Na prisão de Lula, Globo usa temida vinheta de Plantão em quantidade histórica

Somente na morte de Ayrton Senna tal padrão de cobertura foi vista antes

Fotos: Reprodução

Publicado em 08/04/2018 às 12:01:20

Por: Lucas Félix

Neste sábado (7), o Brasil viu a temida vinheta do Plantão da Globo, que está no ar desde 1991, surgir na televisão em uma quantidade de vezes que só tem precedentes em 1º de maio de 1994, uma data que qualquer telespectador da época associaria ao seu fato histórico mesmo que ele não fosse mencionado.

Desde a morte do piloto Ayrton Senna, claro, diversas outras grandes coberturas foram realizadas. E o espaço dedicado para elas cresce cada vez mais. A maior em duração consecutiva no ar, por exemplo, foi a dos funerais das vítimas do acidente aéreo que envolveu a delegação da Chapecoense. O canal também acompanhou por horas de forma ininterrupta as votações do impeachment de Dilma Rousseff, das denúncias contra Michel Temer e os protestos de rua em 2013 e 2016.

Em todos esses casos, as transmissões foram ao ar em forma de boletins ou com a criação de vinhetas especiais, comuns também em coberturas internacionais, como nos ataques terroristas de 11 de setembro, na guerra do Iraque, nas eleições americanas ou nos conclaves. Justificável, já que se busca tanto não banalizar a exibição do Plantão quanto deixar claro de imediato o assunto nessas situações em que uma pauta se sobrepõe de forma evidente.

Ontem, porém, a Globo parece ter pensado mais em como seria vista posteriormente do que ao vivo. Tentando evitar ao máximo as acusações sobre uma suposta parcialidade ao tratar do tema, o canal evitou fazer uma vinheta específica sobre a prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Não foi a única ressalva nesse sentido no dia. Em outras ocasiões, a rede também já havia convocado os apresentadores titulares de seus telejornais aos sábados, como no dia seguinte aos ataques em Paris e nas vésperas das eleições presidenciais. Dessa vez, mesmo diante da iminência da primeira detenção por crime comum de alguém que já ocupou a Presidência da República, optou em manter a escala de rodízio já estabelecida.

Contudo, antes de se aprofundar sobre as entradas desses apresentadores eventuais ao longo de todo o sábado, duas observações são necessárias: os gritos de “golpista” e tantos outros direcionados preferencialmente contra a Globo são injustos. Nos últimos anos, os telejornais de rede do canal são dos mais imparciais da televisão aberta. Com a constante patrulha em torno do tom e do tempo que dedicam aos assuntos, muitas vezes se tornam até frios e padronizados na busca da neutralidade.

Na edição de sábado, por exemplo, o "Jornal Nacional", assim como vem fazendo com todos os pré-candidatos em seus atos de lançamentos, dedicou cerca de 50 segundos para a fala de Marina Silva, da Rede. É um padrão claro. O "Jornal da Record", que cobriu com uma reportagem a filiação do empresário Flávio Rocha ao Partido Republicano Brasileiro (PRB), ignorou o tema. Não foi por falta de tempo. Também ontem o telejornal do canal paulista encontrou espaço para exibir uma fala de Rocha durante um evento patrocinado pela emissora. Pelos acasos da vida política, o PRB dele é o mesmo de Celso Russomano e Marcelo Crivella, entre outros.

O próprio Lula, que quando presidente deu a sua última entrevista no exercício do cargo para a jornalista Adriana Araújo, ampliou os alvos de seus ataques, antes exclusivos contra a Globo. Ontem, além da própria Record, mencionou ainda a Band em seu discurso realizado em frente ao Sindicato dos Metalúrgicos do ABC Paulista. Ao contrário do que aconteceu na sua coletiva após a condução coercitiva, porém, as redes abertas praticamente ignoraram a fala ao vivo. Somente a Record News a transmitiu na íntegra, enquanto a TV Cultura o fez em boa parte. Band e Record abriram apenas flashes. E a Globo fez um Plantão com minutos de atraso para destacar o trecho em que o ex-presidente admitiu que se iria se entregar para a Polícia Federal. Foi o primeiro dos oito exibidos ao longo do dia.

