive, pela sua empregadora", escreveu o promotor Reynaldo Mapelli Júnior na portaria que instaurou o inquérito.

"Esse gesto pode representar apologia ao nazismo o que teria, em si, conteúdo racista, antissemita e altamente discriminatório contra diversas minorias, uma vez que, como bem se sabe, o regime nazista também perseguiu pessoas com deficiência, LGBTQIA+, ciganos e outros".

Ainda segundo o promotor, a emissora deve aperfeiçoar o controle interno para capacitar os colaboradores e evitar esse tipo de situação. "Necessidade de a Jovem Pan prestar esclarecimentos e indicar quais as medidas internas realizadas para impedir a promoção de discursos de ódio através de seus canais (compliance em direitos humanos)", escreveu o representante do MP.

A portaria ainda pede que a Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância (Decradi) da Polícia Civil abra inquérito para investigar Adrilles e os responsáveis pela Jovem Pan pelo crime de apologia do nazismo.

Procurada pelo NaTelinha, a Jovem Pan preferiu não se manifestar.

Participe do nosso grupo e receba as notícias mais quentes do momento.

Ao entrar você está ciente e de acordo com os termos de uso e privacidade do WhatsApp.

Participe do grupo
Mais Notícias