Reportar erro
Exclusivo

Mesmo com pressão de atores, Record mantém gravações de Gênesis na pandemia

Emissora seguirá o cronograma

Bastidores das gravações de Gênesis
Gênesis seguirá com suas gravações - Foto: Divulgação/Record
Naian Lucas, com Sandro Nascimento

Publicado em 31/03/2021 às 15:27:00,
atualizado em 31/03/2021 às 15:37:11

Mesmo com recordes de mortes por Covid-19 e pressão dos atores, no início da tarde desta quarta-feira (31), a Record informou aos funcionários que não paralisará as gravações de Gênesis. Os profissionais do folhetim bíblico estão preocupados com o caos que vive o estado do Rio de Janeiro – e quase todo o país – e que ocorra uma propagação da doença entre o elenco. Nos bastidores, a direção da emissora tem dito que confia no rígido protocolo que foi adotado nos estúdios, apesar de haver muita reclamação e temor entre os funcionários, principalmente no longo espaço para fazer testes do coronavírus.

Conforme apurou o NaTelinha, os números de casos e óbitos deixaram a equipe da produção em pânico e eles tinham expectativa para que o trabalho fosse paralisado como fez a Globo. Entretanto, a Record optou por continuar as filmagens e deixou os funcionários bem assustados. Os atores que possuem maior visibilidade e peso passaram a conversar com a direção, com o objetivo de convencê-los da paralisação. Teve até entrega de uma carta assinada pelos agentes dos artistas da trama aos executivos do canal. O apelo não surtiu efeito e a decisão é de continuar o cronograma.

A intransigência da Record deixou os artistas desconfortáveis. Eles deixam muito claro que querem trabalhar, mas estão com medo de serem contaminados e, principalmente, que funcionários sem visibilidade – maquiadores e figurinistas, por exemplo – fiquem doentes.

Mesmo com a direção dizendo que o protocolo é seguro e rígido, há insatisfação do elenco em relação aos testes da doença serem feitos a cada 15 dias, período considerado longo demais. A Globo, por exemplo, determinou que cada profissional tem que passar pelo exame do cotonete (PCR) contra a Covid-19 a cada cinco dias.

Outro ponto que tem incomodado é a questão das filmagens com aglomerações. Inclusive, nesta quarta-feira (31), estão sendo gravadas cenas de lutas, que aumenta o contato e também o uso de figurantes. Mesmo sem terem vacinados, atores do grupo de risco estão participando das gravações normalmente.

Nos próximos quatro dias – quinta (1°), sexta-feira (2), sábado (3) e domingo (4)– os trabalhos não vão acontecer por causa do feriado de Sexta-feira Santa e o Sábado de Aleluia. Contudo, o trabalho será retomado já na segunda (5), de acordo com comunicado enviado nesta quarta à equipe da novela.

Procurada pelo NaTelinha, a assessoria de comunicação da Record não se posicionou até a publicação desta reportagem. Caso o canal se manifeste, a matéria será atualizada.

Record na contramão da Globo

Mesmo com pressão de atores, Record mantém gravações de Gênesis na pandemia

A Record foi o primeiro canal a retomar os trabalhos de gravações de novelas e exibir capítulos inéditos com Amor Sem Igual (2020-2021). A Globo, em compensação, iniciou as filmagens no mesmo período, mas em um ritmo mais lento e esperou todos os capítulos de Amor de Mãe e Salve-se Quem Puder serem finalizados para levarem ao ar.

Com o agravamento da pandemia, o canal precisou diminuir o ritmo de gravações novamente, dispensou os atores acima de 60 anos e escolheu Império (2014-2015) para entrar no lugar da trama de Manuela Dias. Com os recordes de mortes e colapso no sistema de saúde, mesmo seguindo rígidos protocolos contra a doença, desde o dia 23 de março, como antecipado em primeira mão pelo NaTelinha, a emissora optou por suspender novamente os trabalhos.

O SBT suspendeu as filmagens de novelas no ano passado e só vai voltar a produzir folhetins quando boa parte dos profissionais estiver vacinada. Isso significa que apenas a Record segue com o trabalho na área de dramaturgia.

Covid-19 no Rio de Janeiro

Mesmo com pressão de atores, Record mantém gravações de Gênesis na pandemia

Nos últimos dias, o número de pessoas esperando um leito de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) para se tratar da Covid-19 no Estado do Rio de Janeiro é de mais de 700 pessoas, segundo dados da Secretaria estadual de Saúde. É o pior momento do sistema de saúde fluminense desde o começo da pandemia.

Entre os 92 municípios, 16 estão com a ocupação de UTI em 100% e 16 passaram dos 90%. A capital, por exemplo, está em torno de 95%. Desde sexta-feira (26), o estado está em um Super Feriado, que vai até o dia 4 de abril. A medida é para diminuir a quantidade de casos do novo coronavírus.