Reportar
erro
Cana

Como Bonner informará a prisão de Queiroz? Veja os melhores memes

Ex-assessor de Flavio Bolsonaro, Fabrício Queiroz foi preso na manhã de hoje


William Bonner e Flavio Bolsonaro
William Bonner noticiará prisão de ex-assessor de Flavio Bolsonaro hoje à noite
Por Redação NT

Publicado em 18/06/2020 às 13:30:38

A prisão de Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flavio Bolsonaro, na manhã desta quinta-feira (18) gerou expectativas e memes por conta dos internautas. Tudo porque muitos estão se perguntando como William Bonner, âncora do Jornal Nacional, dará a notícia na noite de hoje.

"Hoje William Bonner apresenta o JN sem camisa e segurando uma garrafa de catuaba", exagerou um internauta. "Hoje o Bonner vai chegar na bancada do JN pilotando uma Harley Davidson", se divertiu mais um.

Confira as melhores reações:

Bonner e a perseguição política

No final de maio, Bonner concedeu uma entrevista ao Conversa com Bial revelou que vem sofrendo perseguição política.

Em 2016, Bonner relatou que vivia períodos difíceis. Seu pai estava doente e todos os finais de semana, até sua morte, teve que ir a São Paulo de carro, pelo medo de ir de avião, pois segundo o jornalista, já era um tempo de muita hostilidade e risco para ele devido ao conteúdo político do Jornal Nacional, que dividia opiniões.

Ele encerrou a entrevista dizendo que tem que ter gratidão pelo carinho do público. "Isso é pra vida. Por isso hoje quando alguém chega com um celular e diz 'posso te incomodar?'. Não incomoda de jeito nenhum", sorriu.

Por ser o principal jornalista do Brasil, ele reconhece que a melhor maneira de se proteger é ficando o máximo possível em casa. “Eu tenho consciência que sou um símbolo. O que pra nós foi o Cid Moreira, nosso querido Cid Moreira, eu sou hoje pra alguns tantos milhões de brasileiros”, começou. “Eu sou o JN pra essas pessoas. E se eu sou o JN, eu sou o jornalismo da Globo. Eu sou a Globo, eu sou o jornalismo, eu sou a mídia, eu simbolizo muitas coisas pra muitas pessoas que não me conhecem”, continuou.

“A polarização chegou a um ponto em que minha presença em determinados locais públicos era motivadora de tensões. Quando eu percebi isso, percebi isso de maneira ruim, dentro de farmácia. Fui agredido verbalmente, insultado, desafiado”, explicou o jornalista.

O jornalista explicou que, desde 2018, ele vem em uma espécie de “isolamento social. “As minhas bochechas mostram que a minha quarentena não começou há dois meses. Minha quarentena começou no ano eleitoral de 2018”, declarou. “Tem gente hoje me aplaudindo que estava há dois, três anos, me xingando. E, tem pessoas que hoje estão me xingando que há dois ou três anos batiam palmas”, ressaltou.

 

Mais Notícias