Covid-19

Bolsonaro com coronavírus: ABI aciona STF e sindicato pede afastamento de repórteres

Presidente reuniu três emissoras de TV para informar que teste para doença deu positivo

Bolsonaro com coronavírus: ABI aciona STF e sindicato pede afastamento de repórteres
Em entrevista a TV Brasil, CNN Brasil e Record, o presidente Jair Bolsonaro anuncia que está com coronavírus

Publicado em 07/07/2020 às 21:59:26 ,
atualizado em 08/07/2020 às 16:04:23

Por: Paulo Pacheco

A ABI (Associação Brasileira de Imprensa) informou que ingressará com uma notícia-crime no STF (Supremo Tribunal Federal) contra o presidente Jair Bolsonaro. Segundo a entidade, ele infringiu o Código Penal ao expor jornalistas ao novo coronavírus, durante entrevista em que anunciou o diagnóstico positivo para Covid-19.

A nota "Bolsonaro comete mais um crime", assinada pelo presidente da instituição, Paulo Jeronimo de Sousa, ressalta que o chefe do Executivo "esteve próximo dos jornalistas e chegou a retirar a máscara".

"Não é possível que o país assista sem reação a sucessivos comportamentos que vão além da irresponsabilidade e configuram claros crimes contra a saúde pública", diz a nota.

Para a ABI, Bolsonaro infringiu dois artigos do Código Penal: o 131 ("Praticar, com o fim de transmitir a outrem moléstia grave de que está contaminado, ato capaz de produzir o contágio. Pena: reclusão, de um a quatro anos, e multa") e o 132 ("Prevê pena de detenção de três meses a um ano para quem expuser 'a vida ou a saúde de outrem a perigo direto e iminente'").

O Sindicato dos Jornalistas Profissionais do DF (SJPDF) divulgou nota em que também critica o presidente por ter colocado em risco as equipes jornalísticas que participaram da entrevista. O governo convidou, além da TV Brasil (com a repórter Luciana Collares), a Record (representada por Thiago Nolasco) e CNN Brasil (com Leandro Magalhães).

"Por que o presidente não solicitou que um médico o fizesse? E qual será a postura daqui para frente? Já estamos oficiando as empresas jornalísticas para que suspendam a cobertura presencial no Palácio [da Alvorada]. Também solicitamos às empresas que testem e afastem todos os profissionais que estiveram expostos, nos últimos 10 dias, às coberturas que tiveram contato com o presidente da República, ministros e outros membros do governo", diz a nota do sindicato, que cogita processar Bolsonaro se algum profissional de imprensa que o entrevistou nos últimos dias for infectado pela Covid-19.

"Caso haja teste positivo em jornalistas, com a possibilidade dada a partir de tais contatos, não descartamos acionar o presidente da República na Justiça", finalizou o órgão.

TV Brasil, CNN Brasil e a Record afastaram os repórteres e cinegrafistas que se aproximaram de Bolsonaro nesta terça.





LEIA TAMBÉM

COMENTÁRIOS

Para comentar na página você deve estar logado com seu perfil no Facebook. Este espaço visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos, de propaganda e que firam a ética e a moral podem ser deletados. Participe!