Reportar erro
Retrospectiva

Mortes, tretas e troca-troca no jornalismo: Como foi o 1º semestre na TV

NaTelinha relembra os momentos marcantes da primeira metade de 2019 na TV

Artistas de televisão
Primeiro semestre movimentou a televisão brasileira em 2019 - Foto: Montagem
Naian Lucas, com Daniel César

Publicado em 01/07/2019 às 04:55:58

Retrospectivas normalmente são realizadas no fim do ano, lembrando os momentos mais importantes antes da virada do Réveillon. Mas 2019 tem sido tão atípico que esperar pelo ano todo geraria uma retrospectiva gigante. Afinal, se em metade do ano já há tanto para se contar, imagina em 365 dias.

Por isso o NaTelinha preparou este texto com os momentos mais marcantes dos primeiros seis meses do atual ano e relembra fatos que aconteceram na televisão brasileiro até este domingo (30).

São acontecimentos que passam pelo cancelamento do "Vídeo Show" até a trágica morte do jornalista Ricardo Boechat, passando por estreia e final de novelas e programas.

Posse de Jair Bolsonaro

Mortes, tretas e troca-troca no jornalismo: Como foi o 1º semestre na TV

As emissoras de televisão derrubaram suas programações no primeiro dia do ano e deram espaço à posse do presidente Jair Bolsonaro. Apesar de ter boa relação com a Record e SBT, o novo governante brasileiro teve que se contentar com a liderança da Globo no momento em que ele recebeu a faixa da presidência de Michel Temer.

A exibição da emissora da família Marinho fechou com média de 14,1 pontos. A Record e o SBT consolidaram com 7,6 e 4,0, respectivamente. Somadas, elas chegaram em 11,6, uma distância alta em relação a Globo.

“Big Brother Brasil 19”

Mortes, tretas e troca-troca no jornalismo: Como foi o 1º semestre na TV

O programa estreou em 15 de janeiro, mas a repercussão era alta em torno do reality antes do primeiro episódio. A tradicional revelação dos participantes movimentou as redes sociais, principalmente pelos perfis dos confinados, que prometiam trazer discussões acaloradas em torno da divisão que o Brasil sofria entre esquerda e direita. Além disso, Fábio Alano acabou sendo desclassificado por quebrar uma regra contratual.

Com o jogo no ar, Vanderson ficou apenas cinco dias na casa mais vigiada do Brasil. Ele precisou deixar a residência para prestar esclarecimentos sobre supostos casos de estupro, agressão física e importunação ofensiva ao pudor contra três mulheres na cidade de Rio Branco, no Acre.

As polêmicas continuaram, pois Paula pronunciou frases consideradas racistas e que pregavam a intolerância religiosa. A movimentação foi alta entre os torcedores da Villa Mix e Gaiola, nomes dos grupos criados pela produção. No fim, a Gaiola foi esvaziada, mas representada na final por Alan – visto como planta na edição – e a Villa Mix se consagrou campeã com Paula.

Por sinal, faltando poucos dias para final, Hariany, melhor amiga da vencedora da última edição do programa, foi expulsa após empurrar Paula. Porém, fora da casa, elas fizeram as pazes e continuam amigas. A 19ª edição do reality terminou como a pior audiência da História com média de 20,02 pontos, mais de cinco pontos abaixo do ano anterior que havia conquistado 25,66.

Jornalismo

Mortes, tretas e troca-troca no jornalismo: Como foi o 1º semestre na TV

O setor nunca esteve tão movimentado como ocorreu no primeiro semestre. A Globo teve baixas em seu casting. Mariana Ferrão e Fernando Rocha deixaram à emissora e o “Bem Estar” virou quadro do “Encontro com Fátima Bernardes”. A jornalista tem se dedicado à palestras, enquanto Fernando vem divulgando seu livro “Na Medida do Possível (Ou Quase)” em vários programas de TV.

A emissora também perdeu Cris Dias, Sergio Aguiar, André Azeredo. O canal promoveu mudanças, como a saída de Chico Pinheiro da escala do “Jornal Nacional” e a troca de Ivan Moré por Felipe Andreoli no “Globo Esporte – Edição SP”. O que também chamou a atenção do grande público e da crítica foi Maju Coutinho no “JN”. Ela se tornou a primeira jornalista negra do principal telejornal do país, sendo aplaudida ao final da edição do dia 16 de fevereiro de 2019.

A Record contratou novos nomes, como André Azeredo, atual apresentador do “SP no ar”.  No entanto, a emissora teve de lidar com a perda de Douglas Tavolaro, que deixou a vice-presidência de jornalismo da emissora e se transferiu para CNN Brasil, onde passou ser CEO. Para substituí-lo, o canal promoveu Antonio Guerreiro.

