Exclusivo

Diretor da Globo na Bahia admite incômodo com Ibope, mas diz não querer perder relevância

Bahia vive uma guerra de audiência entre TV Bahia/Globo, Record TV Itapoan e TV Aratu/SBT


João Gomes, diretor da Rede Bahia
Fotos: Saulo Brandão

A cada dia que passa, chama mais atenção a disputa incessante de audiência em Salvador, entre TV Bahia/Globo, Record TV Itapoan e TV Aratu/SBT. Tudo isso pelo fato incomum da afiliada da rede de Edir Macedo vencer a concorrente global em grande parte do dia.

Em outubro, por exemplo, segundo dados consolidados da Kantar Ibope, a Record TV ficou em primeiro lugar na média das 7h às 20h de segunda a sexta na capital baiana. Isso, claro, incomoda o diretor-geral de televisão da Rede Bahia, dona da TV Bahia.

Em rara entrevista, concedida ao NaTelinha em evento realizado pela Rede Bahia na última quarta-feia (21) em Salvador, João Gomes falou dos desafios junto ao mercado e admitiu que se incomoda com a perda de audiência, mas que se preocupa mais com a perda de relevância decorrente. Ele, no entanto, nega que a TV Bahia tenha deixado de ser relevante para o público e para o mercado.

"Eu não posso dizer que como gestor isso não me incomoda, não existe não incomodar. Mas a minha maior preocupação é perder relevância. Não acho que nós perdemos relevância, ao contrário", disse o mandatário.

De fato, a emissora está correndo atrás para recuperar audiência e a atenção de parte do público. Somente neste ano, contratou a apresentadora Jéssica Senra, que era líder na Record TV desde janeiro de 2016; mudou sua linha editorial; estreou um noticiário nas manhãs, o "Bom Dia Sábado", que está sendo usado como exemplo no Brasil; e está tentando ter mais horários de programação local.

O mercado num primeiro momento vê números, mas o mercado também mudou

João Gomes, diretor-geral de televisão da Rede Bahia

O grande exemplo dessa busca por mais conteúdo local foi anunciado durante o evento. O "Bem Estar" não será exibido em Salvador até o fim do horário de verão, e o "Bahia Meio Dia" ganhará mais tempo, indo das 11h30 às 13h. O programa de Mariana Ferrão e Fernando Rocha, no entanto, pode seguir fora do ar mesmo após o fim do HV, mas segundo a reportagem apurou, isso ainda não está definido.

Outra questão não acertada ainda é a possível retirada do "Vídeo Show" para a entrada de uma nova atração, que seria apresentada por Camila Marinho, ex-"BATV", conforme o NaTelinha noticiou em setembro. A cabeça de rede ainda não concorda com a retirada do seu vespertino, achando que isso prejudicaria ainda mais aquela que é uma das marcas da Globo, mas que vive fase ruim de derrotas em todo o Brasil.

Neste verão, a TV Bahia/Globo terá uma atração especial de esportes radicais aos sábados, o "Expedição Bahia", comandado por Sérgio Pinheiro. Além disso, irá cobrir eventos importantes, realizará o tradicional "Festival de Verão" e transmitirá o Réveillon de Salvador.

"A gente tem a perspectiva de ampliação, mas do nosso conteúdo regional. Nós somos um afiliado. Nós temos uma paginação de televisão que segue uma rede nacional, com espaços locais. Mas nós estamos conseguindo com a Globo a ampliação", disse o executivo.

Veja todos os trechos da conversa:

Novidades no verão

Diretor da Globo na Bahia admite incômodo com Ibope, mas diz não querer perder relevância

Nós temos uma tradição de fazer com que o verão da Bahia aconteça na TV Bahia. Isso é algo que já trazemos na nossa história. O que trazemos hoje para apresentar ao mercado e para todos, é um conjunto de ações. Nós estamos trazendo um calendário de ações, que inclui Festival de Verão, cobertura de Réveillon... E depois disso, tem os ensaios de Carnaval, e todos estaremos presentes. E a gente tem programas especiais e conteúdos especiais.

