Reportar erro
Business

CEO da Netflix não esperava sucesso de "13 Reasons Why": "Nos pegou desprevenidos"

Executivo projeta que Netflix arrisque mais e admite que taxa de cancelamentos de séries atualmente é baixa

13reasonswhy_a4b4d1a5a27c5d7aee0995ea32f76058c198505d.jpeg
Netflix não esperava tamanho sucesso da série
Thiago Forato

Publicado em 03/06/2017 às 09:03:15

Investindo de maneira mais agressiva em conteúdo original a cada ano que passa, a Netflix, através do CEO Reed Hastings, declarou que a empresa pretende cancelar um maior número de séries no futuro.

De acordo com o executivo, o serviço por streaming deseja se arriscar mais. "A nossa taxa de acerto está muito alta atualmente. Nós cancelamos poucas séries. Estou sempre provocando o time de conteúdo dizendo que temos que nos arriscar mais, temos que tentar coisas mais malucas. Porque nós deveríamos ter uma taxa média de cancelamentos mais alta", explica.

Na última quinta (1), por exemplo, "Sense8" foi cancelada após a segunda temporada, pegando os fãs de surpresa. Mas o plano é justamente continuar fazendo isso.

Na visão dele, a Netflix estava saindo pouco de sua zona de conforto, fabricando um sucesso atrás do outro, mas sem se jogar. Alguns produtos, no entanto, o impressionaram. É o caso de "13 Reasons Why", lançada no dia 31 de março.

 CEO da Netflix não esperava sucesso de \"13 Reasons Why\": \"Nos pegou desprevenidos\"

"Ela nos pegou desprevenidos. É uma série incrível, mas não percebemos quanto ela pegaria", comenta.

Além de "Sense8", a Netflix já cancelou "Bloodline", "Marco Polo" e "The Get Down", sua série mais cara.

O serviço por streaming não fica só no discurso. Mostrando que não está para brincadeira, anunciou um investimento de US$ 6 bilhões em 2017, quase R$ 20 bilhões na conversão atual.

Hastings também é cuidadoso: "Ainda temos muito a aprender. Agora, nos demos incrivelmente bem na América Laina e Europa, e claro, na América do Norte. Então, aprendemos algumas coisas. Mas, ainda temos muito espaço para crescer na Ásia e muitas coisas a serem descobertas".

TAGS:
Mais Notícias