Mas antes de prosseguir a contagem, infelizmente faz-se necessário mencionar um problema que afetou praticamente todas as emissoras e demais empresas de mídia, seja em São Paulo, São Bernardo do Campo, Brasília ou Curitiba: as agressões realizadas por parte dos militantes contra jornalistas. Lamentáveis pelo efeito direto contra profissionais que estão apenas realizando seus trabalhos e pelo indireto, que pune o público, obrigado a acompanhar coberturas cada vez mais distantes, seja do alto de prédios ou de helicópteros, com a segurança das vidas sendo corretamente priorizada.

A Globo também teve profissionais hostilizados, como mencionou no "JN", mas essas manifestações não ocorreram de forma destacada em suas entradas ao vivo, embora em algumas vezes os gritos da multidão tenham atrapalhado os links da Globo News.

O Plantão inicial do dia, que interrompeu o "Globo Esporte", foi curto, com cerca de um minuto, e nem contou com participação de algum repórter. Apresentado por Fábio William, se dedicou apenas a reproduzir o breve instante da fala de Lula sobre a sua entrega. Mesmo com essa interrupção, as edições do "GE" pelo Brasil acabaram mais cedo, e o "Jornal Hoje" começou às 13h14, seis minutos antes do habitual.

Antes, ao longo da manhã, boletins já haviam sido exibidos, mas sem a vinheta, o que é bem mais comum até para fatos que não alcancem tanta expressão.

O segundo Plantão de fato a ir ao ar foi o mais longo. Com a apresentação de Giuliana Morrone, durou praticamente 17 minutos. Interrompendo o "Caldeirão do Huck", foi exibida a primeira tentativa de saída do ex-presidente do prédio do sindicato. Destacou-se a participação do repórter César Menezes, que falando do Globocop praticamente conduziu a cobertura por todo o tempo, deixando com Giuliana apenas a introdução e o encerramento.


publicidade

Nessa altura, Band e Record TV já exibiam, respectivamente, o "Brasil Urgente" e o "Cidade Alerta", que ficaram encarregados também de acompanhar todos os acontecimentos seguintes. Entre elas, menção para a sempre excelente dupla formada por Adriana Araújo e Reinado Gottino, que sempre se sobressaem em coberturas ao vivo. O SBT, que jamais nega a sua (falta de) vocação, ignorou solenemente os fatos até mesmo em seus intervalos comerciais.

Quando Lula saiu a pé do prédio para ir de encontro ao comboio que o levaria até a sede paulistana da Polícia Federal, Giuliana e César repetiram a dobradinha e a proporção de falas de cada umno terceiro Plantão. Esse, mais curto, com cerca de 11 minutos, optou por exibir apenas a saída do comboio, sem acompanhar o trajeto inteiro. Difícil de entender. O canal já vem por diversas vezes cancelando de forma elogiável as exibições de suas novelas para priorizar coberturas jornalísticas ou esportivas. Dessa vez, contudo, preferiu manter "Orgulho e Paixão" no ar.

Na chegada do comboio à superintendência da PF, veio o quarto Plantão, comandando por Chico Pinheiro e com reportagem de Patrícia Falcoski no ar e Bruno Tavares em terra, por quase 10 minutos. Depois da realização dos exames de corpo de delito no ex-presidente, a quinta exibição, que durou três minutos, destacou a saída de helicóptero rumo ao aeroporto de Congonhas.

Durante o pouso no hangar, entrou no ar o sexto Plantão, que passou a ser apresentado em dupla por Chico e Giuliana simultaneamente, mostrando por 11 minutos o desembarque e a ida ao avião que levou Lula até Curitiba. Essa exibição foi encerrada às 20h30 com a trilha do "Jornal Nacional", que esteve presente de forma estranha descaracterizando praticamente todas as intervenções. Mas não foi emendada no próprio "JN", que começaria somente às 20h43, depois de ser levado ao ar o restante do capítulo de "Deus Salve o Rei".

Ou seja, o Plantão foi ao ar por três vezes distintas ao longo da novela das 19h. E todas elas em instantes que eram previstos caso o esquema montado pela PF transcorresse bem. Se o capítulo tivesse sido cancelado, seria apenas uma transmissão ininterrupta com os mesmos acontecimentos. Por essa opção editorial de não ficar ao vivo de forma contínua que o número de entradas se tornou sem similitudes ao longo das duas últimas décadas.

