Exclusivo

"Aprendi a ser atriz com a Bruna Surfistinha", diz Maria Bopp sobre série da Fox

Me Chama de Bruna chega a sua quarta e última temporada na Fox Premium

Maria Boop volta como Bruna Surfistinha em série da Foz - Divulgação

Publicado em 17/12/2019 às 05:59:11

Por: Taty Bruzzi

Produzida pelo Fox Premium, Me Chama de Bruna estreou sua quarta temporada na última sexta-feira (13). Protagonizada por Maria Bopp, a atriz disse em conversa exclusiva com o NaTelinha que torcia, mas não imaginava que a produção chegasse tão longe já que no Brasil as séries não costumam ser longas.

Em 2015, ela foi convidada para ser Bruna Surfistinha na TV e confessa que o projeto como um todo foi bem desafiador. Curiosamente, as cenas de nudez e sexo não foram sua maior dificuldade. "Foi uma barreira atravessada!”, comemora.

"Eu aprendi a atuar com a Bruna. Na pele dela, no Set, com os atores maravilhosos com os quais tive a sorte de trabalhar nesses quatro anos. Eu aprendi na marra, mesmo", diz Maria que tem formação em Audiovisual.

Segundo a atriz, a série lhe obrigou a encontrar pontos de ligação entre ela e o papel. "Me abri para este mundo novo, não julgar a personagem", dita. "A construção sofisticada de uma personagem, de uma história com tema tão polêmico", analisa.

Com direção de Calvito Leal e Duda Vaisman, além de novos personagens a atual temporada foca em uma Bruna em busca de uma vida normal e estável depois de ter chegado lá em cima e sofrido forte queda.

"Nós confrontamos a Bruna com o fato de ela ser uma figura pública e a responsabilidade que ela tem com isso. E tocamos em temas que são espinhosos e complexos, mas muito importantes no Brasil de hoje", adianta Vaisman.

Exportada para mais de 50 países, Duda aponta como segredo para o sucesso da série explorar uma personagem da vida real para a ficção. "É uma personagem com a qual o público se identifica", opina.

"Ela erra muito, acerta, se joga nas histórias que vive. É uma personagem que não tem amarras e é conduzida de uma forma brilhante pela Maria Bopp”, elogia. “E o outro ponto é sempre tratar de temas que são muito relevantes para o momento que a gente vive", complementa um dos diretores.

Calvito Leal completa a fala do colega destacando, além de tudo, a mensagem que a história apresenta. "A jornada é ascensão x queda, mas não é amargo porque é uma pessoa encontrando a sua essência e o seu espaço na sociedade. Ela quer ser respeitada pelo que ela é, pela diferença dela e da forma que ela é", sinaliza.

Maria se tornou amiga da verdadeira Bruna Surfistinha

Sobre as mudanças que a atual temporada traz, Maria Bopp conta que ao invés de ousada, ela analisa a Bruna mais contida e com outras perspectivas, e afirma que o telespectador verá uma Bruna cujo interesse maior é largar a prostituição e formar uma família.

"Como qualquer prostituta da vida real", compara. "Conversei com muitas garotas e o discurso delas é sempre o mesmo, de que a prostituição não tem vida longa. Elas não se imaginam fazendo isso a vida toda", ressalta.

"E eu acho que esses questionamentos começam a surgir na cabeça da Bruna nesta quarta temporada. Eu não acho ela mais ousada, acho mais consciente, mais pé no chão", adianta a atriz.

Maria revela ter conhecido a Rachel Pacheco assim que foi chamada para interpretá-la na TV e as duas acabaram se tornando amigas nesses quatro anos. Entretanto, nega que ela tenha influenciado de alguma forma em sua atuação ou na série.

"Adoro a Rachel! É uma pessoa incrível, sensível, talentosa e que escreve muito bem. Eu gosto muito da sua presença e energia", elogia Maria. "Nesta última temporada, filmamos em São Paulo as últimas cenas e a Rachel apareceu de surpresa no Set para me dar um abraço e começamos a chorar. Tem muito carinho e admiração entre a gente", confessa.

Para compor a personagem-título, a atriz buscou referências em documentários e séries sobre prostituição, além do livro "O Doce Veneno do Escorpião", autobiografia escrita por Rachel Pacheco.

A protagonista diz ter assistido também ao filme "Bruna Surfistinha", tendo Deborah Secco como estrela principal, mas descarta qualquer semelhança entre sua atuação e a da atriz da TV Globo.

"Gosto muito do trabalho da Deborah [Secco], acho ela uma atriz absurda, mas a série é bastante diferente do filme. Tendo formatos diferentes, por consequência a minha Bruna é diferente da dela", opina.

Ao ser indagada sobre mudanças em sua vida depois deste papel, Maria volta a tocar no ponto de que se tornou atriz através da Bruna. Passados quatro anos, ela se sente mais madura e pronta para novos desafios.

"Vejo eu e a Bruna em uma curva, crescendo juntas, ela com a profissão dela e eu com a minha. Obviamente, como atriz eu me sinto mais confiante, mas tendo muito mais a aprender, com mais personagens para explorar", prevê.

A atriz adianta que a atual temporada é o desfecho de uma história que começou há quatro anos. Tanto que leu e releu o livro escrito pela Rachel mais de uma vez justamente por causa das mudanças da personagem durante esse período.

"Não se deve dizer nunca, talvez ela [Bruna] volte mais para frente, mas a princípio a gente vê como um fechamento", afirma. Para finalizar, Maria adianta ter novos projetos em vista. "Sim, tenho, mas nada a curto prazo", conclui.



Melhores do Ano NaTelinha 2019: Vote e eleja os destaques do ano na televisão!


publicidade

LEIA TAMBÉM

publicidade

COMENTÁRIOS

Para comentar na página você deve estar logado com seu perfil no Facebook. Este espaço visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos, de propaganda e que firam a ética e a moral podem ser deletados. Participe!