Reportar erro
Notícias

Professor Girafales de "Chaves" receberá ajuda após reclamação pública

professorgirafales.jpg
Divulgação
Eduardo Rangel

Publicado em 17/06/2015 às 10:13:07

Depois de reclamar através de uma carta aberta na internet sobre a ANDA (Associação Nacional de Atores) do México, o ator Rubén Aguirre, de 81 anos, conhecido mundialmente por ter interpretado o personagem Professor Girafales no seriado mexicano “Chaves”, receberá ajuda do órgão.

Rubén reclamou que a associação não está ajudando a pagar os custos médicos dele e de sua esposa. O eterno Professor Girafales está sofrendo de doenças próprias de sua idade, além de ser diabético crônico.

Em entrevista ao portal de notícias mexicano TV Notas, o secretário de interiores e exteriores da ANDA, Rafael Inclán, negou que tenha sido omisso com o caso e disse que está à inteira disposição para ajudá-lo no que for preciso. “A dívida dele no hospital é muito alta, mas ele merece pelos anos que ajudou a associação”, comentou.

Rafael também afirmou que Rubén deve cinco meses de repasse à ANDA, mas disse que isso não será problema para o pagamento das dívidas no hospital.

Verónica Aguirre, filha do ator, concedeu entrevista ao programa “Ventaenado”, da TV Azteca, e disse que seu pai está muito doente e decepcionado com o seu sindicato.

“Ele está muito doente. Tem problemas crônicos da sua idade. É diabético há muito tempo, já operou a coluna e as costas dele doem muito. Meu pai é um homem depressivo, está muito triste com o sindicato. Ele tem uma dívida de apenas cinco meses, mas em questão de saúde, não tem como esperar”, comentou Verónica.

Até a madrugada desta quarta-feira (17), a Associação Nacional de Atores do México ainda não tinha ido ao hospital pagar a dívida de Rubén Aguirre, que gira em torno de 20 mil reais.

[galeria]

Veja trechos da carta:

"E agora, quem poderá me defender?
 
Como muitos de vocês sabem, nos últimos tempos meu estado de saúde e de minha esposa se debilitaram. Há dez anos vivemos em Puerto Vallarta por estrita prescrição médica.
 
É meu desejo fazer a opinião pública conhecer o desinteresse de meu sindicato, a ANDA, em cumprir suas obrigações comigo e com minha esposa; no caso, prestar efetivamente uma atenção médica digna, a qual temos direito depois de ter cumprido como associado com minhas cotas e demais obrigações.
 
Que ironia: tenho que recorrer ao meu sindicato para que defenda e reivindique meus direitos como trabalhador e, no entanto, é meu sindicato que me dá às costas, que assume sempre um discurso demagógico e me põe travas burocráticas, que me obrigou a buscar alternativas para minha atenção médica. É claro: trata-se de não cumprir.
 
Sirva essa carta aberta para fazer responsável a Associação Nacional de Atores do detrimento da minha saúde e da minha esposa, e das consequências que essa desatenção derivam.
 
Lamento profundamente não ver o fim dessa história dos sindicatos do México, reflexo da cultura da fraude e da imoralidade".