Já no telejornal, que mostrou logo em seus primeiros instantes após as manchetes a decolagem do voo até a capital paranaense, mais evidências da tentativa da Globo em instituir uma aparência de normalidade, sem dimensionamento histórico, no que se supõe ser um movimento para evitar eventuais exageros que a tornassem ainda mais criticada por setores ligados ao ex-presidente. Na escalada, boa parte das notícias foram relacionadas ao cumprimento do mandado de prisão emitido pelo juiz Sérgio Moro. Mas alguém considerou pertinente a encerrar com a informação sobre os treinos para o segundo Grande Prêmio da temporada de Fórmula 1, que em 2018, vale lembrar, não conta com pilotos brasileiros no grid.

A edição, contudo, foi correta. Mostrou trechos do discurso de Lula, de falas de aliados e oponentes políticos e a repercussão internacional dos acontecimentos, incluindo uma entrevista de Moro para a TV chinesa. Ao redor do mundo, aliás, destaca-se o afinco dos argentinos no acompanhamento de tudo que aconteceu ao longo desse sábado. Diversos canais de notícias do país ficaram por horas consecutivas no ar. O A24 logrou êxito em entrar ao vivo de dentro do sindicato, algo que apenas a TVT, afiliada da TV Brasil, conseguia entre os canais nacionais.

Na ânsia pelas melhores imagens, o C5N, canal jornalístico mais assistido do país vizinho, não teve muita cerimônia em optar por reproduzir imagens da Globo News de uma transmissão não oficial do YouTube. Algo que passaria batido se não fosse por uma brincadeira feita por esse streaming pirata com o jogo GTA, inserindo a identidade visual que lembra quando ocorre uma perseguição policial no game. Foram diversos minutos no ar desse modo. Por toda a América do Sul e em Portugal, diversas outras redes entre comerciais e estatais também dedicaram um espaço generoso ao assunto.

Assim como foram generosas as exibições do Plantão, que prosseguiram com Chico e Giuliana após o término do "JN", que teve uma duração de quase uma hora e 20 minutos. Acima da média, mas não de forma espantosa. A edição especial sobre o ouro olímpico no futebol masculino nos Jogos Olímpicos do Rio, por exemplo, se aproximou de duas horas no ar, terminando às 22h40, enquanto a sobre a prisão de Lula chegou ao fim pontualmente às 22h, com os apresentadores se despedindo de forma pouco habitual: “até já” e “até daqui a pouco”. Eles próprios sabiam que o sétimo Plantão do dia era questão de instantes, tão logo o avião pousasse em Curitiba. A partir dessa exibição, que durou quatro minutos, os links passaram a ser com repórteres da RPC, afiliada global no Paraná.

A oitava e derradeira vez em que o Plantão surgiu na tela durante este sábado foi ainda interrompendo a novela "O Outro Lado do Paraíso", enquanto Lula chegava na sede da PF em Curitiba. Era o fim da maratona de um dia cansativo para ele e para todos que acompanharam a verdadeira novela formada em torno do caso. Uma data que ainda não podemos cravar como será lembrada daqui a alguns anos, mas que agora já sabemos pelo menos de que a forma a Globo deseja ser: a mais discreta possível. Foram Plantões como há muito não se via e possivelmente também não será de novo logo, mas de maneira protocolar, em momentos cruciais dos trajetos, que só o SBT mesmo seria capaz de ignorar.

Ao longo do ano, Plantões de fato sobre o caso de Lula já haviam sido exibidos na Globo no dia 24 de janeiro, quando o Tribunal Regional Federal da 4ª Região votou e rejeitou os recursos do ex-presidente, também em 6 de março, quando o Superior Tribunal de Justiça rejeitou a concessão de um habeas corpus preventivo, e ainda na quinta-feira (5), quando o juiz Sérgio Moro ordenou a prisão que só foi cumprida trinta horas depois do prazo. Todos esses apresentados por Renata Vasconcellos. Se ainda virão mais desdobramentos, é difícil saber, mas certamente os já concretizados colocam essa cobertura em destaque para qualquer retrospectiva futura. E não só de 2018.



publicidade

TAGS:

LEIA MAIS

publicidade

COMENTÁRIOS

Para comentar na página você deve estar logado com seu perfil no Facebook. Este espaço visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos, de propaganda e que firam a ética e a moral podem ser deletados. Participe!

publicidade