O novo vice-presidente realizou alterações, como a própria contratação de André Azeredo, além da renovação de contrato de Luiz Bacci que segue à frente do "Cidade Alerta", maior audiência da Record atualmente, marcando em torno de 10 pontos. Outra mudança provocada acabou sendo a renovação no “Domingo Espetacular”. Saíram Janine Borba e Paulo Henrique Amorim para entrada de Patrícia Costa e Eduardo Ribeiro.

Mortes, tretas e troca-troca no jornalismo: Como foi o 1º semestre na TV

O SBT voltou a fazer cortes no setor, demitindo Analice Nicolau, Karyn Bravo e João Fernandes e encerrando o "SBT Notícias". A alegação nos bastidores era de que o jornal da madrugada não estava se pagando e, para tal, Silvio Santos decidiu esticar o "Primeiro Impacto" que ganhou mais duas horas por dia e passou a entrar às 04h e indo até às 10h30.

Além disso, a emissora de Silvio Santos provocou irritação por parte de seus profissionais ao decidir contratar a miss Brasil Júlia Horta para substituir Rachel Sheherazade em folgas no "SBT Brasil".  Porém, a contratação ainda está em fase de negociação.  Em junho, o jornalista Roberto Cabrini renovou seu contrato com a emissora por mais dois anos.

A Band mudou a bancada do seu principal jornal, o “Jornal da Band”. Com a morte de Ricardo Boechat, Fábio Pannunzio ocupou o lugar do consagrado jornalista. Paloma Tocci também deixou a bancada do jornalístico do canal da família Saad e foi substituída por Lana Canepa. A RedeTV! sofreu poucas baixas, contudo, a que mais repercutiu foi a saída de Reinaldo Azevedo.

Outro destaque para o jornalismo foi o fato das emissoras de TV aberta darem espaço para grande cobertura de acontecimentos ao longo dos seis primeiros meses do ano, como a tragédia de Brumadinho, o incêndio no Ninho do Urubu, morte do cantor Gabriel Diniz e do jornalista Ricardo Boechat, o  massacre na escola de Suzano e o assassinato do ator mirim de "Chiquititas", Rafael Miguel. Ele, supostamente,  foi assassinado pelo sogro que não aceitava o namoro com sua filha.  Os pais de Rafael Miguel também foram mortos. 

No começo de Junho, a CNN Brasil anunciou a contratação do ex- apresentador do "Jornal da Globo",  William Waack , conforme atencipado pelo NaTelinha. Além disso, o canal de notícias, que tem previsão de transmissão no final do ano, apresentou sua  sede, ao mercado,  que  fica situado na Avenida Paulista, em São Paulo. 

Estreias, mudanças, anúncios e cancelamentos

Mortes, tretas e troca-troca no jornalismo: Como foi o 1º semestre na TV

Em janeiro, foi anunciado o fim do programa “Vídeo Show”, porém, sua marca tem entrado como quadro em produções da Casa e na internet. A atração da Globo ficou no ar entre 20 de março de 1983 e 11 de janeiro deste ano. As derrotas consecutivas para o “Balanço Geral” teria à gota d’água e ocasionado o cancelamento da produção. O “Bem Estar” também deixou de ser programa e virou quadro do “Encontro com Fátima Bernardes”.

O “Aqui na Band” estreou na Band no mês de maio com apresentação de Silvia Poppovic e Luís Ernesto Lacombe. O matutino que é comandado por Vildomar Batista, responsável pela criação do "Hoje em Dia", da Record. Em um mês no ar, o programa cresceu a audiência da Band no horário, em 22%.

A DAZN entrou no mercado brasileiro, formando parceria com a RedeTV!, após ter anunciado com exclusividade a Copa Sulamericana. O segundo jogo do Corinthians na primeira fase da competição deu a liderança por 15 minutos para o canal de Amilcare, chegando a pico 16,3 pontos.

Na Band, O “Terceiro Tempo”, de Milton Neves, voltou para seu antigo, começando logo após o fim da rodada dos campeonatos nacionais no domingo. A quarta temporada do “The Voice Kids” começou em janeiro e terminou em abril. Simone e Simaria venceram, pois eram técnicas de Jeremias Reis.

Mortes, tretas e troca-troca no jornalismo: Como foi o 1º semestre na TV

Falando em “The Voice”, a versão adulta terá um novo quarteto de técnicos. Sai Carlinhos Brown e Iza se junta a Lulu Santos, Ivete Sangalo e Michel Teló, vencedor das últimas quatro edições do programa.

