Indeciso

Fora da política, Datena já surpreendeu com outras mudanças repentinas na carreira

Reprodução

Publicado em 10/07/2018 às 15:30:18 ,
atualizado em 10/07/2018 às 16:44:04

Por: Fabrício Falcheti

Indeciso quanto ao seu futuro na política, José Luiz Datena desistiu de se candidatar ao Senado e voltou à Band nesta segunda-feira (9), onde já apresentou o "Brasil Urgente".

Esta não foi a primeira vez que o jornalista muda os rumos de sua carreira de maneira surpreendente. Nem a segunda.

Há 16 anos, após sumir por cinco dias e voltar à Record TV em sua primeira passagem, Datena surpreendeu ao assinar com a RedeTV!, onde assumiu o programa "Repórter Cidadão" em maio de 2002.

Só que cerca de um mês depois, decidiu retornar para a emissora de Edir Macedo, ficando até março de 2003, quando iniciou sua longa jornada pela Band.

Bem depois disso, em 2011, Datena deixou o canal dos Saad e assinou novo contrato de cinco anos com a Record TV em 16 de junho.

Apenas quatro dias depois, já estreava no comando do "Cidade Alerta". Porém, a audiência não foi a esperada pela emissora, que optou por reduzir a duração do jornalístico.

Até que no dia 29 de julho do mesmo ano, insatisfeito com os diretores, Datena se despediu do programa, agradecendo à equipe técnica e jornalistas e mandando um "até logo".

Foi seu último dia na Record TV, apenas 43 dias após assinar contrato.

Três dias depois, o apresentador já estava de volta à Band, reestreando em gala no comando do "CQC" e depois reassumindo o "Brasil Urgente".

Na época, em entrevistas, ele reclamou da falta de liberdade na Record TV e culpou os diretores da emissora pela sua rápida passagem.

Sua decisão gerou uma multa milionária, de cerca de R$ 20 milhões, que foi quitada por Datena em 2013, após vender bens e se desfazer de investimentos.

Política

Desta vez, José Luiz Datena anunciou que se candidataria ao Senado por São Paulo no último dia 27 de junho. No mesmo instante, se afastou da Band, onde apresentava o "Brasil Urgente" e o dominical "Agora é com Datena", seguindo a lei eleitoral.

Após semanas de indecisão, na última sexta-feira (6) informou que havia desistido da política e que reassumiria seus programas, gerando uma intensa movimentação na emissora dos Saad. Só que no sábado (7), em entrevista à colunista Monica Bérgamo, da Folha de S.Paulo, mudou de ideia novamente e disse que iria sim disputar as eleições. "Preciso tentar ajudar o Brasil", afirmou.

Só que, apenas dois dias depois, bateu o martelo e desistiu do Senado, voltando ao "Brasil Urgente" nesta segunda, onde desabafou: "Deixa eu falar uma coisa. É claro que aparecendo na televisão estou como estou aparecendo fica eliminada qualquer possibilidade de eu ser candidato a qualquer cargo eletivo na República Federativa do Brasil. É claro que tomar uma decisão é uma coisa muito díficil porque é extremamente solitário porque você ouve muita gente, mas quem decide é você".

Segundo o jornalista Sandro Nascimento, do NaTelinha, três fatores que teriam contribuído para Datena ter desistido da candidatura.

O primeiro ponto seria a pressão familiar. O próprio apresentador já tinha relatado essa questão em entrevista à coluna de Mônica Bergamo. O segundo fator foi a questão financeira. E a queda de 10 pontos percentuais na intenção de votos entre uma pesquisa divulgada em abril e outra em junho também pode ter contribuído para o apresentador repensar sua intenção de ser candidatar como senador.

Segundo pesquisa do Ibope em abril, contratada pela Band antes de sua confirmação nas eleições em outubro, Datena tinha 33% da preferência e liderava a corrida eleitoral, seguido por Eduardo Suplicy, com 32%, e Marta Suplicy, com 25%.

Porém, três meses depois, já com o anúncio da sua candidatura, Datena caiu de forma vertiginosa em nova pesquisa, também contratada pela Band e divulgada no dia 29 de junho.



publicidade

TAGS:

LEIA TAMBÉM

publicidade

COMENTÁRIOS

Para comentar na página você deve estar logado com seu perfil no Facebook. Este espaço visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos, de propaganda e que firam a ética e a moral podem ser deletados. Participe!