Reportar erro
Além de Family Feud

Nove programas de Silvio Santos que outros apresentadores comandaram

Silvio Santos comandou dezenas de programas na carreira

Silvio Santos no auditório
Silvio Santos em seu tradicional dominical - Divulgação/SBT
Thiago Forato

Publicado em 25/08/2020 às 06:05:00

O Family Feud será mais um programa que Silvio Santos apresentou e que cairá nas mãos de outro apresentador. O formato foi adquirido pelo SBT em janeiro de 2005 e agora reforçará o Caldeirão do Huck, nas tardes de sábado da Globo.

Tendo apresentado dezenas de programas em décadas de carreira, Silvio Santos viu alguns dos seus maiores sucessos conseguindo continuidade com outros comunicadores. Seja por simplesmente passar o bastão ou outros, como agora, por não renovar os direitos.

Vamos a eles:

Passa ou Repassa

Nove programas de Silvio Santos que outros apresentadores comandaram

Em 1987, Silvio Santos adaptou o programa Double Dare, da Nickelodeon, para o SBT. Batizado inicialmente de Passe ou Repasse, o programa caiu nas graças do público de verdade sob a apresentação de Gugu Liberato (1959-2019) no ano seguinte.

Entre 1988 e 1994, diversos estudantes, jogadores de futebol, celebridades passaram pelo game-show. Angélica, que hoje é uma coadjuvante de luxo na Globo, apresentou o Passa ou Repassa entre 1995 e 1996.

A partir daquele ano, Celso Portiolli assumiu o comando do game-show até o ano 2000 e continua fazendo sucesso na grade do SBT, mas agora como quadro do Domingo Legal.

Xaveco

Nove programas de Silvio Santos que outros apresentadores comandaram

Adaptação do Se Rolar, Rolou, Silvio Santos chegou a apresentar o Xaveco em 1997. Celso Portiolli assumiu a apresentação no ano seguinte até 2001, quando saiu do ar e retornou no ano passado como quadro do Domingo Legal.

O formato consiste em 50 homens ou mulheres responderam a perguntas com o intuito de conquistar uma única pessoa. Os pretendentes só conhecem quem devem conquistar na última fase da atração, que é dividida em três partes.

Namoro na TV

Nove programas de Silvio Santos que outros apresentadores comandaram

O programa surgiu na década de 80 e alguns anos depois voltaria reformulado como Em Nome do Amor. A temática, claro, era a mesma.

Jovens solteiros se inscreviam com o intuito de procurar um grande amor. Silvio Santos colocava homens e mulheres dançando quase sempre ao som de seu ídolo Julio Iglesias. E depois, entrevistavam os jovens com muito bom humor e fazendo a famosa pergunta que ficaria eternizada: É namoro ou amizade?.

A atração terminou em 2000 sendo substituído pelo Show do Milhão, e retornou em 2006 sob o comando de Celso Portiolli, diariamente e depois, aos sábados, ocupando grande parte da programação.

Qual é a Música?

Nove programas de Silvio Santos que outros apresentadores comandaram

Um dos programas mais icônicos de Silvio Santos, o Qual é a Música? foi apresentado por Gugu Liberato na Record em 2012, depois de adquirir os direitos do original Name That Tune.

Grande game-show da década de 70 rendeu disputas memoráveis entre artistas. Entre 1976 e 1991, o embate era entre dois grandes nomes da música.

Em 1999, para não perder os direitos do game, Silvio Santos aprovou a volta do programa, que foi reformulado, com um cenário moderno e palco giratório.

Na Record, ao invés da banda, Gugu optou por colocar um DJ na execução das músicas e não fez o mesmo sucesso.

Roda a Roda

Nove programas de Silvio Santos que outros apresentadores comandaram

Releitura do Roletrando, o Roda a Roda estreou na grade do SBT em outubro de 2003, sob o patrocínio da Chevrolet, saindo do ar no início do ano seguinte.

Em 2005, retornou com o patrocínio da Johnson & Johson e alcançou enorme sucesso, numa dobradinha exatamente com o Family Feud. No segundo semestre daquele ano, passou a ser patrocinado pelo Baú da Felicidade e desde 2008, pela Jequiti.

Luís Ricardo já comandou algumas edições, mas quem comanda regularmente agora é Rebeca Abravanel, uma de suas filhas.

Topa ou Não Topa

Nove programas de Silvio Santos que outros apresentadores comandaram

Depois de apresentar uma versão pirata do Topa ou Não Topa, o Eu Compro Seu Televisor, Silvio Santos boletou a versão original em 2006 e rapidamente se tornou seu xodó.

Entre 2006 e 2007, Silvio apresentou nas noites de quarta-feira o programa que era uma febre nos Estados Unidos.

Roberto Justus, contratado pelo SBT em 2009, assumiu o programa no ano seguinte e em 2019 Patrícia Abravanel passou a comandá-lo. Atualmente está suspenso devido a pandemia do novo coronavírus.

Nada Além da Verdade

Nove programas de Silvio Santos que outros apresentadores comandaram

Game-show que estreou em 2008 na grade do SBT, o programa era uma versão do conhecido Nothing But the Truth. Sob o comando de Silvio Santos, o polígrafo era encarado por anônimos.

A partir de 2009, na segunda temporada com Ratinho, anônimos passaram a ser entrevistados.

Gol Show

Nove programas de Silvio Santos que outros apresentadores comandaram

Formato importado da Turquia, o Gol Show desembarcou no SBT em 1997, sendo exibido até 2002 entre idas e vindas na grade de programação.

Apresentado inicialmente por Silvio Santos, logo passou o bastão para Luís Ricardo. O formato premiava os participantes com até R$ 1 milhão, dado no Teleton 1998 pelo próprio dono do SBT.

O Grande Perdedor

Nove programas de Silvio Santos que outros apresentadores comandaram

Grande sucesso da TV americana na época, Silvio Santos trouxe o formato para o Brasil em 2005 para exibi-lo nas noites de domingo e também diariamente. O formato era simples: os participantes, acima do peso, buscam eliminá-los em busca do prêmio máximo.

Em meio a tentações, se pesavam semanalmente no palco com Silvio Santos. O programa estreou marcando quase 30 pontos de pico contra o Fantástico e esperava-se que ele fosse ao vivo. Mas o dono do SBT optou por gravá-lo, perdendo força.

Apesar até do bom desempenho em 2005, Silvio Santos abriu mão de continuar à frente do projeto e uma nova temporada só veio em 2007 sob o título de Quem Perde, Ganha, com Lígia Mendes. Especula-se que os patrocinadores não gostavam de associar suas marcas ao "grande perdedor".

Mais Notícias