Em janeiro, o “Tá Brincando”, de Otaviano Costa, estreou nos sábados da Globo, com médias em torno de 10 pontos. Porém, após o fim da primeira temporada a atração foi cancelada e o comunicador deixou o canal após dez anos.  Outro programa que chegou ao fim na Globo foi o humorístico  “Tá no Ar: a TV na TV”, em abril.

A Record lançou novos programas, como o “Troca de Esposas”, com Ticiane Pinheiro, “The Four Brasil”, com Xuxa Meneghel, e “Top Chef”, com Felipe Bronze. Gugu Liberato retornou ao “Power Couple Brasil” pelo segundo ano consecutivo. O “Programa da Sabrina” foi cancelado e a apresentadora segue sem nova produção na emissora.

 O “Domingo Legal”, no SBT, consolidou-se na vice-liderança, chegando a dar dois dígitos em diversos momentos, por conta de quadros como o “Xaveco”. Já Maísa Silva ganhou um talk-show semanal, indo ao ar aos sábados antes do "Programa Raul Gil"

A RedeTV! recontratou Olga Bongiovanni para as manhãs e a Band mudou a data da nova temporada do “MasterChef”, que está indo ao ar aos domingos. 

Tretas

Se 2019 brindou a televisão brasileira com uma sumidade de assuntos, quando se trata das famosas confusões, não foi por menos. Foram diversas as brigas e confusões no meio televisivo, inclusive com diretor de programa sendo afastado e a equipe comemorando no ar, como aconteceu com o "Fofocalizando".

As tretas foram tantas que o NaTelinha publicou até reportagem especial dando espaço exclusivo para as maiores confusões do semestre envolvendo os famosos.

Dramaturgia

Mortes, tretas e troca-troca no jornalismo: Como foi o 1º semestre na TV

A Record lançou a série “Terrores Urbanos”, produção do PlayPlus, exibida em janeiro na TV aberta. “Jezabel” e “Topíssima” entram nos lugares de “Jesus” e “A Terra Prometida’, respectivamente. A segunda trama, por sinal, é a primeira não bíblica da emissora desde “Vitória” (2014).

Na faixa vespertina de reprise, a direção do canal resolveu retornar com as novelas “Bela, a Feia” (2009) e “Caminhos do Coração” (2007). 

A Globo apresentou muitas novidades. Em minisséries, transmitiu “Elis: Viver é Melhor que Sonhar” e “10 Segundos Para Vencer”. “No Vale a Pena Ver de Novo”, “Cordel Encantado” e “Por Amor” fizeram a faixa liderar com folga sobre as concorrentes, além de manter a emissora acima dos 16 pontos de média.

Quando o assunto é novela inédita, também houve estreias e finais. “O Tempo Não Para”, Espelho da Vida”, “O Sétimo Guardião” e “Malhação – Vidas Brasileiras” saíram de cena para dar lugar a "Verão 90", “Órfãos da Terra”, “A Dona do Pedaço” e “Malhação – Toda Forma de Amar” estão ocupando a faixa neste final de semestre.

Um dos maiores fracassos do ano no setor, foi a novela "O Sétimo Guardião", escrita por Aguinaldo Silva. Envolvida numa polêmica de direitos autorais pela sinopse e diversas polêmicas nos seus bastidores,  a trama teve a segunda pior audiência de último capítulo de uma novela das 21h. Marcando 34,2 pontos de média, atrás de  "Babilônia, que atingiu 33,5 em 2015. No geral, a novela de Aguinaldo Silva marcou 28,8 de média, a pior pontuação desde "A Lei do Amor", transmitida em 2016.

O SBT manteve “As Aventuras de Poliana” no ar, mas reexibiu “Cúmplice de um Resgate”. A segunda temporada de “A Garota da Moto” ganhou as telas do canal, e até aconteceu um retorno de sucesso dos anos 80 no canal: “Pássaros Feridos”, mas foi um fracasso na grade de sábado da emissora com médias em torno de 2,5 pontos.

Na TV paga, a HBO exibiu oitava e última temporada de "Game Of Thrones". De acordo com o canal, a final da saga foi assistida por cerca de 20 milhões de telespectadores nos Estados Unidos. 

Mortes

Mortes, tretas e troca-troca no jornalismo: Como foi o 1º semestre na TV

Na primeira metade de 2019,  ocorreram inúmeras mortes : Padre Quevedo, Marciano, Marcelo Yuka, Caio Junqueira, Wagner Montes, Gilberto Marmorosch, Deise Cipriano, Domingos de Oliveira, Ricardo Boechat, Caroline Bittencourt, Beth Carvalho, Antunes Filho, Lúcio Mauro, Lady Francisco, Serguei, Andre Matos, Gabriel Diniz,  Rubens Ewald Filho e Paulo Pagni.

Mais Notícias