Ganhou fácil

Streaming ganha de goleada da TV por assinatura na preferência do público na quarentena

Plataformas foram muito mais procuradas que TV por Assinatura como opção de lazer

Streaming ganha de goleada da TV por assinatura na preferência do público na quarentena
Serviços de streaming tiveram muito mais procura que a TV por assinatura na quarentena - Foto: Divulgação

Publicado em 01/05/2020 às 07:17:27 ,
atualizado em 01/05/2020 às 09:55:09

Por: Daniel César

Os serviços de streaming ganharam de goleada das operadoras de TV por assinatura na preferência do público como opção de lazer durante a quarentena imposta pela pandemia do novo coronavírus. É o que diz uma pesquisa feita pela QualiBest no final de março, já no início do período de isolamento social.

O relatório a que o NaTelinha teve acesso indica que 42% dos entrevistados adquiriram ou podem adquirir um serviço de streaming para ajudar a passar o tempo na quarentena. Isso colocou as plataformas disparadas em primeiro lugar na preferência do público brasileiro. A TV por assinatura ficou bem abaixo, com apenas 12%.

Enquanto as plataformas seguem em crescimento no Brasil - só a Netflix contava com mais de 15 milhões de assinantes no início de 2020 -, a TV por assinatura está em queda. Dados da Anatel  (Agência Nacional de Telecomunicações), divulgados na última quinta-feira (30), mostram que o cabo perdeu 93.260 assinantes no mês de março. A quarentena, no entanto, se iniciou apenas nos últimos dez dias do mês.

A preferência do público brasileiro pelo streaming parece bastante óbvio neste momento, mas chama a atenção que a TV por assinatura sequer conseguiu ficar na segunda posição, estando atrás das plataformas de game (20%) e de música (18%). O cabo está empatado na quarta colocação com a busca por aumentar os dados do smartphone, que também obteve 12% das respostas.

 “Esse aumento era até esperado. As plataformas de streaming já estavam em crescimento antes da crise e agora, com mais tempo em casa, é de longe o serviço mais demandado pelas pessoas. Não à toa, a palavra ‘filmes’ é uma das mais usadas por elas quando perguntamos algo sobre a quarentena”, afirma a diretora geral do QualiBest, Daniela Malouf.

O Instituto QualiBest fez essa pergunta para 1005 pessoas de todas as faixas etárias, classes socioeconômicas e regiões do país. Os dados foram coletados por meio dos painelistas do QualiBest, uma base de 250 mil pessoas que respondem pesquisas de mercado por ferramentas online. Ao participarem de estudos, eles ganham pontos que podem trocar por diversos produtos. As pessoas foram entrevistas na terceira onda da pesquisa do QualiBest, entre os dias 27 e 30 de março. A margem de erro é de 2 pontos percentuais.

Streaming e a falta de dinheiro

O fato dos streamings serem baratos pode ter sido uma opção para os brasileiros optarem pelos serviços para passarem o tempo na quarentena. Enquanto os pacotes mais básicos da TV por assinatura giram em torno de R$ 50,00, podendo atingir mais de R$ 200,00 em caso de pacotes mais recheados com filmes e séries. As plataformas apostam em preços populares para atrair a atenção do público, tendo opções que variam de R$ 10,00 a R$ 45,00, em média.

E a crise financeira do momento pode indicar a escolha pelo streaming, já que a pesquisa indicou que 41% dos entrevistaram não adquiriram e nem pretende comprar nenhum serviço na quarentena.




publicidade

LEIA TAMBÉM

publicidade

COMENTÁRIOS

Para comentar na página você deve estar logado com seu perfil no Facebook. Este espaço visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos, de propaganda e que firam a ética e a moral podem ser deletados. Participe!