Aumento de horário local e retirada de programas nacionais para a Bahia

A gente tem a perspectiva de ampliação, mas do nosso conteúdo regional. Nós somos um afiliado. Nós temos uma paginação de televisão que segue uma rede nacional, com espaços locais. Mas nós estamos conseguindo com a Globo a ampliação, primeiro veio o 'Bom Dia Sábado' e depois a novidade que contarei daqui a pouco.

Saída do "Vídeo Show" e estreia do programa de Camila Marinho

Na verdade, nós temos uma batalha para conseguir espaços e conteúdos que possam ser por temporadas. Com Camila, nós estamos focando possibilidades de temporadas. Hoje, você mesmo vê na Globo, vários programas são por temporadas, para eles terem a oportunidade de se reciclar e trazer uma proposta nova. Pra Camila, ela tem uma versatilidade de jornalismo e entretenimento. A Camila está proporcionalmente para ser a nossa Fátima Bernardes. Ela tangencia tanto jornalismo quanto entretenimento. Pra gente, ela é muito fundamental nesse processo de mudança. Ela irá ter muitas novidades, dentro de um trabalho de pesquisa e de preparo dela para lhe dar bem com o entretenimento.

Perda de Ibope e da liderança em vários horários para a Record TV

Eu não posso dizer que como gestor isso não me incomoda, não existe não incomodar. Mas a minha maior preocupação é perder relevância. Não acho que nós perdemos relevância, ao contrário. Nós tivemos um crescimento de pessoas em casa muito decorrente de uma situação econômica, que aqui foi muito mais devastadora do que praticamente todo o Brasil. Considere, além do efeito da crise econômica, que muitas das empresas envolvidas nos escândalos de corrupção tinham base e sede aqui, elas afetaram fundamentalmente. Não é à toa que nós temos o maior número de desalentados, que são pessoas que desistiram de procurar emprego, e o maior número de desempregados, ou seja, um volume muito grande. Isso mudou radicalmente o perfil de telespectador dentro de casa.

Mudança editorial da TV Bahia e relevância da emissora

Bom, porque eu estou falando isso de relevância? Porque isso tornou essa base de telespectador maior e mais suscetível a determinadas tipos de pautas de abordagem. Essas pautas e essas abordagens, com todo respeito, porque não existe desrespeito a isso, até porque o público é soberano em relação a escolha dele, mas nós não vamos fazer esse tipo de conteúdo para ter audiência. Mas nós vamos melhorar o nosso jornalismo, os nossos programas, para que eles sejam cada vez mais relevantes para a sociedade. É aquela matéria que vai repercutir, aquela matéria que você viu e etc. Não é o assassinato de hoje, o bandido de amanhã, e depois de amanhã é outro bandido e outra situação. Porque isso, assim, dá audiência. Mas não traz relevância.

A TV Bahia está perdendo relevância?

Quando você olha na maioria, e audiência é maioria, a maioria está fazendo uma escolha, em muitos momentos, para conteúdos um pouco mais sensíveis a uma situação de que ele vive na realidade, que ele experimenta na realidade. Mas nós não vamos abordar dessa maneira, não é o nosso princípio. Nosso slogan é 'com os baianos pela Bahia'. Nosso sentido, nosso propósito, é de edificar. Nós não deixamos de tratar a realidade, nem de mostrar, mas a nossa forma de mostrar não pode ser apelativa, ela não pode desconstruir uma relação toda criada ao longo dos anos, para ser sensível a audiência. Claro, natural que fiquem 'estamos liderando!'. Tudo bem... Mas eu vou dizer para o mercado, para o público, para a sociedade, que na hora que ele quiser ter certeza, na hora que ele quiser ver alguma coisa que diga respeito a transformação, ao dia a dia e tudo mais, ele sabe qual é o canal. Na hora da dúvida, ele sabe sintonizar o canal e esclarecer. É difícil, porque lidamos com o mercado, com o público, com maiorias.

Como o mercado está vendo os números de Salvador

O mercado num primeiro momento vê números, mas o mercado também mudou. O mercado ele não olha só número, então ele olha número, mas olha também a predisposição. Se você fosse uma empresa, você veicularia seu nome aonde? Essa é a pergunta. Você colocaria só na maior audiência, seja ela qual for? Ou você preservaria o nome para inserir em boas audiências, mas audiências que trouxessem reciprocidade? É essa temperança que a gente tem entre audiência e relevância.

Mais Notícias